Menopausa é sinônimo de alerta para saúde do coração

Os cuidados com a saúde do coração devem fazer parte da rotina de todos. Porém, as mulheres devem redobrar a atenção quando o assunto é prevenção cardiológica. Dados recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que 1/3 de todas as mortes de mulheres no mundo acontecem em decorrência de doenças coronarianas. Só no Brasil elas representam 30% das mortes do sexo feminino. Mas por que as mulheres são mais suscetíveis a problemas cardiológicos?

A cardiologista do Hospital Cardiológico Costantini, Carmen Weigert, explica que, geralmente, a incidência de eventos coronarianos é maior durante a menopausa, fase em que a mulher sofre mais com alterações hormonais. “Os hormônios agem como protetores do sistema cardiovascular e, com a chegada da menopausa, têm essa função comprometida, deixando o coração da mulher mais vulnerável a ocorrências cardiológicas graves, como o infarto”, afirma Carmen.

Além dos fatores hormonais, a especialista destaca outros fatores de risco cada vez mais presentes na rotina das brasileiras, como ansiedade e o estresse. Segundo ela, nos últimos anos, com a maior inserção das mulheres no mercado de trabalho, houve um acúmulo de responsabilidades, pois elas ainda precisam conciliar as tarefas domésticas e a função maternal-familiar. “Pessoas estressadas têm um crescimento considerável de adrenalina e cortisol, hormônios que favorecem o aumento de gordura nos vasos, elevando a incidência de infartos”, alerta Carmen. O tabagismo é outro ponto que deve ser observado, já que a dependência da nicotina provoca efeitos deletérios no organismo feminino, pois diminui a circulação do estrogênio e torna o coração mais suscetível ao entupimento das artérias, assim como o cérebro mais propenso a lesões isquêmicas (derrames cerebrais).

Por isso, nesse cenário, a prevenção torna-se ainda mais importante para as mulheres. Segundo a cardiologista, há a necessidade de adoção de hábitos de vida mais saudáveis como a realização de exercícios físicos regulares sob orientação multiprofissional, a manutenção de uma dieta equilibrada, rica em frutas, vegetais, grãos integrais, peixes e fibras e a realização periódica de check-ups cardiológicos.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.