Dicas importantes para comprar a casa própria

A Rede Imóveis separou as principais orientações para que o consumidor faça um bom negócio

O momento da compra de um imóvel é sempre cercado por ansiedade e às vezes até por receio, por ser este o maior investimento feito pela família. A Rede Imóveis, associação que reúne as 13 imobiliárias tradicionais de Curitiba, separou algumas dicas para tornar a negociação e a escolha do imóvel mais segura e acertada.

Segundo a coordenadora de vendas da associação, Luciane Nardelli, o primeiro passo para quem quer comprar um imóvel é o de buscar uma empresa séria, com corretores credenciados no Conselho Regional de Corretores Imobiliários (CRECI). “A assessoria especializada tratará toda a segurança jurídica necessária à negociação, bem como auxiliará a família na busca das melhores oportunidades, no que se refere à preço, localização e tipo do imóvel”, explica.

Luciane ressalta que, da mesma forma, é importante que a família estude as reais necessidades do imóvel, principalmente, no que se refere ao tamanho, tipo e localização. “É importante ter em mente o futuro da família para dimensionar aspectos como o número de dormitórios, vagas de garagem e outras características que vão impactar, principalmente, no valor e no tempo de permanência no imóvel”, aponta.

Outra dica da especialista se refere ao planejamento financeiro. “Precisa se saber ao certo quanto a família dispõem junto aos bancos, em forma de crédito, para buscar um imóvel que caiba no orçamento da família e que não venha a se tornar um problema a curto prazo”, explica Luciane. “Uma assessoria imobiliária séria vai ajudar o consumidor esmiuçar essas questões para que realmente a compra da casa própria corresponda ao sonho da família”, enfatiza.

Momento certo para compra

De acordo com a especialista, os valores médios do metro quadrado dos imóveis residenciais usados em Curitiba estão congelados há um ano e o investimento imobiliário retoma força perante a perda de atratividade do investimento em papéis, por conta da redução de juros e a expectativa da melhora do cenário econômico.  “De uma maneira geral os imóveis já chegaram no patamar mínimo de avaliação e oferta, ou seja, não há margem para que vejamos redução de preços, apenas as correções, que em pouco tempo, devem começar a impactar o setor. Por isso estamos vivendo, neste momento, a melhor hora para comprar um imóvel”, destaca.