Os desafios em torno dos sobreviventes de câncer

A medida que mais pacientes vivem mais tempo com câncer, são necessárias mudanças dirigidas por múltiplos atores para melhorar o cuidado integrado, ou coordenado, que atendam aos seus requerimentos a longo prazo, de acordo com uma nova iniciativa de pesquisa global patrocinada pela Bristol-Myers Squibb e desenvolvida pela Unidade de Inteligência do The Economist (EIU) intitulado Sobrevivência Global ao Câncer:A Necessidade de Cuidados Integrados**.

A pesquisa revela desafios com a prestação de serviços oncológicos que sejam acessíveis física e financeiramente, e caracteriza mudanças nas políticas e práticas necessárias para oferecer cuidados integrados para os sobreviventes de câncer a longo prazo.

“De acordo com uma nova iniciativa de pesquisa global, é necessário um maior envolvimento dos prestadores de serviços de saúde, empregadores, advogados e formuladores de políticas para conduzir estratégias eficazes e melhorar a eficiência a longo prazo, um cuidado integral do câncer que aborde a qualidade da sobrevivência em todas as suas fases”, disse Emmanuel Blin, Diretor de Estratégia da Bristol-Myers Squibb. “A pesquisa multidimensional explora vários conceitos, incluindo o valor da sobrevivência ao câncer, e apresenta ideias poderosas para apoiar a comunidade do câncer a longo prazo.”

A sobrevivência ao câncer, o processo de viver com, através e além do câncer é uma tendência global positiva de saúde pública que deverá ter um crescimento sem precedentes nas próximas décadas por causa de melhores diagnósticos e tratamentos. Os cânceres estão entre as principais causas de doença e morte em todo o mundo, com aproximadamente 14 milhões de pacientes recém diagnosticados e 8,2 milhões de mortes relacionadas ao câncer anualmente, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS)***. Cerca de 32,6 milhões de pessoas eram sobreviventes de câncer havia cinco anos em 2012, nos dados mais recentes disponíveis, mas as taxas de sobreviventes variam de acordo com o tipo de câncer e a localização geográfica. A OMS informa que as regiões mais desenvolvidas têm taxas de sobrevivência de cerca de 1.619 pessoas por 100.000 habitantes, mas em regiões menos desenvolvidas, a taxa cai para cerca de 376 pessoas.

Sobrevivência Global ao Câncer: A Necessidade de Cuidados Integrados é uma iniciativa robusta, resultando em uma série de relatórios com visões acionáveis para as partes envolvidas. Os principais resultados da pesquisa estão disponíveis em http://cancersurvivorship.eiu.com/, e incluem:

  • Abordagens baseadas em evidências para tratar o futuro do cuidado do câncer através de uma série de relatórios inspirados no suplemento “World If” do The Economist, exploram as complexidades do acesso ao tratamento do câncer e aos cuidados de saúde baseados no valor, oferecendo diversas abordagens para tornar esses cenários uma realidade em um futuro próximo.
  • Abordagens para reforçar o apoio ao local de trabalho para as pessoas afetadas pelo câncer. Os resultados de uma pesquisa feita com 500 executivos sêniores em 20 países, mostram que algumas organizações estão introduzindo políticas inovadoras, não só para funcionários recém-diagnosticados com câncer e em tratamento, como também para sobreviventes destas doenças, sejam pessoas em condições crônicas ou que atuam como cuidadores de outras pessoas com câncer. No entanto, mais ação é necessária. Das empresas pesquisadas, 60% oferecem adaptações aos empregados portadores de câncer, e 54% oferecem licença compassiva além dos limites estabelecidos de nacionalidade a funcionários que cuidam de familiares com câncer. Apesar disso, uma explicação detalhada das opções de volta ao trabalho é oferecida por apenas 44% dos empregadores, por exemplo.
  • Melhores práticas para abordar os desafios encarados pelos pacientes, médicos de cuidados primários e formuladores de políticas através de redes de suporte contínuas e eficientes que resultem em melhores resultados para os pacientes. Melhorar os aspectos organizacionais do cuidado do câncer, como fluxogramas de assistência que mapeiem o tratamento, incluindo a reabilitação e o pós-tratamento, com comunicação estruturada e sistemática, coordenação entre os prestadores de cuidados, e deve também considerar experiências individuais e políticas de parceria fortes entre setores governamentais e não governamentais.

Uma pesquisa adicional a ser publicada em 2017 explora as políticas e experiências de sobreviventes de câncer em seis países, Brasil, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos e analisa em profundidade os desafios que os sobreviventes de câncer enfrentam nessas regiões.

 

Sobre a Iniciativa de Pesquisa

A Bristol-Myers Squibb patrocinou a iniciativa de pesquisa “Sobrevivência Global ao Câncer: A Necessidade de Cuidados Integrados”, conduzida pela Unidade de Inteligência do The Economist (EIU), líder mundial em inteligência global de negócios e a divisão business-to-business do Grupo The Economist, que publica o jornal The Economist. O projeto global examina as necessidades dos sobreviventes de câncer e explora como os governos, as empresas, os profissionais de saúde e os advogados dos pacientes apoiam os sobreviventes, ao mesmo tempo que estudam as mudanças adicionais que podem precisar fazer no futuro.

 

Sobre a Bristol-Myers Squibb

A Bristol-Myers Squibb é uma empresa biofarmacêutica global cuja missão é descobrir, desenvolver e entregar medicamentos inovadores que ajudem os pacientes a enfrentar e vencer doenças graves. Para obter mais informações sobre a Bristol-Myers Squibb, visite-nos em http://www.bristol.com.br

 

Fontes

* http://cancersurvivorship.eiu.com

** http://cancersurvivorship.eiu.com

*** http://gco.iarc.fr/today/fact-sheets-populations?population=900&sex=0

<matheus.santos@ogilvy.com>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.