“Minha Arte no MON” recebeu cerca de quatro mil visitantes durante o final de semana

“Estamos muito felizes com essa primeira edição. Cerca de quatro mil pessoas passaram pelo evento. Foram três dias de sinergia intensa entre artistas locais e nacionais com o público, que teve a oportunidade de conhecer o trabalho de profissionais que buscam valorizar a arte, a produção artesanal e os produtos locais em suas criações”, assim resumiu Cassandra Joerke, proprietária da produtora De Boca em Boca Eventos e organizadora do Minha Arte no MON, realizado neste final de semana, no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba.

O evento reuniu cerca de 70 expositores, 38 escritores e 13 locais de alimentação. Entre os destaques do final de semana, o Minha Arte no MON contou com 20 live-paintings, conduzidos por pintores das mais diversas partes do país, oito oficinas e cerca de dez lançamentos. Alguns expositores, inclusive, lançaram as suas marcas durante o evento, como é o caso da Geração Z (marca de roupas curitibana voltada para o público infantil), da Carmine (que confecciona itens para a cozinha com madeiras nobres brasileiras), do Pró Planetário e do “O Mateiro Orgânico” (que produz a bebida com base no mate orgânico).

Outros artistas aproveitaram o Minha Arte no MON para mostrar ao público seus novos produtos, como a Márcia Széliga, com seu livro ‘Lição de Coisa à Toa; a Leveza do Ser, com a coleção Verão 2017 e o pessoal da Crânios Cabeludos, com os crânios tatuados assinados por tatuadores de renome local e nacional. Para Cassandra, o evento também foi importante para evidenciar os artistas, especialmente aqueles que estão em início de carreira. “Tivemos muitos expositores que estão começando agora e tenho certeza que esse contato com o público foi muito importante para que eles conseguissem mostrar o trabalho e a arte que produzem”, ressalta.

Agora, segundo a organizadora, é necessário analisar o que deve ser mantido e o que pode ser melhorado para a segunda edição do evento que, de acordo com ela, vai acontecer. “Eu quero conversar com os expositores e receber o feedback deles, tanto os positivos como os negativos”, afirma. De acordo com ela, o objetivo é consolidar o Minha Arte no MON e assim torná-lo um evento regular em Curitiba. “É claro que para isso acontecer, vamos precisar de mais apoiadores e parceiros que nos ajudem a realizar essa segunda edição”, finaliza Cassandra. Na página do evento no Facebook, você pode conferir os principais acontecimentos e as fotos dos três dias do Minha Arte no MON.  (Lucas Karas)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.