76% das mães do Paraná devem ganhar presentes

Sondagem da Fecomércio PR aponta redução no tíquete médio, que será de R$ 101,30

 

Mais mamães do Estado serão presenteadas no 2º domingo de maio. Sondagem realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR) mostra que 76% dos paranaenses pretendem dar presentes neste Dia das Mães, o que representa um acréscimo em relação ao ano passado, quando 71% dos filhos planejavam comprar algo para marcar essa data tão especial. Em 2015, a intenção de presentear chegou a 78%. Os que disseram que não presentearão suas mães foram 21,3% e os que ainda não sabem correspondem a 2,7%.

Neste ano, 42% dos consumidores apostarão em roupas, bolsas ou calçados para agradar as mães. Os perfumes e cosméticos serão a opção para 23% dos entrevistados e os acessórios para 10%. Há aqueles mais práticos ou que preferem não arriscar, e por isso 8% irão presentear sua mãe em dinheiro para que ela mesma compre o que quer. Na lista dos presentes mais prováveis aparecem ainda os eletrodomésticos (4%) e os livros (3%). Outros 10% afirmam que o presente será diferente dos mencionados nas alternativas da sondagem.

 

Enquanto a disposição de presentear aumentou em cinco pontos percentuais, por outro lado, o valor do presente diminuiu com relação a 2016. Neste ano o tíquete médio será de R$101,30. No ano passado o valor médio do presente era de R$104,00.

 

Para a maioria dos consumidores, 37%, a qualidade do produto é o que mais influencia na compra. No mesmo patamar de relevância, o preço baixo e o bom atendimento do vendedor aparecem na sequência, ambos com 19%. Outros 16% consideram o desconto à vista como fator decisivo na hora de presentear. Os demais são influenciados pela flexibilidade do estabelecimento com relação às formas e planos de pagamento (7%) e pela exclusividade do produto (2%).

 

Situação político-econômica

Os entrevistados foram questionados sobre a influência da crise político-econômica na sua intenção de presentear. A percepção do consumidor não mudou muito na comparação ao ano anterior. Agora, 80% dos consumidores culpam o governo por não poderem fazer compras de valores mais expressivos no comércio varejista. Em 2016, 82% tinham a mesma percepção e em 2015, 90% consideravam a situação do país como um fator importante para a redução da intenção de consumo e do valor do tíquete médio.

 

Metodologia

Foram ouvidos 300 consumidores na cidade de Curitiba entre os dias 24 de abril e 2 de maio. Por terem sidos coletados na Capital, os dados representam a intenção de compra em todo o Estado.

 

 

Assessoria de Imprensa:

Karla Santin – jornalismo@fecomerciopr.com.br

Fone: (41) 3304-2072 | 3883-4530

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Talvez você se interesse por estes artigos

Marca especializada em laticínios de búfala disponibiliza nova opção ao mercado com mais sabor e baixo teor de gordura A Levitare, marca especialista em lácteos...
Fechar Menu