Quando o inchaço nas pernas apresenta dor pode ser sinal de alerta: saiba como minimizar os riscos de trombose

Ter inchaço nas pernas é algo que pode parecer comum a muitas pessoas. Porém, quando o inchaço causa dor é um motivo de alerta para o surgimento de uma enfermidade perigosa: a trombose venosa, terceira doença cardiovascular mais comum no mundo.

Caracterizada por dor na perna, sensação de queimação e mudanças na cor da pele, a Trombose Venosa Profunda (TVP), popularmente conhecida apenas como trombose, é uma doença que requer atenção. Para isso, órgãos internacionais instituíram o dia 13 de outubro como data para que todo o mundo se conscientize sobre a gravidade do problema.

A doença se dá a partir da formação de um coágulo, chamado de trombo, em uma ou mais veias do corpo. Este coágulo pode causar o bloqueio ou prejudicar o fluxo de sangue na região, o que leva ao aparecimento dos principais sintomas. Caso esse coágulo se desprenda e circule pela corrente sanguínea, pode chegar, ao pulmão, _ processo conhecido como embolia pulmonar.

“O tromboembolismo venoso é uma doença multigênica (que pode ter várias causas) e multifatorial, e o envelhecimento é um fator de risco isolado; sendo o entupimento das veias das pernas a manifestação mais frequente”, explica o Dr. João Carlos de Campos Guerra, hematologista e vice-presidente do Grupo Cooperativo Latino Americano de Hemostasia e Trombose (CLAHT). De acordo com a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, somente no Brasil, cerca de 120 mil novos casos de trombose venosa profunda são diagnosticados por ano.

Fatores como histórico familiar, insuficiência cardíaca e obesidade podem representar um alerta para o surgimento da doença. E para quem fica longos períodos sem se movimentar, a atenção deve ser ainda maior.  “ACerca de 100mL de sangue por minuto vêm da panturrilha de volta para o coração, uma quantidade significativa e que pode ser prejudicada quando uma pessoa permanece muito tempo com as pernas para baixo e paradas. Essa situação predispõe ao risco de formação de trombos”, sinaliza Dr. Guerra. Apenas o simples fato de permanecer sentado por 90 minutos reduz a circulação sanguínea atrás do joelho em 50%, aumentando o risco de TVP nos membros inferiores.

O médico afirma ainda que o mito de que a trombose não possui sintomas deve ser quebrado. Segundo o Ministério da Saúde, mais de 40% da população brasileira não conhece os sintomas. “A trombose apresenta sinais que podem ser detectados de acordo com a profundidade do coágulo, portanto identificá-los em sua fase inicial é fundamental para evitar complicações futuras”.

Para minimizar esses riscos, algumas dicas podem ajudar a evitar o surgimento de coágulos.

– Evite permanecer muito tempo sentado sem se movimentar.

– Mantenha uma dieta equilibrada.

– Pratique exercícios físicos regularmente.

– Procure manter o peso adequado.

– Faça uso de meias de compressão caso tenha algum histórico familiar associado a varizes ou à trombose.

 

Tratamento

Dentre as terapias disponíveis no Brasil para o tratamento da trombose está a rivaroxabana (Xarelto®), um anticoagulante oral que trata e previne a trombose, sendo indicado no tratamento de embolia pulmonar (EP) e trombose venosa profunda (TVP), e na prevenção de acidente vascular cerebral (AVC)e embolia sistêmica em adultos com fibrilação atrial não-valvular, além da prevenção de tromboembolismo venoso (TEV) após cirurgia eletiva de artroplastia de quadril  (ATQ) e artroplastia de joelho (ATJ).

Para informações adicionais sobre contra-indicações, interações medicamentosas e efeitos colaterais, vide bula do produto ou fale com um médico.

 

Ações durante a semana

De 9 a 16 de outubro a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV) em parceria com aBayer, realiza ações de orientação médica em São Paulo para conscientizar a população sobre o tromboembolismo venoso.

Além de conscientizar a população sobre os sintomas da trombose, as ações têm como objetivo mostrar a importância do estilo de vida saudável na prevenção da doença. <larissa.gomes@bm.com>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.