PSafe explica novas regras de permissões para aplicativos na Google Play

As últimas versões dos sistemas de celulares do Google, Android Marshmallow e Android Nougat, oferecem diversas funções de otimização, melhora no desempenho e segurança do aparelho. No entanto, uma das melhorias que chega para prezar ainda mais pela privacidade do usuário pode acabar gerando dúvidas: a nova forma de conceder permissões ao aplicativo.

Ao permitir que as autorizações de acesso dos aplicativos ao celular sejam dadas “em contexto”, ou seja, a partir do momento em que determinada função necessita daquela permissão, a novidade empodera o usuário, dando mais consciência a ele sobre o porquê exato de cada autorização solicitada. 

Para ajudar os usuários a entenderem melhor esta nova configuração e como ela irá ajudá-los a identificar invasões de privacidade ou permissionamentos abusivos, especialistas em privacidade virtual da PSafe, empresa líder no desenvolvimento de aplicativos de segurança e performance mobile, apontam as principais mudanças e como elas irão favorecer o usuário:

Suas informações, suas regras

Os acessos solicitados pelos apps continuam sendo os mesmos, mas a principal novidade é que agora o usuário tem o poder de escolher quais autorizações de acesso gostaria de oferecer aos aplicativos baixados em seu smartphone. Nos sistemas operacionais Android anteriores ao 6.0, só havia duas opções: concordar com todos os termos solicitados – que muitas vezes o usuário sequer entendia para o que servia – ou rejeitar e não instalar o app. Agora, com permissões separadas, é possível avaliar se é válido autorizar ou não cada uma das autorizações solicitadas pelos aplicativos, para que você consiga utilizar determinadas ferramentas dos apps. 

Caso bloqueie o acesso a alguma informação que não seja necessária para o funcionamento geral do app, ele deverá abrir normalmente sem essa permissão. Porém, se a liberação for essencial para o desempenho geral do app ou para o uso de uma ferramenta específica, um alerta avisará que ela precisa ser ativada. Vale ressaltar que, no caso de usuários que utilizam versões anteriores de sistemas operacionais Android, o modelo de permissões não mudará. 

Relações mais transparentes

Ao não permitir que todas as solicitações sejam pedidas no momento da instalação do app e exigir que sejam requeridas conforme ativação de funções, os novos modelos também exigem maior transparência e comprometimento por parte dos aplicativos. A partir de agora, as companhias desenvolvedoras dos apps precisarão justificar a razão de precisar de determinados acessos para prestar seus serviços.  

Aumento da privacidade e segurança

Atualmente, a maioria dos usuários, ansiosos para testar um novo aplicativo, simplesmente clica em “Aceitar” todas as permissões na hora de baixar o app. Se você se identifica com essa conduta, saiba que ela pode colocar em risco a segurança e privacidade das suas informações. Alguns aplicativos podem aproveitar essa euforia para solicitar acesso a informações desnecessárias para desempenhar seu serviço e, com isso, utilizá-las de maneira inadequada. Apesar do novo modelo de permissões ser um pouco mais trabalhoso, tenha em mente que ele aumenta, e muito, sua privacidade e segurança. 

O que acontece com os aplicativos que já tinha no celular?

No caso de aplicativos já baixados nas versões antigas do Android, você só irá se deparar com as novas permissões ao acessar funções que ainda não foram ativadas.  Por exemplo, se ainda não havia usado uma função do aplicativo que precisa ter acesso a sua localização, ele irá pedir uma autorização separada para acesso. 

Prefiro o modelo antigo. E agora?

Se o seu aparelho já vier de fábrica com o sistema operacional Android Marshmallow (6.0) ou Nougat (7.0), a configuração padrão atuará de acordo com o novo modelo. Porém, é possível que você habilite todas as permissões de uma só vez. Para isso, basta acessar as configurações do aparelho, clicar na seção “Dispositivo”, avaliar as solicitações e liberá-las. Caso seu celular tenha os modelos operacionais mais antigos, fica a seu critério atualizá-lo ou não. Mas lembre-se de que, entre os passos para se ter um Android seguro, manter o sistema operacional atualizado é um dos mais importantes. (Giulia.Jubelini@zenogroup.com)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.