Clima ameno pede cuidado extra com o coração

Cardiologista alerta para cuidados básicos no inverno, período com acréscimo no número de infartos

Baixas temperaturas alertam para riscos com a saúde do coração. De acordo com o Instituto Nacional de Cardiologia (INC), o número de infartos cresce, em média, 30% no inverno. Os perigos aumentam com temperaturas abaixo de 14ºC, e a cada queda de dez graus ocorre uma elevação de 7% no número de infartos.

A cardiologista Bianca Maria Prezepiorski, do Hospital Cardiológico Costantini, ressalta que no frio, para manter o calor do corpo em uma média de 36ºC, há a produção de substâncias que aceleram o metabolismo, entre elas as catecolaminas. “Este processo contrai os vasos sanguíneos e o coração precisa fazer mais força para bombear o sangue. Assim, pode ocorrer um aumento na pressão sanguínea e, consequentemente, a liberação de placas de gordura nas artérias. Com isso, há a possibilidade de haver um bloqueio do fluxo de sangue para o cérebro, podendo ocasionar eventos como o Acidente Vascular Cerebral (AVC)”, esclarece a especialista.

A médica explica que infecções respiratórias também favorecem infartos no inverno e o cuidado deve ser redobrado com os que já possuem um histórico de doenças cardíacas, hipertensão e diabetes. Por isso, alerta: “É imprescindível, especialmente este grupo, estar com a vacina contra a gripe em dia, evitar mudanças drásticas e repentinas de temperatura e estar muito bem agasalhados”.

“Também é importante estar em dia com os exames de colesterol, glicose e triglicérides, controlar constantemente a pressão arterial, praticar exercícios físicos sob orientação multiprofissional, não fumar e seguir uma alimentação balanceada, com muitas frutas e verduras. Esses fatores já contribuem muito para evitar o pior nesta época do ano”, aconselha.