Acupuntura é utilizada no tratamento de pacientes com câncer no Hospital São Vicente

A Instituição conta com serviço de cuidados paliativos que associa diversas terapias para controle de sintomas

O câncer é uma doença que provoca diversos sintomas, seja da própria doença ou dos efeitos colaterais do tratamento. Buscar formas de proporcionar mais conforto e bem-estar aos pacientes é um trabalho constante no Hospital São Vicente. “Uma das terapias coadjuvantes em nosso serviço de Cuidados Paliativos é a Acupuntura Médica. Somos o primeiro hospital do Paraná e um dos poucos no Brasil a proporcionar a Acupuntura Médica para os pacientes oncológicos do Sistema Único de Saúde”, revela o médico acupunturiatra Paulo Fabricio Nogueira Paim, coordenador do Serviço de Cuidados Paliativos e Controle de Sintomas do Hospital São Vicente.

No tratamento do câncer, a acupuntura é aplicada no controle da dor e sintomas de difícil manejo. “Ela modula neurotransmissores envolvidos no mecanismo fisiológico da dor e de disfunções diversas, regulando circuitos neurais e ajudando na redução dos medicamentos. Isso acaba diminuindo sintomas comuns causados muitas vezes pela terapia anticâncer, como vômitos, constipação, boca seca, sofrimento psíquico, insônia e retenção de líquidos”, conta o médico acupunturiatra.

Mas a acupuntura não é a única abordagem utilizada no controle de sintomas no hospital. “Além da Acupuntura Médica, utilizamos um arsenal multimodal, composto por medicações analgésicas e adjuvantes, e por profissionais de diversas áreas como fisioterapia, psicoterapia e nutrição, inclusive especialidades médicas capazes de realizar intervenções invasivas como bloqueios anestésicos e neurocirurgias para oferecer um melhor resultado com um menor risco quando necessário”, observa Paulo Paim.

Para que o paciente receba os cuidados paliativos adequados, o médico acupunturiatra explica que existem diversos critérios de observação, seguidos por uma equipe multiprofissional, que avaliam quais pacientes que se enquadram para receber esses cuidados. “Eles são encaminhados para o ambulatório de Cuidados Paliativos, onde aplicamos instrumentos de avaliação de necessidades clínicas e iniciamos o acompanhamento do paciente e de seus familiares paralelamente à abordagem especializada. Geralmente, são pacientes já em tratamento e com sintomas de difícil controle”, aponta.

Mas os cuidados paliativos não são apenas a para pacientes com câncer. Também são aplicados em pacientes com doenças neurológicas, renais, hepáticas, cardíacas, respiratórias, entre outras. “O controle de sintomas em pacientes com câncer é um desafio, mas, minimizar a dor, o desconforto psíquico, dos vômitos e outros efeitos colaterais como o hábito intestinal, a qualidade do sono, a tosse, os soluços e tantos outros sintomas é imprescindível em quaisquer pacientes acometidos por doenças crônicas ou complexas”, considera Paulo Paim.

O que causa a dor?
A dor é um sintoma que tem como função alarmar a pessoa sobre algum tipo de lesão no organismo. “Nos problemas de natureza aguda, a dor permanece por um tempo definido até que a lesão seja reparada e ocorra uma restauração dos tecidos lesados”, conta o médico

Quando a dor persiste por meses ou anos sem um tratamento que solucione, pode modificar de forma definitiva o funcionamento do sistema nervoso, alerta Paulo Paim. “Isso pode acarretar síndromes dolorosas de difícil tratamento, inclusive comprometendo também de forma irreversível a estrutura dos tecidos cerebrais.”

Por isso, e devido às novas descobertas no campo da neurociência, o estudo da dor é uma área em crescimento nos últimos anos. “Atualmente, abordamos dor de forma multimodal, ou seja, utilizando medidas físicas, medicações e intervenções com diferentes mecanismos de ação, que atuam em conjunto com objetivo de promover maior eficácia, maior eficiência, menos efeitos colaterais e menor custo”, declara Paulo Paim.

Sobre o Hospital São Vicente-Funef
Fundado em 1939, o Hospital São Vicente é referência em transplantes de fígado e rim, tendo recebido o selo de certificação intermediária de transplantes hepático e renal da Central Estadual de Transplantes do Paraná, como forma de reconhecimento da excelência de seu trabalho.

De alta complexidade, o hospital atende a diversas especialidades clínicas e cirúrgicas, sempre pautado pela qualidade e pelo tratamento humanizado. A instituição integra a lista de estabelecimentos de saúde que atendem ao padrão de qualidade exigido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, órgão regulador vinculado ao Ministério da Saúde. Mais informações pelo www.hospitalsaovicente.com.br.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Talvez você se interesse por estes artigos

No sábado, 23 de fevereiro, das 9h às 12h, mais de vinte instituições, participam na Boca Maldita, em Curitiba, das comemorações do Dia Mundial de...
Fechar Menu