Os 5 tipos de transtornos alimentares – saiba como identificá-los

De acordo com estimativas do Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos, 70 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de algum tipo de transtorno alimentar e o número de mortes provocadas por esses distúrbios gira em torno de 19% desse total, quase 14 milhões de pessoas.  “Os transtornos se caracterizam por um comportamento alimentar doentio em que há uma relação não saudável com o alimento. Pode se manifestar de maneira física, como vômitos, ou por alteração psíquica com privação da alimentação”, esclarece o Dr. João Aguiar.

Os distúrbios podem ser classificados em cinco categorias:

  • Transtorno da ruminação – é a incidência de episódios de regurgitação e ruminação ou cuspidas sem causa patológica e normalmente não está relacionada a outros transtornos alimentares.
  • Transtorno conhecido como P-I-C-A  –  é a ingestão de substâncias que não fazem parte dos alimentos aceitos pela sociedade, como terra, barro, cabelo, cinzas de cigarro e  fezes de animais. É mais  comum em  indivíduos com  deficiência intelectual ou outros distúrbios mentais.
  • Transtorno da compulsão alimentar periódica (binge eating) – é quando o  paciente apresenta episódios de compulsão alimentar, causando frequentemente obesidade e sobrepeso . O seu diagnóstico se baseia em episódios de ingestão de grande quantidade  de alimento em curto espaço de tempo com a sensação de perda de controle.
  • Anorexia Nervosa – Popular entre os meios de comunicação e a sociedade, a anorexia nervosa pode ser de dois tipos: restritivo e bulímico. No primeiro, o paciente tem baixo peso por conta da restrição alimentar, períodos prolongados de jejum  e  excesso de exercícios físicos. No segundo caso o paciente  até  se alimenta,  porém provoca o vômito para  que não ocorra ganho de peso. Em geral, os pacientes são bem magros, com olhos fundos, pele e cabelos ressecados e unhas quebradiças. As queixas mais frequentes  são fraqueza, tontura, desmaio e  mal-estar geral, diminuição dos níveis de hormônios sexuais  e  tireoide,  além do  aumento dos níveis de cortisol. Na mulher  ocorre  ausência de menstruação  e em alguns casos o  aparecimento precoce de osteoporose.  No homem há redução dos  testículos e de libido e  infertilidade. “Essa divisão é didática, pois frequentemente encontramos essas duas características em um mesmo paciente. A incidência mundial é estimada em 1 caso para cada 100.000 pessoas, mas se considerarmos apenas as mulheres jovens e brancas de países desenvolvidos essa taxa se eleva para 1 caso a cada 200”, afirma Dr. João.
  • Bulimia Nervosa –  a bulimia se caracteriza por quadros recorrentes de ingestão de grandes quantidades de alimentos em curto espaço de tempo, acompanhados por uma preocupação constante com o peso e com o corpo que  costumam ser seguidos por enorme sensação de culpa, fazendo com que o paciente recorra à  indução de vômito, excesso de exercícios físicos e uso de medicamentos como diuréticos, laxantes, hormônios e  anfetamina. Os indivíduos apresentam aspecto de irritação e depressão e estão sempre insatisfeitos com o  corpo. Geralmente tem peso  adequado  ou  um pouco acima, a pele e cabelos são secos, aparecem letargia, alterações menstruais, dor  e distensão abdominal. Além disso, os dentes ficam amarelados  pelo constante contato do suco gástrico com o esmalte dentário. Um sinal clássico é o de Russel, em que aparece um calo no dorso da  mão provocado pelo atrito com os dentes no momento do estímulo do vômito.

As causas da anorexia e da bulimia são parecidas, estando relacionadas a fatores biológicos, psíquicos, sociais, familiares e/ou ambientais. “Normalmente, há uma percepção distorcida da autoimagem e a excessiva influência do peso na auto estima”, acredita Dr. João.  O tratamento desses transtornos deverá ser  realizado por uma equipe multidisciplinar, composta de médico, psicólogo,  nutricionista, sendo  de grande importância, também, a participação da família para a recuperação do paciente.

 

Sobre Dr. João Aguiar

Médico formado em 1994 pela Universidade Estadual do Pará com graduação em Endocrinologia Clínica, graduação em medicina do esporte e fisiologia do Exercício e residência médica em Ginecologia, obstetrícia e mastologia.

Mais informações no site https://www.drjoaoricardoaguiar.com.br/

<producao@ageimagem.com.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.