Pesquisa aponta diferenças entre homens e mulheres nas expectativas sexuais; psicólogos  sugerem criatividade e diálogo  

(Curitiba, 31/07/2017) – Para compreender as causas das dificuldades  e alternativas para a harmonia entre os casais, ouvimos as psicólogas  Cris Manfro e Elza Artigas e algumas pessoas que explicam como melhorar a conexão entre o casal.

Criadora da Trishya.com, Patricia Perotto, conta que a motivação para criar a startup foi a oportunidade de ajudar casais a manterem acesa a chama do desejo.

Para os homens a atividade sexual satisfatória é o segundo item da definição de qualidade de vida, já para as mulheres a satisfação sexual vem em nono lugar. Essa constatação  foi feita pela  maior pesquisa nacional sobre o perfil sexual do brasileiro – Mosaico 2.0 –  do Instituto de Psiquiatria do Hospital de Clínicas da USP,  Projeto de Sexualidade (2016).

Embora muitos tabus tenham caído desde a realização da primeira pesquisa (2008), ainda existem muitas diferenças entre homens e mulheres. A pesquisa ouviu 3 mil pessoas e a maioria  vivencia relacionamento estável:  65% homens e 62,5% mulheres.

O estudo mostra que o sexo é importante para 95,3% dos dois gêneros. Porém, existe divergência quanto à expectativa ideal de frequência das relações sexuais:  as mulheres falam em “três vezes”, enquanto os homens  “oito vezes”, por semana.

Os brasileiros  fazem menos sexo do que gostariam: homens “três vezes por semana” e as  mulheres “duas vezes”.

 Preocupações

No universo masculino a principal preocupação é não satisfazer a parceira: eles se queixam da dificuldade para ter e manter uma ereção, relatada por 32,4% dos entrevistados. No universo feminino a preocupação é a dificuldade de alcançar o orgasmo, relatada por quase metade das  entrevistadas (43%).

Essas dificuldades impactam duplamente a vida das pessoas, conforme a pesquisa: afetam o amor-próprio e  atingem a relação com o parceiro.

Saúde

Os psiquiatras e médicos afirmam que a vida sexual satisfatória começa com um corpo saudável. No consultório da médica Denise Zolet (especialista em sexualidade e medicina psicossomática) as queixas femininas e masculinas coincidem com as apontadas na pesquisa, mulheres citam diminuição de libido e  falta de orgasmo, já os homens  falam em  problemas de disfunção erétil, ejaculação precoce e diminuição da testosterona.

“A recomendação é buscar médico especializado para  realizar consulta, exames laboratoriais e individualizados, para cada queixa. As indicações são avaliação hormonal, exames de imagens e acompanhamento psicológico”, informa a médica.

 Especialistas

Para compreender as causas dessas dificuldades e alternativas para a harmonia sexual, ouvimos duas psicólogas. Cris Manfro (terapeuta de família e de casais, mediadora familiar, especialista em terapia cognitivo-comportamental, especialista em sexualidade humana, escritora de  livros, colunista de jornais gaúchos em Novo Hamburgo,RS)  e a psicóloga curitibana Elza Artigas (32 anos em atendimento de casais e família, presidente Associação Paranaense de Terapia Familiar).Também entrevistamos pessoas que contam como melhoram a conexão entre o casal  e a criadora da startup de caixas sensuais Trishya Box, Patricia Perotto.

Psicóloga curitibana Elza Artigas (32 anos em atendimento de casais e família, presidente Associação Paranaense de Terapia Familiar).Fotografia: Joel Rocha.
Cris Manfro (terapeuta de família e de casais, mediadora familiar, especialista em terapia cognitivo-comportamental, especialista em sexualidade humana, escritora de livros, colunista de jornais gaúchos em Novo Hamburgo,RS).

 Nos consultórios

As  queixas apontadas pela pesquisa são ouvidas nos consultórios. “As mulheres além da falta de desejo citam a inabilidade masculina quanto às preliminares”, ressalta a psicóloga, Cris Manfro.

A psicóloga, Elza Artigas, explica que  muitos casais não chegam ao consultório com queixa sexual,  mas  comenta que  é  fundamental investigar a vida sexual do casal na terapia. “As reclamações citadas são falta de desejo e tesão pelo parceiro, pouca frequência e  baixa qualidade das relações sexuais, falta de tempo, clima rotineiro e sem criatividade”, afirma  a psicóloga.

No consultório da psicóloga  Manfro a maior questão trazida é a infidelidade. “Mulheres e homens se queixam da infidelidade dos parceiros, ou o próprio paciente está envolvido em um caso extraconjugal e deseja a  separação, motivada pela  falta de desejo”, afirma.

A psicóloga gaúcha enfatiza que o pior problema enfrentado pela sexualidade dos casais é o cansaço.  “Envolvidos pela vida doméstica, competitividade, sobrevivência, acabam deixando a sexo em último plano”, diz Cris Manfro.

 Harmonia

A  experiência sexual é permeada pela idealização. “As pessoas precisam voltar a se olhar com expectativas mais realistas, sem perder o brilho de todas as coisas boas que as relações fornecem”, recomenda Manfro.

Nesse contexto, a satisfação sexual depende  do que acontece antes da relação íntima. “Começa no padrão relacional utilizado para as particularidades diárias. Os parceiros não querem ser ignorados”, explica a psicóloga, Elza Artigas.

 Dedicação

A satisfação sexual está relacionada ao tempo dedicado. “Sexo precisa de tempo. Nem que seja agendando. Muitas vezes, o desejo não vem porque as pessoas estão  exaustas e engolfadas por toda tecnologia”, afirma a psicóloga Cris Manfro.

A maioria das  pessoas não quer  trabalhar pelo seu desejo. “As surpresas  são ótimos recursos.Trazer novidades para a relação, como acessórios sensuais, com a alegria do inesperado, o capricho, de certa forma a molecagem  ativa as lembranças boas de como tudo começou”, diz  Manfro.

 Criatividade

A startup de clube de assinaturas, Trishya  Box (Curitiba),  iniciou operações com e-commerce com a proposta diferenciada de  “kits  elegantes  para noites inesquecíveis”. A criadora da  Trishya, Patricia Perotto, conta que a proposta é todos os meses enviar um kit diferente ao casal, com lingeries de qualidade, cosméticos e brinquedos.

Patricia  conta que a motivação para criar a startup foi a oportunidade de ajudar casais a manterem acesa a chama do desejo. “Depois de casada percebi que a intimidade anula as sensações de mistério e curiosidade, então compreendi a importância de trazer novidades, essenciais para o desejo”, diz. A Trishya.com entrega kits com uma pegada sutil  para proporcionar descobertas.

A criatividade é aprovada por casais longevos, como o “Casal 20”, 22 anos casados. A experiência do casal foi diferente de tudo que já programaram.“A maior diferença entre ir ao sex shop e o box é a surpresa proporcionada aos dois no momento em que abrimos a caixa, observamos os  itens  conversamos sobre como usá-los”, conta  “Casal 20”.

“Repetimos a compra  porque enviam produtos de qualidade e de bom gosto. A parceira se sente valorizada com as lingeries”, diz.

Links relacionados à pauta

Informações à imprensa: www.jaquelinpereira.com.br

Trishya.com