A importância dos hábitos saudáveis em destaque no Dia Mundial do Rim

Neste Dia Mundial do Rim, 9 de março, o alerta é para os fatores de risco das doenças renais. A obesidade, por exemplo, pode causar diabetes e hipertensão, por isso, faz-se necessário adotar um estilo de vida saudável.

Os rins são responsáveis pela limpeza das impurezas do sangue e controlam a pressão arterial, além de terem papel essencial para o funcionamento do organismo.  “Todo mau hábito contra o corpo influencia na sobrevida da função renal”, aponta o diretor clínico e nefrologista do Hospital Pequeno Príncipe, Donizetti Dimer Giamberardino Filho. O médico também destaca a importância do diagnóstico precoce. “A doença renal é silenciosa, então os exames de rotina são de extrema importância. Perceber os sinais com a enfermidade já avançada pode resultar em soluções mais extremas como o transplante ou até mesmo acarretar na falta de tratamentos”, afirma.

Alguns sinais podem indicar comprometimento renal. A frequência e a cor da urina, ter infecções urinárias constantemente, pressão arterial elevada e inchaço podem ser indícios de problemas com os rins. Pessoas com históricos de doença renal ou que tenham diabetes, mielomeningocele ou lúpus também devem ficar atentas.

Hábitos saudáveis

Adotar atitudes simples no dia a dia é essencial para garantir o bom funcionamento dos rins. Confira o que pode ser feito para evitar problemas renais futuros:

  • Beber água
  • Praticar exercícios físicos regularmente
  • Ter uma alimentação saudável
  • Controlar o peso corporal e a pressão arterial
  • Não fumar e nem abusar da bebida alcoólica
  • Evitar situações que provoquem a desidratação
  • Não usar medicamentos sem prescrição médica e evitar o uso de anti-inflamatórios.
  • Consultar seu médico periodicamente

 

Serviço de Nefrologia e Transplante de Rim do Hospital Pequeno Príncipe

Criado em 1985, é o único exclusivamente pediátrico do Paraná e é considerado um dos mais completos do Brasil.O serviço se diferencia por possuir, em um mesmo local, uma diversidade de exames e todas as modalidades de terapias, o que garante agilidade e precisão no diagnóstico e tratamento. Por mês, realiza mais de 600 consultas e cerca de 50 pacientes fazem hemodiálise e diálise peritoneal. Desde 1989 realiza transplantes. De lá pra cá, já totalizou 329 procedimentos, sendo 13 somente em 2016.

No ano passado, a instituição também lançou uma série de publicações com o objetivo de disseminar o conhecimento e amparar pais, cuidadores e profissionais de saúde no cuidado integral de crianças e adolescentes. Entre elas, um manual que busca orientar, confortar e auxiliar nas rotinas e hábitos adequados aos limites e possibilidades das insuficiências renais crônicas.  <samara.macedo@hpp.org.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.