Gartner prevê que, em cinco anos, as organizações serão valorizadas por seus portfólios de informação

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, afirma que, até 2021, o predomínio de analistas de capital que avaliam portfólios de informações de organizações durante a análise dos negócios estimulará ponderações internas formais e práticas de auditoria. Analistas debaterão essas e outras tendências durante a Conferência Gartner Data & Analytics 2017 no Brasil, que acontece nos dias 20 e 21 de junho (terça e quarta-feira), no Sheraton São Paulo WTC Hotel, na cidade de São Paulo.

“Qualquer pessoa que queira avaliar adequadamente uma empresa no mundo cada vez mais digital dos dias atuais deve observar seus recursos de dados e Analytics, incluindo o volume, a variedade e a qualidade dos ativos de informação”, afirma Douglas Laney, Vice-Presidente e Analista Emérito do Gartner.

Em um relatório contendo diversas previsões sobre a crescente importância de dados e Analytics, analistas do Gartner afirmam que, embora as informações possivelmente atendam aos critérios formais de um ativo de negócios, práticas contábeis atuais impedem as empresas de capitalizá-las. Ou seja, o valor das informações de uma organização geralmente não pode ser encontrado no balanço patrimonial.

“Mesmo estando em plena era da informação, nem sempre isso é valorizado por aqueles que estão no ramo de avaliação”, explica o Vice-Presidente e Analista Emérito do Gartner. “No entanto, acreditamos que, nos próximos anos, quem atua na área de análise de investimentos corporativos, incluindo analistas de capital, será levado a considerar a riqueza de informações de uma empresa ao avaliar adequadamente seus negócios.”

Estudo do Gartner, que será apresentado na Conferência Data & Analytics, aponta como empresas que demonstram um comportamento “esclarecido”, como contratar um Chief Data Officer (CDO), formar equipes de ciência de dados e engajar-se em governança de informação corporativa, apresentam uma relação entre valor de mercado e valor contábil muito acima da média do mercado.

Como será mostrado durante a Conferência Data & Analytics, o Gartner acredita que, inicialmente, analistas de capital e investidores institucionais considerarão apenas os dados técnicos e capacidade de Analytics de uma empresa, além de como o modelo de negócios fornece uma plataforma para captar e otimizar informações – e não o valor real dos ativos de informações.

Os conselhos administrativos e os CEOs não devem demorar em contratar ou nomear os CDOs para começarem a otimizar a coleta, a geração, a gestão e a monetização de ativos de informação antes que uma massa crítica de analistas de capital comece a fazer perguntas relacionadas a eles.

Segundo o Gartner, até 2019, 250 mil pedidos de patentes incluindo algoritmos serão solicitados, um aumento de dez vezes comparado há cinco anos. Essas patentes podem ser concedidas nos EUA, na União Europeia e em muitos outros países. Nem todos os algoritmos podem ser patenteados, porém muitos podem, mesmo que as regras de aplicação nem sempre sejam diretas.

De acordo com uma pesquisa mundial, cerca de 17 mil patentes solicitadas em 2015 mencionaram “algoritmo” no título ou na descrição, contra 570 no ano 2000. Considerando as solicitações que citam “algoritmo” em alguma parte do documento, mais de 100 mil pedidos foram realizados em 2016, contra 28 mil há cinco anos.

Nesse ritmo, e considerando o crescente interesse em proteger o IP algorítmico, até 2020, pode haver quase meio milhão de pedidos de patentes que mencionam “algoritmo” e mais de 25 mil solicitações para os próprios algoritmos.

Das 40 organizações que patentearam mais algoritmos nos últimos cinco anos, 33 são empresas e universidades chinesas. A única companhia ocidental entre as 10 no topo da lista é a IBM, em 10º lugar.

“Apesar da importância cada vez maior, uma grande quantidade de algoritmos importantes para as empresas ainda são deixados nas sombras. Muitos líderes empresariais não se importam muito, desde que eles funcionem. Contudo, os algoritmos podem fazer uma grande diferença. A lista deles é enorme. Para nomear apenas alguns: algoritmo PageRank do Google, mp3, blockchain e backpropagation em deep learning“, completa Laney.

O Gartner recomenda que líderes de dados e Analytics trabalhem com líderes empresariais e especialistas para adotar e desenvolver metodologias de avaliação de algoritmos e analisar quais devem ser patenteados.

Anote em sua agenda – Conferência Gartner Data & Analytics

Data: 20 e 21 de junho de 2017 (Terça e Quarta-feira)

Local: Sheraton São Paulo WTC Hotel – Av. das Nações Unidas, nº 12.559

Site do evento: www.gartner.com/br/bi

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.