Anvisa aprova primeiro medicamento oral para tratamento de Policitemia Vera

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou hoje o uso do medicamento Jakavi® (ruxolitinibe), para tratamento de pacientes com policitemia vera (PV) que são intolerantes ou resistentes à hidroxiuréia ou à terapia citorredutora de primeira linha.. O medicamento já estava disponível no Brasil para o tratamento de pacientes com mielofibrose de risco intermediário ou alto, incluindo mielofibrose primária, mielofibrose pós-policitemia vera ou mielofibrose pós trombocitemia essencial.

Produzido pela farmacêutica suíça Novartis, Jakavi® representa uma nova opção terapêutica no controle dos sintomas da PV, já que a doença ainda não tem cura. Desencadeada por uma superprodução de células do sangue na medula óssea, PV tem evolução lenta e é silenciosa. Esse aumento do número de células sanguíneas, principalmente de glóbulos vermelhos, pode conduzir a um espessamento do sangue e elevar o risco de formação de coágulos. Cerca de 30% dos pacientes têm coágulos sanguíneos1 antes do diagnóstico. Coágulos podem levar a graves problemas de saúde como infarto, derrame e embolia pulmonar.

Globalmente, PV afeta aproximadamente de uma a três pessoas em cada 100 mil anualmente e seu diagnóstico se dá por meio de exame de sangue de rotina1,3 Não se sabe as causas exatas da doença, no entanto, quase todos os pacientes (95%) apresentam uma mutação na proteína Janus Quinase 2 (JAK 2), o que pode causar uma desregulação  na produção de células do sangue1.

Os sintomas mais comuns e complicações da PV podem incluir1,2: prurido (coceira na pele); falta de ar; fadiga e fraqueza; perda de peso inexplicável; dores de cabeça, distúrbios visuais e vertigem; hemorragia, manchas arroxeadas e / ou coágulos de sangue; aumento do baço; angina (dor no peito) ou insuficiência cardíaca; e inflamação dolorosa das articulações (gota).

Para o diretor médico da Novartis Oncologia no Brasil, André Abrahão, o ruxolitinibe chega para melhorar as opções de tratamento do paciente com Policitemia Vera. “O medicamento atua significativamente no controle dos sintomas da doença e diminui o risco de complicações. Além disso, há redução  significativa no risco de morte motivada por problemas cardiovasculares e de tromboses. Com isso, essa aprovação vai proporcionar aos brasileiros com PV viver mais e melhor, além de reforçar o compromisso da Novartis em prover acesso a soluções inovadoras aos pacientes”, afirma.

A aprovação pela Anvisa baseou-se nos resultados de eficácia e segurança de RESPONSE, um estudo aberto, pivotal, fase III, multi-centro, randomizado com Jakavi® (ruxolitinibe) em relação ao melhor tratamento disponível em pacientes com PV resistentes ou intolerantes à hidroxiureia.

 

Sobre a Policitemia Vera

PV é uma rara e incurável neoplasia desencadeada por uma superprodução de células do sangue na medula óssea. Essa abundância de células vermelhas pode conduzir a um espessamento do sangue e um aumento do risco de formação de coágulos, que podem causar graves complicações cardiovasculares, tais como acidente vascular cerebral e ataque cardíaco1.

 

Globalmente, PV afeta aproximadamente de uma a três pessoas em cada 100 mil anualmente. Frequentemente é descoberta durante um exame de sangue de rotina1,3. Um hemograma completo é o primeiro teste de diagnóstico usado para ajudar a detectar PV e fornece informações sobre os tipos e números de células do sangue. Especificamente, um hemograma pode medir a concentração de células vermelhas do sangue, que são as hemácias, através da avaliação do hematócrito, da hemoglobina e do número total de hemácias, que são geralmente elevados em pacientes com PV. Outros testes de diagnóstico incluem uma eritropoietina (EPO) ou biópsia da medula óssea1,4.

 

A contagem de hematócrito é utilizada tanto para auxiliar no diagnostico quando para um controle da resposta do paciente à terapia adotada. Pacientes de PV com hematócrito elevado têm um risco aumentado de complicações e de morte por problemas cardiovasculares, bem como de adquirir sintomas debilitantes. A fim de ajudar no controle de PV, é importante os pacientes manterem um nível de hematócrito abaixo de 45%, que é o limite do aceitável para pacientes com diagnóstico de PV.1,5

Aproximadamente 25% dos pacientes com PV desenvolvem resistência e/ou intolerância ao tratamento com hidroxiuréia e são considerados portadores de doença descontrolada. Esse quadro é tipicamente caracterizado para pacientes com níveis de hematócrito superior a 45%, contagem de glóbulos brancos elevada e/ou contagem de plaquetas elevadas, e pode ser acompanhada por sintomas debilitantes e/ou aumento do baço. Contagem de glóbulos brancos elevada e do hematócrito estão também associadas com um risco aumentado de coágulos sanguíneos.

