Cera de ouvido: problema ou proteção?

Muita gente sabe que a cera de ouvido (ou cerume) é uma forma de proteção natural que temos, mas quando o excesso predomina, surgem algumas dúvidas de como proceder, principalmente em relação à higiene. Segundo o otorrinolaringologista Vinicius Ribas Fonseca, da Otorrinos Curitiba, quando há excesso de cera, ela pode ocluir totalmente o conduto auditivo externo (canal que leva o som do meio externo até o tímpano) e diminuir a audição do paciente.

Veja também:
:: Perda auditiva nos idosos: fique atento aos sinais
:: Épocas frias exigem mais cuidados com a saúde das crianças
:: 7 dicas para se ter uma boa noite de sono

“Quando há excesso de cera, as pessoas se sentem incomodadas porque afeta um de nossos principais sentidos. Mas é bom alertar que a limpeza do conduto auditivo deve ser somente externa. Se o paciente perceber que não está escutando bem, é necessário procurar uma avaliação médica, sempre”, orienta o especialista.

A cera produzida por nossa orelha externa é uma proteção natural que temos. Ela impermeabiliza o conduto auditivo com a intenção de protegê-lo contra agressões externas como poeira, insetos e outros corpos estranhos. Além disso, ela é autolimpante e possui alguns compostos que impedem a proliferação de fungos e bactérias.

Com o avanço da idade, a cera vai ficando mais ressecada, com maior chance de formar ‘rolhas de cerume’. Além disto, com o passar dos anos, já há maior probabilidade de perda auditiva devido ao envelhecimento coclear, órgão sensorial da recepção do som. “Ou seja, um cerume oclusivo gera uma adição à perda auditiva do idoso”, avalia Fonseca.

Limpando o ouvido corretamente
Segundo o doutor Vinícius, o ideal é, sempre que necessário, higienizar a orelha para retirar aquela cera que esteticamente pode causar constrangimento, utilizando haste de algodão ou uma gaze úmida em óleo de pele. “A pele e os pelos do conduto auditivo tendem a jogar o cerume mais interno para fora”, explica o otorrino.

Evite ‘cutucar’ a cera
Não introduzir hastes de algodão dentro do conduto auditivo nem fazer uma “autolavagem” auricular sozinho são algumas orientações do especialista. Essas medidas podem machucar o tímpano ou fazer uma infecção no conduto. “Quando fazemos uso de algum objeto para retirá-la do nosso ouvido, além de empurrarmos a cera para dentro da orelha, podemos causar um trauma ao canal auditivo ou membrana timpânica, como perfuração no tímpano e lesões aos ossículos da orelha”, alerta.

Deixar o ouvido molhado pode causar infecção?
O excesso de umidade pode fazer a pele da orelha se partir, e levar os microorganismos a causar uma infecção. “Devemos secar com cuidado as orelhas após o banho ou piscina apenas com pano seco”, adverte Vinícius.

Atenção com as crianças
Em muitos casos, identificar o excesso de cera nas crianças ou até mesmo a perda auditiva devido ao cerume pode ser mais complicado. O que os pais podem fazer, sugere o especialista, é observar o comportamento dos pequenos. “A perda auditiva pela cera pode ser reconhecida quando a criança estiver falando alto, pedindo para repetir alguma frase ou aumentando o volume da televisão ou dos equipamentos eletrônicos. Sempre que ela for a um profissional de saúde habilitado, a orientação é que os pais solicitem que o médico olhe a orelha da criança e, se necessário, procure um otorrinolaringologista”, finaliza.

Sobre Vinicius Ribas Fonseca
Vinicius Ribas Fonseca é formado em Medicina pela Faculdade Evangélica do Paraná (FEMPAR), com residência em Otorrinolaringologia pelo Hospital Angelina Caron. Também fez Mestrado e Doutorado em Cirurgia pelo Instituto de Pesquisas Médicas (IPEM) da FEMPAR. É professor titular de Otorrinolaringologia da Universidade Positivo desde 2010 e Coordenador Geral (2015) e Professor de Otorrinopediatria da Especialização em ORL do Hospital da Cruz Vermelha desde 2008. Também é Vice-presidente da Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica.

Sobre a Otorrinos Curitiba
A Otorrinos Curitiba é a mais nova referência no atendimento da área de otorrinolaringologia da capital paranaense. Inaugurada em setembro de 2015 no bairro Mercês, a clínica possui estrutura moderna, excelente localização, tecnologia de ponta e profissionais altamente renomados para oferecer o melhor atendimento aos pacientes.

A Otorrinos Curitiba possui horário de atendimento diferenciado: de segunda a sexta, das 8h às 22h, e aos sábados, das 8h às 20h. Para maior comodidade dos pacientes, possui estacionamento no local.

A clínica atende aos seguintes convênios: Unimed, Amil Assistência Saúde, Bradesco Saúde, Copel, Cassi, Evangélico Saúde, Mediprev, Sanepar, Saúde Caixa, Sinam, SulAmérica e Voam.

Serviço:
Otorrinos Curitiba
Rua Doutor Roberto Barrozo, 1381, 1º andar – Mercês
Telefone: (41) 3335-0302 / 3336-9640 / 3339-4084
Site: www.otorrinoscuritiba.com.br