Cantuquiriguaçu inicia projeto inédito do Sebrae e Coprossel no segmento de grãos

Desde o dia 21 de novembro de 2016, produtores da Coprossel receberam visita de consultores para diagnóstico de gestão; cronograma de ações para 2017 foi definido na última terça-feira (20)

Cento e vinte produtores rurais de grãos, associados à Cooperativa de Produtores de Sementes (Coprossel), foram escolhidos para receber o Programa de Encadeamento Produtivo do Sebrae. Inédito no segmento, o programa tem como objetivo promover o desenvolvimento de pequenos negócios por meio da cooperação com grandes empresas. Assim, neste caso, por intermédio do Sebrae Nacional e Sebrae/PR, a Coprossel vai possibilitar melhorias na gestão das propriedades rurais associadas.

Como projeto-piloto no Brasil, as expectativas são grandes para que possa servir de modelo de aplicação e balizador de resultados em outras regiões do país. “O encadeamento produtivo é uma metodologia importante para a atuação do Sebrae no agronegócio. Por meio dele, podemos juntar grandes empresas com pequenos produtores rurais, integrando-os às cadeias produtivas”, explica o analista técnico da Unidade de Atendimento Coletivo Agronegócio do Sebrae Nacional, Demian Condé.

O lançamento do Encadeamento Produtivo no Cantuquiriguaçu aconteceu na segunda quinzena de novembro e, a partir de dezembro, os produtores começaram a receber a visita da equipe técnica do projeto para uma avaliação sobre a gestão da produção na propriedade. O passo seguinte, com parte do resultado do diagnóstico da pesquisa de campo, foi o planejamento do cronograma de ações, definido em reunião no dia 20 de dezembro em Laranjeiras do Sul.

“As micro e pequenas empresas se fazem presentes tanto no meio urbano quanto no rural. Entendemos que produtores rurais também necessitam melhorar a competitividade de mercado, profissionalizar a gestão, praticar controles, exercer parcerias, entre outras atividades empresariais. E a função do Sebrae é exatamente esta, de levar ferramentas para desenvolver pequenos negócios, independentemente do meio em que ele estiver”, indica o gerente regional do Sebrae/PR no oeste, Orestes Hotz.

“A melhoria da gestão aliada à melhoria técnica proporcionada pela Faep, Ocepar, Emater e Sindicatos Rurais Patronais, muito atuantes no Território Cantuquiriguaçu, são essenciais para o desenvolvimento dos negócios rurais”, completa Hotz.

O consultor do Sebrae/PR, Edson Braga, que atua no território Cantuquiriguaçu com outros projetos de desenvolvimento empresarial, observa que o trabalho da instituição complementa a atenção que o setor produtivo do agronegócio recebe de outras entidades. “Os produtores estão muito bem assistidos na parte técnica. Não ensinaremos a produzir melhor, mas a implantar controles melhores das produções e propriedades, tendo como foco a rentabilidade enquanto negócio”, esclarece.

Na avaliação do presidente da Coprossel, Paulo Pinto, a cooperativa apoiou a iniciativa justamente porque vai ajudar a preencher uma lacuna, uma necessidade dos associados. “Percebíamos que esta era uma das melhorias que precisavam ser feitas com nossos associados. A grande maioria não tem controles bem definidos, indicadores que avaliem o custo da produção, o lucro e o resultado. Não tenho dúvida de que quem participar vai poder fazer a gestão com mais eficiência”, argumenta.

A Coprossel, empresa âncora do Encadeamento Produtivo no setor de grãos do Cantuquiriguaçu, é a maior cooperativa fundada no Território e atende exclusivamente municípios dessa região. Ao todo, são 721 associados, contando com uma carteira de mais mil clientes não associados, e tem mais de 200 funcionários. Com faturamento médio de R$ 200 milhões, a cooperativa conta com unidades em Rio Bonito do Iguaçu, Virmond, Porto Barreiro, Nova Laranjeiras e duas unidades em Laranjeiras do Sul, além de uma unidade de beneficiamento de sementes.

Qualificação

O diagnóstico nas propriedades foi realizado com base no Modelo de Excelência da Gestão (MEG), da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), utilizado pelo Sebrae para identificar os principais gargalos de competitividade e monitorar a evolução dos empreendimentos atendidos pelo programa. “Esses dados apontam a direção que devemos tomar no plano de ações para 2017 e 2018, que podem vir em forma de consultorias individuais, capacitações, grupos, missões técnicas e etc.”, enfatiza Edson Braga.

