Brasileiras visitam mais depiladoras que ginecologistas

A depiladora Samanta Roberto, de 43 anos, atende uma média de sete clientes por dia. Às sextas-feiras, chega a atender mais de 20 mulheres. “Em época de feriado e dias quentes, tem cliente o dia inteiro”, conta a profissional que está há 23 anos na área. Em um mês, tira de R$ 7 mil a R$ 8 mil de salário. Uma pesquisa do instituto Qualibest revelou que 97% das mulheres brasileiras fazem depilação íntima – uma particularidade de um país com quase 7,5 mil quilômetros de litoral e clima predominantemente tropical.

A constatação de que as brasileiras visitam mais a maca das depiladoras do que a sala dos ginecologistas inspirou um projeto inovador em Curitiba (PR). O curso de Medicina da Universidade Positivo (UP) criou o programa “Depiladora Amiga”, para capacitar profissionais de depilação com informação a respeito de sintomas de doenças sexualmente transmissíveis e também com orientações sobre o funcionamento das unidades de saúde. Dessa forma, as depiladoras podem estimular suas clientes a realizarem consultas e exames preventivos.

A primeira edição do programa aconteceu em 2015 e os resultados já puderam ser notados, com aumento do engajamento da população no atendimento ginecológico. “A prevenção é o melhor e mais seguro caminho para manter a saúde, principalmente das mulheres, que têm alta incidência de doenças como câncer de mama e de colo de útero, por exemplo”, explica a professora de Saúde da Família da UP, Andressa Gulin, que criou o projeto em conjunto com a enfermeira Tatiane Herreira Trigueiro, também professora na universidade. As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) estão entre os maiores desafios a serem superados por profissionais de saúde de todo o mundo. Dados do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde apontam que cerca de 1 milhão de brasileiros são infectados por DSTs a cada ano.

Em 2016, o projeto tomou força e, além de informar sobre as DSTs e equipamentos de proteção para o trabalho profissional, o curso capacita as depiladoras a identificarem sinais de violência contra a mulher. Tatiane explica que o papel da depiladora, que normalmente tem bastante intimidade com suas clientes, é o de identificar se a região íntima é sadia. Nos casos negativos, a cliente é orientada a buscar atendimento no serviço de saúde. “Graças ao vínculo com suas pacientes, a depiladora tem um grande potencial e pode se tornar uma promotora de saúde”, destaca. Ouzanas Maria Félix, que trabalha como depiladora há 12 anos, gostou muito da proposta do curso, por proporcionar mais capacitação para o seu trabalho cotidiano. “A gente costuma ter muita liberdade com as clientes e quando elas vêm com dúvidas sobre infecção ou algum outro problema, eu já recomendo a buscarem a ajuda de um profissional de saúde”, argumenta.

Treinamento

A última etapa da capacitação das depiladoras aconteceu no dia 28 de novembro, com profissionais dos distritos Santa Felicidade, Boa Vista e Matriz. Na próxima segunda-feira, 5 de dezembro, o curso gratuito será oferecido no auditório do Hospital Zilda Arns, para as profissionais que atuam nos distritos sanitários Pinheirinho, Tatuquara e Bairro Novo. Tatiane salienta que a intenção não é de que a depiladora faça um diagnóstico, mas sim que oriente outras mulheres a procurarem a unidade de saúde. Durante 4 horas, as 150 depiladoras participantes serão orientadas por médicos e enfermeiros sobre anatomia, lesões em região inguinal, fluxograma em unidades de saúde, técnicas de depilação, equipamentos de proteção, informações sanitárias, como identificar sinais de violência contra a mulher e como encaminhar clientes para atendimento nas unidades. Interessadas podem buscar informações nas unidades de saúde ou pelo telefone (41) 3350-9335.

 

Assista ao vídeo sobre o projeto: https://goo.gl/ZqvEIt

 

Serviço

Curso de capacitação “Depiladora Amiga”

Data: 5 de dezembro de 2016, das 9h às 12h

Local: Hospital Zilda Arns (Rua Lothário Boutin, 90 – Pinheirinho – Curitiba - PR)

imagem_release_816941

Central Press

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Talvez você se interesse por estes artigos

No sábado, 23 de fevereiro, das 9h às 12h, mais de vinte instituições, participam na Boca Maldita, em Curitiba, das comemorações do Dia Mundial de...
Fechar Menu