Últimas

Oeste do Paraná se destaca em produção de energia renovável

Região, que é primeira do Estado em produção de biogás, discute novas possibilidades como energia solar e eficiência energética; temas estiveram em pauta no III Seminário de Energias Renováveis do Oeste do Paraná

Das cerca de 5,5 mil conexões fotovoltaicas em todo o Brasil, o Paraná figura como 5º estado com maior número de ligações com aproveitamento de energia proveniente da luz solar. São pouco mais de 500 ligações, em sua grande maioria, residenciais. A energia solar fotovoltaica é a fonte renovável com o maior número de conexões no Brasil, segundo a Associação Nacional de Energia Elétrica (Aneel), até setembro deste ano. Por outro lado, a geração de energia proveniente de dejetos de animais tem sido destaque no Estado por conta do agronegócio, tendo, na região oeste, o território de maior produção.

Esses e outros temas foram discutidos durante a terceira edição do Seminário de Energias Renováveis do Oeste do Paraná, evento realizado na última terça-feira (8), em Cascavel, que superou expectativas de público e representatividade. Realizado pelo Sebrae/PR e promovido pelo Programa Oeste em Desenvolvimento através da Câmara Técnica (CT) de Energias, o seminário reuniu cerca de 200 pessoas, entre grupos distintos como engenheiros, técnicos, estudantes, professores, produtores rurais de diversas cadeias produtivas de proteína animal, empresários, prefeitos e secretários municipais.

O evento, de acordo com a consultora do Sebrae/PR, Danieli Doneda, trouxe dados e exemplos práticos das possibilidades de geração de energia por fontes renováveis, principalmente as que têm maior potencial na região. “Discussões como essas abrem portas para compartilharmos casos de sucesso tanto no meio urbano como no meio rural, ampliando as opções. Estamos em uma região privilegiada, por ser a melhor irradiação solar do Sul do Brasil, favorecendo muito o uso de energia fotovoltaica; e pela força do agronegócio, que potencializa a possibilidade de geração de biogás”, indica.

Na avaliação do coordenador da CT de Energias, Felipe Souza Marques, o evento coroa o trabalho desenvolvido pela Câmara Técnica ao longo do ano. “As pessoas e instituições que fazem parte da CT e colaboram com ideias, ações, discussões compraram a ideia de serem protagonistas de um trabalho que começa a ganhar força. Ficamos muito contentes em conseguir reunir esse público representativo e agradá-lo com uma programação técnica que os provocou a pensar as energias renováveis não apenas como uma tendência, mas como uma realidade, valorizando iniciativas”, resume.

Potencial garantido

Iniciativas estas que, além de reforçar a questão da sustentabilidade e proteção ao meio ambiente, geram competitividade ao mercado, a exemplo do que expôs o segundo vice-presidente da Cooperativa Lar, Urbano Inácio Frey, em uma das palestras do seminário. “Começamos a pensar no uso do biogás há mais de dez anos. Se formos pensar em termos de economia financeira, ela é sazonal, mas em termos ambientais o ganho é constante. Transformamos, nesse processo, um passivo ambiental em energia elétrica e energia térmica para nossas caldeiras e centrais de produção”, relatou.

Avicultor há 11 anos, Vilmar Melgarejo, foi um dos participantes do III Seminário de Energias Renováveis do Oeste do Paraná. Com um criadouro de 200 mil aves em propriedade em São Miguel do Iguaçu, Vilmar vê nas energias renováveis uma opção sustentável de evitar perdas. “Infelizmente, ainda se tem muita queda de energia na rede elétrica. Vendo pelo fato de que em apenas meia hora sem luz podemos perder todo o plantel, é preciso contar com uma fonte alternativa de energia, sem dúvida. Vi que a solar é algo que vai compensar financeiramente no meu caso”, afirma.

A programação do evento contou com apresentação de talk shows sobre energia solar fotovoltaica, biogás e oportunidades de negócios no mercado de energias renováveis; além de palestras sobre gestão de energia, eficiência energética e a exposição de um modelo espanhol de negociação conjunta de energia elétrica. Além disso, fornecedores de produtos e serviços em energias renováveis da região também tiveram a oportunidade de apresentação aos participantes.

Eficiência Energética

Convidado especial do evento, o presidente da Agencia Andaluza de la Energía (AAE), Vicente Fernández Guerrero, palestrou sobre o modelo espanhol criado para negociação conjunta de energia elétrica nas cidades que compõem a comunidade da Andaluzia, ao sul da Espanha. “Por meio de uma aglomeração de consumidores, grande maioria prédio públicos, conseguimos não só comprar energia por um preço menor, como diminuímos as perdas energéticas com apoio de técnicos especializados”, contou.

Em um só contrato, que é gerenciado pela AAE, são 116 instituições com mais de quatro mil edifícios integrados que representam um consumo anual de 800 GWh. “Vimos que, ao unir hospitais, universidades, polícia, escolas, institutos, dentre outros, em um mesmo contrato, conseguiríamos um preço melhor e uma eficiência em gestão da energia. É um modelo de agregação de demanda que já rendeu uma economia de € 90 milhões em seis anos”, contextualizou.

Segundo Guerrero, a Rede de Energia da Junta de Andaluzia vai para a gestão do terceiro contrato, tendo seu modelo premiado pelas empresas espanholas de distribuição de energia Iberdrola (em 2009) e Endesa Energía (em 2011 e 2016). “Ficamos de 2006 a 2010 somente formatando o modelo, fazendo auditorias energéticas para conhecer o estado da rede e dos fornecimentos. Isso nos permitiu fazer uma compra mais barata, centralizada, especializada e profissionalizada”, garantiu.

Com o grupo, são feitos estudos sobre o melhor aproveitamento da energia distribuída. “Por exemplo, somente reduzir a potência distribuída, conseguimos economizar € 5 milhões. Havia prédios nos quais chegava uma potencia que não era utilizada. Evitamos o desperdício de energia com uma equipe de especialistas enxuta, de cerca de 40 pessoas, que pensa e age em termos de eficiência energética para esses 4,4 mil prédios que fazem parte da rede”, enfatizou Vicente Fernández Guerrero.

O evento

O III Seminário de Energias Renováveis do Oeste do Paraná, que aconteceu no dia 8 de novembro de 2016, foi uma realização do Sebrae/PR e Programa Oeste em Desenvolvimento, com o apoio da Itaipu Binacional, CIBiogás, TECFAG, Sistema Fiep, Absolar, ABiogás, Copel e Governo do Estado do Paraná.

Biogás e energia solar são fontes de alto potencial na região (Crédito da foto: Ralph Willians)

Biogás e energia solar são fontes de alto potencial na região (crédito da foto: Ralph Willians)

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*