Quadros infecciosos de repetição podem significar Imunodeficiência Primária

A falta de informação é uma das principais causas para a evolução de algumas doenças, contribuindo, então, para o aparecimento de novas patologias e até sequelas.  Isso é exatamente o que acontece com os portadores de Imunodeficiência Primária (IDP), que, pela dificuldade no diagnóstico, são submetidos à uma verdadeira peregrinação entre os serviços de saúde. Dados do Bragid – Brazilian Group for Immunodeficiency mostram que 15 mil pessoas sofrem com a falta de diagnóstico de IDPs no Brasil.

Causadas pela deficiência genética no sistema imunológico, responsável pela defesa contra invasores (vírus, bactérias e fungos), as IDPs costumam demonstrar as primeiras manifestações durante a infância, com quadros infecciosos de repetição. De acordo com a imunologista Dra. Beatriz Tavares Costa Carvalho, quanto mais rápido ocorrer o diagnóstico, em especial entre as crianças, maiores serão as chances de levar uma vida normal ou próxima do normal.  “Infelizmente, muitas vezes a IDP só é diagnosticada após muitos anos de seguidas infecções, o que pode provocar sequelas graves ou mesmo levar o paciente à morte”, explica a especialista.
Adolescentes e adultos também podem ser acometidos pela doença ao longo da vida.

As IDPs agrupam mais de 250 doenças podendo ser hereditárias ou genéticas. “Essa deficiência no sistema imunológico, frequentemente é causada por erros genéticos, das células que formam o sistema como um todo”, explica a Beatriz.

O tratamento das Imunodeficiências Primárias (IDPs) varia de acordo com o tipo e a gravidade da doença. No entanto, todos os tratamentos garantem ao paciente uma vida normal ou próxima do normal, principalmente em casos de diagnóstico precoce. “Existem algumas opções de tratamento e até de acesso pelo SUS. Mas o que mais sentimos é o desconhecimento sobre a doença e a dificuldade em descobrir a IDP. Muitas vezes o desconhecimento pode vir até mesmo dos médicos que fazem o atendimento de casos como otites e pneumonias de repetição”, completa a médica.

Confira abaixo os 10 sinais de alerta para a Imunodeficiência primaria em crianças:

  1. Duas ou mais pneumonias no último ano
    2. Oito ou mais otites no ano
    3.       Estomatites de repetição ou Monilíase (sapinho) por mais de dois meses
    4.       Abscessos de repetição ou ectima
    5.       Um episódio de infecção sistêmica grave (meningite, osteoartrite, sepcticemia)
    6.       Infecções intestinais de repetição/diarreia crônica
    7.       Asma grave, doenças do colágeno ou doença auto-imune
    8.       Efeito adverso ao BCG e/ou infecção por micobactéria
    9.       Fenótipo clínico sugestivo de síndrome associada a imunodeficiência
    10.   Histórico de Imunodeficiência na família

Semana Mundial da Imunodeficiência

Entre os dias 22 e 29 de abril marca a Semana Mundial de Conscientização às IDPs, que tem como objetivo levar informações sobre a doença e os principais sintomas, incentivando o diagnóstico e tratamento corretos. Além de eventos voltados para a classe médica e pacientes, no dia 29 de abril, para encerrar a semana, será realizado, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, uma ação de conscientização com apoio da Fundação Jeffrey Modell. Pacientes, entidades médicas e apoiadores da causa participarão do evento. <hugo.ribeiro@imagemcorporativa.com.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.