Carreira jurídica é uma das que mais oferece áreas de atuação profissional

Nos últimos 10 anos, o mercado de trabalho sofreu profundas transformações. Globalização, avanço das tecnologias e as redes sociais influenciaram essas mudanças. O novo cenário colabora para o surgimento de novas profissões, ao mesmo tempo em que muitas são substituídas ou até mesmo extinguidas. Na carreira jurídica não é diferente, já que as decisões judiciais também mudaram e trazem novidades, o que amplia a atuação dos advogados. “As mudanças abrem novas frentes de atuação para recém-formados que buscam bons salários e destaque no mercado, já que o número de profissionais especializados ainda é insuficiente para suprir a demanda”, afirma o coordenador de Pós-Graduação da Universidade Positivo (UP), Leandro Henrique de Souza.

A definição de uma área de atuação é importante para se tornar referência no mercado. “Como parâmetros, deve-se levar em conta o tamanho do mercado, o perfil de demanda e rentabilidade, índices de concorrência e oportunidades atuais de relacionamento com pessoas deste segmento”, ressalta Souza. Normalmente, o perfil da demanda jurídica de uma região tende a sofrer reflexos diretos do perfil da população (aspectos demográficos) e do perfil econômico (volume e ramo de empresas instaladas, bem como tendência do setor econômico que atuam).

Nesse sentido, as áreas Tributária, Cível Contratual, Imobiliária e Recuperação de Créditos tendem a ter estímulo, em razão do atual ciclo econômico de alto endividamento das famílias e estagnação econômica que o país atravessa. Apesar de ser uma área de forte concorrência na advocacia, o Direito Trabalhista apresenta demanda permanente de serviços e tende a ter forte incremento nos próximos anos, com o aumento do desemprego e surgimento de novas profissões.

Uma área que já registra aumento da demanda, segundo Souza, é o Direito Corporativo. “A atuação jurídica nas organizações não se limita a contratos e processos trabalhistas. O profissional de Direito tornou-se fundamental na tomada de decisões dentro das empresas”, ressalta o coordenador. Nesse segmento, ainda há uma relevante parcela de micro e pequenas empresas que não possuem assessoria jurídica formal e que atuam juridicamente desprotegidas, sob grande risco de produzir passivos contratuais, trabalhistas, ambientais ou tributários, bem como entraves contratuais capazes de inviabilizar o negócio.

Mas a área Previdenciária é a que tende a ter o maior crescimento nos próximos vinte anos, em razão do envelhecimento da população. No Paraná, de 59.272 advogados registrados na OAB-PR, pouco mais de 9% atuam nesta área – em Curitiba, não chegam a 2 mil profissionais. Resta saber se a concorrência aumentará ou não na mesma proporção que a demanda. Essa tendência pode ser acompanhada mediante alguns índices, como a demanda por especializações nestas áreas.

De acordo com Souza, os cursos de Pós-Graduação mais procurados ainda são Direito Civil, do Consumo e Processo, Direito e Processo do Trabalho, Direito Tributário e Processo Tributário. Ainda segundo o coordenador, vale destacar áreas promissoras como Saúde, Seguros, Direitos Humanos, Diplomacia, Propriedade Intelectual e Direito Digital. “Mesmo que tais áreas alcancem destaque como macro tendências do Direito, deve-se levar em consideração o contexto de aplicabilidade destas áreas em razão do perfil e características entre as diversas regiões e realidades do País”, alerta.

A Universidade Positivo (UP) oferece 14 opções de cursos de Pós-Graduação na área jurídica, com início em 2017, em Curitiba (PR). As aulas acontecem duas vezes por semana, pelo período de 18 a 24 meses. Mais informações e inscrições pelo site www.up.edu.br.

Central Press

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.