Câncer de mama masculino

O câncer de mama tem maior incidência em mulheres, representando, aproximadamente, 28% dos casos diagnosticados anualmente, de acordo como o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Entretanto, a doença, embora com uma incidência bem menor (1% do total), pode acometer os homens, pois se desenvolve em células que também estão presentes nos mamilos masculinos. Por isso, é importante que eles fiquem atentos, uma vez que, muitas vezes, as chances de cura acabam reduzidas em função do diagnóstico tardio, ou seja, com a enfermidade já em estágio avançado.

Na maioria dos casos, ela aparece como uma massa endurecida na região do mamilo, em muitas situações erroneamente diagnosticada como ginecomastia (aumento do volume das mamas, geralmente causado por medicamentos ou desequilíbrio hormonal). “Aproximadamente 90% dos diagnósticos são do subtipo histológico carcinoma ductal, sendo rara a forma lobular da doença, a segunda mais comum no sexo feminino”, acrescenta o médico oncologista da Oncomed BH, Dr. Ellias Abreu Lima.

Assim como nas mulheres, as ocorrências estão fortemente ligadas à genética, além de fatores de riscos, como exposição a hormônios femininos, sedentarismo, obesidade, tabagismo e etilismo. Mas a idade média de apresentação é dos 65 aos 70 anos, cerca de 10 a 15 anos mais tarde que o feminino. “Há também condições específicas do homem que favorecem o aparecimento do câncer de mama, como criptorquidia (testículos na cavidade abdominal), ginecomastia (geralmente secundária ao uso de medicamentos), doenças do fígado (cirrose, esquistossomose) e síndrome de Klinefelter, um distúrbio genético raro, no qual ocorre feminilização dos caracteres sexuais masculinos”, esclarece Dr. Ellias.

A realização de mamografia e a biópsia da lesão estão indicadas quando há suspeita do câncer de mama masculino, não sendo necessária a realização desse acompanhamento de forma regular, como nas mulheres. Já o tratamento, geralmente, segue os mesmos princípios daquele utilizado na população feminina: a cirurgia ainda é a principal ferramenta terapêutica, sendo que a quimioterapia e radioterapia podem ser indicadas. O bloqueio hormonal com tamoxifeno por cinco anos deve ser instituído em caso de positividade dos receptores hormonais.

Sobre a Oncomed

A Oncomed-BH, clínica especializada na prevenção e no tratamento das doenças neoplásicas, foi fundada em 1994, em Belo Horizonte. Desde então, realiza um trabalho que envolve cuidados diferenciados e tratamento humanizado a todos os pacientes. São especialistas em oncologia, hematologia, nutrição, clínica da dor, psicologia e cardiologia, além de uma equipe de suporte que realiza um acompanhamento efetivo na prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças.

melina.capila@linkcomunicacao.com.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.