Você já ouviu falar em paralisia facial?

Sorrir já não é tão fácil assim, levantar a sobrancelha e fechar os olhos parecem um desafio, e franzir a testa também não é um dos movimentos mais simples. Esses são alguns dos sintomas de quem já teve paralisia facial, perda dos movimentos da face – geralmente de um lado só – e que pode ocorrer repentinamente. Segundo o otorrinolaringologista Diego Malucelli, da Otorrinos Curitiba, é importante ficar atento às causas e não confundir com Acidente Vascular Cerebral (AVC).

“É importante observar que pacientes que começam a apresentar esses sintomas não estão, necessariamente, tendo um AVC. A paralisia facial periférica acomete toda a metade da face. No AVC, a lesão ocorre dentro do cérebro e a região afetada é diferente, pois testa e olhos geralmente não são afetados. Consultar um médico é fundamental para que a doença não avance e para que o paciente tenha uma boa evolução”, alerta o médico.

Há várias causas para a paralisia facial. A principal delas é a paralisia de Bell, tipo mais comum de paralisia facial e que, na maioria das vezes, é causada pelo vírus Herpes. Há, ainda, outros motivos, tais como infecção ou inflamação do nervo facial, doenças do ouvido, tumores, diabetes, traumas encefálicos, doenças autoimunes, entre outros.

A paralisia facial periférica pode acometer homens e mulheres de qualquer idade. Nos casos mais graves, o paciente pode conviver com a paralisia por toda a vida. No entanto, quanto antes for iniciado o tratamento, maiores são as chances de cura.

Qualquer dificuldade de movimentação na face é sinal de alerta. Se forem diagnosticadas as causas e iniciado o tratamento correto e precocemente, as chances de sequela diminuem. Lembrando, também, que o tempo de recuperação é muito variável e depende de vários fatores como idade do paciente, a causa, o tempo do diagnóstico, o início do tratamento, entre outros”, completou Malucelli.

Outra recomendação do especialista é em relação ao cuidado com os olhos. “Pacientes com paralisia facial devem ter atenção especial com os olhos, pois como o movimento da pálpebra está reduzido não ocorre a proteção e a lubrificação adequada deles, podendo evoluir para cegueira”, finalizou o médico.

Sobre Diego Malucelli
Diego Malucelli é médico otorrinolaringologista, especialista pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (SBORL) e Mestre em Distúrbios da Comunicação pela Universidade Tuiuti do Paraná (UTP). Possui MBA em Gestão de Negócios em Saúde pela Universidade Gama Filho e é especialista no tratamento de halitose. É professor da UTP, preceptor de Faringoestomatologia do serviço de especialização em Otorrinolaringologia do Hospital da Cruz Vermelha, além de Chefe do Serviço de Otorrinolaringologia no mesmo hospital.

Sobre a Otorrinos Curitiba
A Otorrinos Curitiba é a mais nova referência no atendimento da área de otorrinolaringologia da capital paranaense. Inaugurada em setembro de 2015 no bairro Mercês, a clínica possui estrutura moderna, excelente localização, tecnologia de ponta e profissionais altamente renomados para oferecer o melhor atendimento aos pacientes.

A Otorrinos Curitiba possui horário de atendimento diferenciado: de segunda a sexta, das 8h às 22h, e aos sábados, das 9h às 17h. Para maior comodidade dos pacientes, possui estacionamento no local.

A clínica atende aos seguintes convênios: Unimed, Amil Assistência Saúde, Bradesco Saúde, Copel, Cassi, Evangélico Saúde, Mediprev, Sanepar, Saúde Caixa, Sinam, SulAmérica e Voam.

Serviço:
Otorrinos Curitiba
Rua Doutor Roberto Barrozo, 1381, 1º andar – Mercês
Telefone: (41) 3335-0302 / 3336-9640 / 3339-4084
Site: www.otorrinoscuritiba.com.br

gezianediosti@gmail.com

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Talvez você se interesse por estes artigos

No sábado, 23 de fevereiro, das 9h às 12h, mais de vinte instituições, participam na Boca Maldita, em Curitiba, das comemorações do Dia Mundial de...
Fechar Menu