Saber gerir as emoções é um diferencial dos líderes de sucesso

Tema estará em discussão no Intensive Leadership Academy (ILA), seminário organizado pela Dale Carnegie que acontece nos dias 9 e 10 de junho, em Curitiba

A instabilidade emocional faz parte de vários ambientes em que estamos inseridos, como trabalho, família, reuniões e carreira. Constantemente, somos levados ao estresse por fatores como pressão, insegurança, falta de reconhecimento e fracasso. “A gestão emocional nos tira desse frame, impulsionado por fatores externos, e nos faz perceber que temos a capacidade de administrar nossa reação a eles. Com ferramentas específicas, conseguimos trabalhar nosso autocontrole, saindo de estados emocionais pobres de recursos para estados mais ricos e conscientes.” A afirmação é de Mário Echeverria, trainer do Instituto Eneagrama, principal empresa no Brasil de gestão emocional e desenvolvimento humano, palestrante da segunda edição do Intensive Leadership Academy (ILA), que acontece nos dias 9 e 10 de junho, em Curitiba. O seminário é organizado e ministrado por executivos da Dale Carnegie Training, referência mundial em desenvolvimento de competências e habilidades profissionais. Echeverria será o responsável pela palestra bônus para quem comprar os ingressos nas categorias Vip e Diamond.

A inteligência emocional está intimamente ligada ao sucesso de líderes com resultados acima da média. Uma pesquisa realizada pela Gallup, em 63 países, durante 25 anos, com cerca de 300 mil gestores que demonstraram ter uma produtividade constante acima da média, evidenciou que estes gestores de sucesso criam oportunidades para si e para os outros fazerem aquilo que eles sabem fazer de melhor, ou seja, eles entendem e respeitam a diversidade, o poder dos talentos naturais e não tentam mudar as pessoas, mas sim, permitem com que elas se empoderem utilizando o que há de melhor dentro delas.

Segundo Echeverria, a gestão emocional expande a capacidade do profissional de maximizar o seu desempenho, pois a partir do autoconhecimento, que é um dos cinco pilares da gestão emocional, ele pode decidir investir mais tempo e energia desenvolvendo seus potenciais naturais. “Ela contribui com o aumento de autocontrole na liderança, habilidade determinante em situações onde a ansiedade pode impactar diretamente em decisões relevantes para o sucesso ou não da empresa.

No trabalho em equipe, ela dá maior empatia, ou seja, permite compreender como as pessoas a volta enxergam a realidade, e isso permite que o líder possa entender como pode contribuir e somar”, destaca.

Na avaliação de Echeverria, a inteligência emocional desempenha um papel preponderante nos executivos de nível mais alto da empresa, nos quais diferenças em habilidades técnicas são menos significativas. “Quanto maior a responsabilidade e o cargo na organização, maior a necessidade de se ter uma excelente inteligência emocional”, diz.

Dale Carnegie Training – Por 104 anos, a Dale Carnegie Training, por meio de seus programas de treinamento pessoal e profissional vem orientando seus participantes a construir objetivos claros de forma planejada, organizada, com estratégias eficazes, desenvolvendo seus talentos, atitudes, valores, habilidades práticas de comunicação, gestão, liderança, relações humanas, engajamento, vendas, negociação, controle de estresse e apresentações de alto impacto.

Mais informações sobre o Intensive Leadership Academy, programação completa e inscrições no site www.ilabr.com.br.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.