4.193 mil casos de caxumba em SP: saiba como identificar os sintomas e prevenir a doença

O preocupante aumento de casos de caxumba no Estado de São Paulo alerta a população para a prevenção da doença. Apenas em 2016 foram registrados 4.193 casos – na capital paulista o crescimento chegou a 500% em relação ao ano passado. Mas, afinal, por que há tantas pessoas acometidas pelo vírus da caxumba? De acordo com a infectologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Graziella Hanna Pereira, a vacina contra a doença somente é eficaz se forem aplicadas as duas doses recomendadas; caso contrário não há proteção.

“É importante que crianças e até mesmo adultos tomem a vacina de forma correta. Só assim a caxumba poderá ser evitada com mais segurança”. A tríplice viral protege de três doenças: sarampo, rubéola e caxumba. Já a vacina quádrupla viral combate sarampo, caxumba, rubéola e varicela. A transmissão da caxumba ocorre pelo ar e pelo contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas, por isso, a especialista também indica lavar sempre as mãos e manter os ambientes com boa ventilação.

Além da prevenção, é importante ficar atento aos sinais da doença que podem ser confundidos com uma simples inflamação na região do pescoço e face (que podem ser ocasionados por outros tipos de vírus) ou com a formação de cálculos (pedras) nas parótidas (glândulas salivares). A infectologista explica que a confusão existe porque ambas apresentam sintomas muito semelhantes.

Já a caxumba é contraída por contato direto, gotículas aéreas (espirro ou tosse), objetos contaminados por saliva e provavelmente urina. Fadiga, febre, mal-estar, perda de apetite e inchaço na região do pescoço são os sintomas mais comuns nos pacientes. Vale lembrar que uma vez contaminado o indivíduo não será infectado novamente.

“É um mito que precisa ser derrubado. Após a infecção, as pessoas sempre ficam imunes”, enfatiza a infectologista. Ela acrescenta que é possível identificar a doença com uma simples análise clínica. Entretanto, o mais seguro é solicitar o exame de sangue, que detecta a presença de anticorpos contra o vírus.

O repouso é um cuidado essencial para a recuperação do infectado, uma vez que não existem medicamentos específicos para tratar a caxumba. “Se não for respeitada a orientação médica, o paciente corre o risco de complicações sérias, como a inflamação dos testículos e dos ovários (que pode resultar em esterilidade, meningite asséptica, pancreatite, neurite e surdez”, lembra.

 

COMPLEXO HOSPITALAR EDMUNDO VASCONCELOS

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.400 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil, conquistado pelo sexto ano consecutivo em 2016.

Rua Borges Lagoa, 1.450 – Vila Clementino, Zona Sul de São Paulo. 
Tel. (11) 5080-4000
Site:
www.hpev.com.br
Facebook: www.facebook.com/ComplexoHospitalarEV
Twitter: www.twitter.com/Hospital_EV
YouTube: www.youtube.com/user/HospitalEV

 

mariana.santos@tree.inf.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.