Sidnei Southier é um dos produtores participantes do projeto e interessou-se pela proposta assim que tomou conhecimento pela cooperativa. “Já tenho alguma noção de gestão, pois temos uma indústria em Laranjeiras do Sul. Entretanto, sei que não desenvolvo tudo que é preciso fazer para a empresa no campo. O projeto vai ser um estímulo para que a gente controle e gerencie melhor nossa produção. Minha expectativa e que, ao final, possa aumentar a lucratividade”, assinala Southier.

Ações programadas

Na reunião da última terça-feira (20), Sebrae/PR e Coprossel definiram uma série de ações que terão início nos primeiros meses de 2017. “Alinhamos ações de janeiro até dezembro do próximo ano, que vão desde a criação de material de acompanhamento e segmentação de produtores para grupos mais heterogêneos, em janeiro e fevereiro; oficinas de gestão e liderança no campo, de março a maio; consultorias especializadas, programadas para ter início em junho”, enumera Edson Braga.

O consultor relata, entretanto, que o planejamento pode sofrer alterações conforme as necessidades apontadas no andamento das ações. Além disso, também entrarão no cronograma do Programa de Encadeamento Produtivo no Cantuquiriguaçu, as atividades planejadas pela Coprossel aos cooperados, como a participação na Expoagro, em Laranjeiras do Sul, dias de campo, o Desafio Soja 200+ (programa de estímulo à produtividade) e abertura de safras.

Ao longo do ano, os 120 produtores participantes terão acesso oficinas técnicas, seminários, capacitações e consultorias especializadas em gestão de controles financeiros, além de missões técnicas nacionais ou em países vizinhos. “Uma das temáticas indicadas para os seminários, por exemplo, é a sucessão familiar, proposta inicialmente composta por dois seminários, oito cursos, 21 oficinas e 15 palestras que devem acontecer entre os meses de setembro e outubro de 2017”, assinala o consultor do Sebrae/PR.

Resultados

Os resultados esperados pelo projeto-piloto, de acordo com Edson Braga, é aumentar em 15% o índice de competitividade dos pequenos negócios; aumentar o faturamento médio em 10%; assim como o aumento do mesmo percentual na produção de grãos; e reduzir em 7% os custos por saca produzida (unidade), considerando a média do público-alvo do projeto; tudo isso até o final do acompanhamento do projeto, em dois anos.

Conforme ressalta Condé, do Sebrae Nacional, “por um lado, o produtor tem a segurança da comercialização (no encadeamento à montante da grande empresa), do apoio técnico, da melhoria da produtividade e gestão do negócio. Do outro lado, a grande empresa (cooperativa) se beneficia do produtor mais eficiente e competitivo, recebe produtos de melhor qualidade, aumenta o volume de produção e, por consequência, aumenta a competitividade da cadeia como um todo.”

O Sebrae/PR é um exemplo para o Brasil em termos de projeto, garante Demian Condé, do Sebrae Nacional. “Temos grandes expectativas quanto aos resultados desse em particular. Por meio dele será possível demonstrar do setor e, principalmente, servirá como exemplo para que outras cooperativas agrícolas e empresas do setor percebam a oportunidade que se abre por meio do Encadeamento Produtivo. Será possível, ainda, associar, a balança comercial aos projetos do Sebrae, ao dizer que um percentual passa pelos pequenos negócios atendidos”, contextualiza.

O Programa

Estratégia do Sistema Sebrae para aumentar a cooperação, a competência tecnológica e de gestão das micro e pequenas empresas, o Encadeamento Produtivo auxilia na competitividade empresarial e na cadeia de valor como um todo. Um programa que já trouxe resultados positivos a diversos setores produtivos em todo o Paraná, acrescenta a consultora do Sebrae/PR e coordenadora do Projeto de Encadeamento Produtivo no Estado Carla Werkhauser.

“Os projetos concluídos mais recentemente do Programa Encadeamento Produtivo deram forças de competitividade das pequenas empresas integrantes da cadeia produtiva da Ultragás, no leste do estado, no final de 2015; e da Cocamar, encerrado em novembro de 2016. Além do projeto com a Coprossel, no oeste, também começaram o encadeamento produtivo, neste ano, a Rede Forte de supermercados, no sudoeste; e a PiC-NiC, indústria de leite e derivados, no noroeste”, detalha Carla.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.