O sol é a principal fonte de vitamina D para o organismo

Deficiência da vitamina chega a 80% dos exames entre abril e setembro em Curitiba

 

A carência da vitamina no organismo já é considerada epidemia e atinge mais de 1 bilhão de pessoas no mundo. O sol é a principal forma de sintetizar o pré-hormônio. A vitamina D, que percorre todas as células do organismo, tem o sol como principal fonte. Segundo o LANAC – Laboratório de Análises Clínicas, 70% a 80% dos exames de vitamina D realizados entre os meses de abril e setembro mostram carência da vitamina no organismo.

Segundo o bioquímico do LANAC, Marcos Kozlowski, vivemos em uma época de superproteção ao sol. “É claro que não podemos esquecer que as radiações solares provocam manchas e apressam o envelhecimento, além de constituir a principal causa do câncer de pele. Mas ficar exposto ao sol, sem protetor solar, durante 15 minutos, já é capaz de garantir uma boa dose de vitamina D, mesmo que somente nos braços, rosto e mãos”, recomenda o bioquímico.

Os benefícios dessa vitamina na prevenção de doenças ligadas aos ossos, como raquitismo infantil e a osteoporose, já são conhecidos e comprovados, mas agora, novas pesquisas relacionam a carência da vitamina com outros distúrbios, como doenças neurológicas, hipertensão, obesidade, diabete, depressão, doenças cardiovasculares, autoimunes e até mesmo alguns tipos de câncer. Alguns alimentos também fornecem vitamina D, como peixes oleosos (salmão, atum, sardinha), cogumelos, gema de ovo, sucos e cereais enriquecidos artificialmente. Mas a exposição ao sol continua sendo a melhor forma de se obter vitamina D.

Segundo Kozlowski, o exame de sangue que mede a vitamina D é chamado de 25(OH)D. Os resultados do exame de sangue podem dizer se você está recebendo pouca, muita ou a quantidade certa de vitamina D, sendo que de 20 ng/ml a 70 ng/mL a quantidade da vitamina é suficiente. De 20 a 10 ng/ml é considerado uma leve deficiência; menos que 10 ng/ml mostra um déficit moderado e menor que 5 ng/ml considera-se insuficiência grave. É bom lembrar que esses são valores para pessoas sem nenhuma patologia; para pacientes em tratamento de osteoporose, função renal reduzida, ou em tratamento de diálise, prevenção de câncer e doenças auto-imunes esses valores alteram.

Sobre o LANAC:

Há 25 anos, o LANAC – Laboratórios de Análises Clínicas se diferencia por se manter, com orgulho, como empresa 100% paranaense. A empresa possui 38 unidades de atendimento em diversos bairros de Curitiba, além da Região Metropolitana, Rio Branco do Sul, Foz do Iguaçu e também em São Paulo. Hoje, o laboratório oferece mais de dois mil tipos de exames, além de coleta domiciliar e assessoria científica para médicos e conta com mais de 320 colaboradores. Recebe exames de 25 laboratórios, atuando como laboratório de apoio. A sede central, com 1.200 m², é o maior centro de análises clínicas de Curitiba. A empresa participa de testes de proficiência do Controle Nacional de Qualidade da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas, com nota excelente desde 1992 e mantêm a certificação ISO 9001/2008 atualizada desde 2004.

 

 

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.