 

Sobre o estudo RESPONSE:

RESPONSE (Estudo randomizado de eficácia e segurança na policitemia vera com Jakavi® (ruxolitinibe) inibidor JAK versus melhor terapia disponível) é um estudo aberto, Fase III, multi-centro, randomizado que avaliou a eficácia e segurança de Jakavi® versus a melhor terapia disponível. O ensaio randomizou 222 pacientes com PV que eram resistentes ou intolerantes à hidroxiuréia, dependente de flebotomia para controle do hematócrito e avaliação da redução do baço em 90 centros clínicos em todo o mundo. Pacientes foram randomizados na proporção de 1:1, por estratificação (com base na resistência de hidroxiuréia ou intolerância) para receber o Jakavi® (10mg duas vezes ao dia) ou a melhor terapia disponível, que foi definida pelo pesquisador, selecionando uma terapia disponível ou apenas observação. A dose foi ajustada conforme necessário ao longo do estudo, que durou 80 semanas. Jakavi® demonstrou ser superior à melhor terapia disponível no controle do hematócrito, na redução do volume esplênico, na indução de remissão hematológica completa e na melhora dos sintomas em pacientes com PV refratários ou intolerantes à hidroxiuréia. Dos pacientes randomizados para Jakavi®, 77% atingiram pelo menos um componente do desfecho primário, comparado com 20% na melhor terapia disponível. Dos 23 pacientes com resposta, 21 (91%) do grupo de Jakavi®  mantiveram sua resposta na 48ª semana. Pacientes tratados com a melhor terapia disponível apresentaram maior frequência de prurido e astenia.

 

Sobre o estudo RESPONSE 2:

Um segundo estudo randomizado, aberto, controlado-ativo de fase IIIb (RESPONSE 2), foi conduzido em 149 pacientes com policitemia vera que foram resistentes ou intolerantes à hidroxiureia, mas sem esplenomegalia palpável. Setenta e quatro pacientes foram randomizados para o braço ruxolitinibe e 75 pacientes para o braço BAT. A dose inicial e ajustes da dose de Jakavi® e o BAT selecionado pelo investigador foram semelhantes ao estudo RESPONSE. As características demográficas basais e da doença foram comparadas entre os dois braços de tratamento e foram semelhantes a população de pacientes do estudo RESPONSE. O desfecho primário foi a proporção de pacientes que atingiram o controle de HCT (ausência de elegibilidade de flebotomia) na semana 28. O desfecho chave secundário foi a proporção de pacientes que atingiram a remissão hematológica completa na semana 28.
O estudo RESPONSE-2 cumpriu o seu objetivo primário com uma maior proporção de pacientes no braço Jakavi® (62,2%) comparado ao braço BAT (18,7%), atingindo seu desfecho primário (p<0,0001). O desfecho chave secundário também foi cumprido com, significativamente, mais pacientes atingindo uma remissão hematológica completa no braço Jakavi® (23,0%) comparado ao braço BAT (5,3%; p=0,0019). Na semana 28, a proporção de pacientes atingindo uma redução de ≥ 50% na carga de sintomas como mensurado pela pontuação total de sintomas MPN-SAF foi de 45,3% no braço Jakavi® e 22,7% no braço BAT.

 

Sobre Jakavi®

Jakavi® (ruxolitinibe) é um inibidor oral do JAK1 e JAK2 quinase de tirosina. Está aprovado pela ANVISA para o tratamento de pacientes com mielofibrose de risco intermediário ou alto, incluindo mielofibrose primária, mielofibrose pós-policitemia vera ou mielofibrose pós trombocitemia essencial e tratamento de pacientes com policitemia vera que são intolerantes ou resistentes à hidroxiureia ou à terapia citorredutora de primeira linha.

Foi aprovado pela Comissão Europeia para o tratamento de pacientes adultos com policitemia vera que são resistentes ou intolerantes à hidroxiuréia e para o tratamento  de pacientes adultos com mielofibrose primária (MF), mielofibrose pós-policitemia vera ou mielofibrose pós-trombocitemia essencial. Também foi aprovado em mais de 95 países para pacientes com mielofibrose e em 49 países para pacientes com policitemia vera.

Novartis licenciou ruxolitinibe da Incyte Corporation para desenvolvimento e comercialização fora dos Estados Unidos. Jakavi® é comercializado nos Estados Unidos pela Incyte Corporation como Jakafi® para o tratamento de pacientes com policitemia vera que tiveram uma resposta inadequada ou são intolerantes à hidroxiuréia e para o tratamento de pacientes com mielofibrose intermediária ou de alto risco.

A dose inicial recomendada de Jakavi® na policitemia vera é 10 mg dado por via oral, duas vezes ao dia. A dose inicial recomendada de Jakavi® na mielofibrose é 15 mg duas vezes ao dia para pacientes com uma contagem de plaquetas entre 100.000 e 200.000 milímetros cúbicos (mm3), e 20mg duas vezes ao dia para pacientes com uma contagem de plaquetas maior do que 200.000 mm3. As doses podem ser tituladas como base na segurança e eficácia. Há informações limitadas para recomendar uma dose inicial para pacientes de mielofibrose e policitemia vera com contagens de plaquetas entre 50.000/mm3 e 100.000/mm3. A dose inicial máxima recomendada nesses pacientes é de 5mg duas vezes ao dia, os pacientes devem ser titulados com cautela13.

Jakavi® é uma marca registrada da Novartis AG em países fora dos Estados Unidos. Jakavi é uma marca registrada da Incyte Corporation. O perfil de segurança e eficácia do Jakavi® não foi estabelecido fora das indicações aprovadas. <Caroline.Ferreira@edelmansignifica.com>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.