Últimas

Submarino: a bebida com a cara de Curitiba

O coquetel surgiu por acaso durante o inverno de 1982 e se tornou o drinque mais tradicional da cidade.

O drinque mais famoso de Curitiba surgiu por acaso. Foto: Ana Elisa Silva/ Divulgação.

Ser curitibano, ou visitar a cidade, e não tomar um Submarino no Schwarzwald – Bar do Alemão é como nunca ter passado por Curitiba. O que pouca gente sabe é que a bebida mais tradicional da capital paranaense nasceu de uma brincadeira entre amigos que frequentavam o bar durante o inverno de 1982 e que, para se esquentar antes de tomar um chope, pediam uma dose de Steinhäeger. Em uma das rodadas do destilado, um dos copos caiu no chope. Para a surpresa do garçom, todos na mesa fizeram o mesmo: colocaram sua dose de Steinhäeger dentro do caneco de chope.

“O nome surgiu ali mesmo, na mesa. Foi tudo muito espontâneo”, comenta Jorge Tonatto, gerente do Bar do Alemão. A receita deu tão certo que, antes mesmo de entrar no cardápio, ela já havia se tornado o carro-chefe do estabelecimento. Segundo Tonatto, todos os meses são servidos cerca de 14 mil Submarinos e o segredo do sucesso está justamente na originalidade da bebida.

Outra marca registrada do Submarino é a canequinha que fica imersa. Tão lendário quanto a bebida, é levar essa lembrança para casa. Raimundo da Conceição, funcionário do Bar do Alemão há 22 anos, conta que a tradição surgiu assim que o drinque foi criado.

“As pessoas levavam embora o copinho americano em que estava o Steinhäger. Alguns anos depois surgiram as canequinhas como um presente para os clientes”, conta. A partir de então, todas têm a frase: este caneco foi honestamente roubado e ha alguns anos, o ano do “roubo”.

As canecas, que são uma espécie de suvenir do Bar do Alemão, possuem três modelos fixos: com bandeiras dos estados alemães; com os brasoes dos estados da Alemanha; e com pontos turísticos de Curitiba. Durante datas especiais, como Copa do Mundo e Olimpíadas, edições limitadas também são fabricadas. Os grupos folclóricos se apresentam às quartas-feiras durante o Festival Etnias também são homenageados com séries de canequinhas. Tonatto comenta que está programada para janeiro uma tiragem especial. “Se chama”, revela, “meu primeiro Submarino de 2017”.

Histórias

Entre todas as histórias vivenciadas no Bar do Alemão graças ao Submarino, Jorge Tonatto tem vivo na memória a vez em que um engenheiro de uma companhia multinacional japonesa foi ao bar e encontrou exposta uma canequinha com o brasão de um clube de futebol da sua cidade. “O caso aconteceu quando fizemos canequinhos com clubes dos campeonatos de futebol de todos os continentes”. O gerente relembra que aquele foi um momento de saudade de casa e emoção. Como resultado, o cliente comprou várias canequinhas para presentar os amigos e parentes.

Para Conceição é impossível esquecer o recorde de Submarino tomados por uma única pessoa: 17 canecos. Ele conta que o cliente, que hoje mora no Mato Grosso, ficou 5 horas no estabelecimento e chegou com o propósito de quebrar a marca anterior, que era de 14 Submarinos. “Isso aconteceu em 1995, mas até hoje ninguém conseguiu bater o número”, afirma e completa: “a média é de 6 ou 7 Submarinos por cliente”.

O editor Marcelo Almeida é frequentador do Bar do Alemão há muitos anos e para ele o Submarino tem a cara de Curitiba. “A combinação entre chope e Steinhäeger é perfeita. E eu adoro levar a canequinha para casa. Já faço coleção”, explica. Marcelo ressalta ainda que o sabor do Submarino é inigualável: “é muito melhor que o chope tradicional.”

Opções

O Submarino, no entanto, vai além da receita clássica. Quem quiser experimentar outros sabores pode provar o Submaster, que combina o chope com Jägermeister, bebida tradicional alemã produzida com 56 ervas e considerada o destilado mais consumido no mundo. Uma opção, ao lado do Submarino com energético na canequinha, versão menos etílica do drinque, e o Sub-Osborne que traz uma dose de brandy.

Ao redor do mundo

O sucesso do Submarino é tamanho que outros bares de Curitiba oferecem a opção no cardápio. Para Jorge, entretanto, esse é o maior prêmio que se pode ganhar. “Ficamos honrados, afinal, é uma criação nossa”, ressalta. O gerente lembra que a canequinha é exclusiva do Bar do Alemão. Ele conta também que já viu o suvenir enfeitando bares em outros lugares do mundo e confessa que sente orgulho em poder compartilhar e fazer parte essa história.

Serviço:
Schwarzwald – Bar do Alemão

Informações e reservas: (41) 3223-2585
R. Dr. Claudino dos Santos, 63 – São Francisco, Curitiba – PR, 80020-170

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*


Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com