Transtorno de identidade de gênero não tratado pode conduzir a tentativa de suicídio

Uma pessoa que não se identifica com o sexo que nasceu enfrenta um processo de grande angústia, ansiedade e frustração, até que receba um acompanhamento adequado. O tratamento do transtorno de identidade de gênero, no sentindo de promover uma melhor aceitação pessoal, pode contribuir para reduzir o risco de suicídio, que chega a 50% dos pacientes.

“A Conduta no Transtorno de Identidade de Gênero” será abordado durante a 11ª edição do EndoSul – Congresso de Endocrinologia e Metabologia da Região Sul. Os especialistas convidados para falar sobre o tema são os endocrinologistas Emerson Cestari Marino (PR) e Elaine Frade Costa (SP), juntos com a psicóloga Fernanda Bonato (PR). Organizado pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia - Regional Paraná (SBEM-PR), o EndoSul 2017 acontecerá nos dias 4, 5 e 6, na Associação Médica do Paraná.

A intervenção médica em jovens transexuais é eficiente? Quais os efeitos deletérios da terapia hormonal ao metabolismo? Quais são os riscos de não oferecer ao paciente a possibilidade para fazer a mudança de gênero? O endocrinologista Emerson Cestari Marino, membro da SBEM-PR, respondeu algumas das perguntas frequentes no consultório de endocrinologia.

Como deve ser a conduta no tratamento do transtorno de identidade de gênero?

Dr. Emerson Cestari Marino - O tratamento é multidisciplinar, envolvendo principalmente psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais, endocrinologistas, ginecologistas e urologistas, com uma abordagem geral do paciente, desde o aspecto psicológico ao tratamento de comorbidades comuns e tratamento hormonal.

Quais os principais desafios para os profissionais envolvidos?

Dr. Emerson Cestari Marino - Os principais desafios são fazer o diagnóstico correto da situação do indivíduo que busca o atendimento, indicar a terapia e medicamentos corretos, agir na prevenção de complicações, atentar aos efeitos colaterais de medicamentos, auxiliar na aceitação pessoal, identificar quadros psiquiátricos, principalmente depressivos e risco de suicídio.

No consultório como são as etapas de atendimento ao paciente, até que seja possível fazer a cirurgia de redesignação sexual?

Dr. Emerson Cestari Marino - O diagnóstico é feito pelo psiquiatra, passando pela psicoterapia e avaliando a elegibilidade para o tratamento hormonal, após 6 meses de acompanhamento. Quando o indivíduo passa a ser elegível, ele inicia o tratamento hormonal, que deve ser de no mínimo 2 anos, para então poder se submeter a cirurgia de redesignacão sexual.

Porque é importante tratar o paciente com este transtorno?

Dr. Emerson Cestari Marino - É importante tratar estes indivíduos visando melhor aceitação pessoal e social, assim como prevenir mortalidade e comorbidades, dentre elas as tentativas de suicídio, que chega a 50% dos pacientes.

A terapia hormonal pode ser adotada em indivíduos jovens?

Dr. Emerson Cestari Marino - As normas de tratamento para maiores de 18 anos são bastante claras para a indicação, porém para menores de idade, em nosso país, é ambígua, devendo ser avaliada caso a caso. Entidades como a Endocrine Society preconizam bloqueio puberal a partir do estadio 2, até o indivíduo completar 16 anos e poder ter seu diagnóstico firmado com certeza, sendo tratado com hormônios sexuais a partir desta idade.

Quais efeitos desse tratamento no metabolismo?

Dr. Emerson Cestari Marino - O tratamento hormonal pode levar a efeitos no metabolismo lipídico, alterações nas concentrações de glóbulos vermelhos, aumento de risco de eventos tromboembólicos e cardiovasculares (Trombose venosa / Infarto do miocárdio/ AVC), alterações no fígado e principalmente na função reprodutiva.

Confira a programação científica do 11ª EndoSul – Congresso de Endocrinologia e Metabologia da Região Sul no site: http://www.endosul2017.com.br/

Médico endocrinologista e metabologista Emerson Cestari Marino da SBEM-PR (Bebel Ritzmann)

SERVIÇO
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – Regional Paraná | SBEM-PR

E-mail: sbempr@endocrino.org.br
Av. República Argentina, 369, cj. 1101, 11º andar,
Água Verde, Curitiba/PR CEP: 80240-210
Fone: (41) 3343-5338
www.sbempr.org.br|  www.facebook.com/sbemparana

Talvez você se interesse por estes artigos

No sábado, 23 de fevereiro, das 9h às 12h, mais de vinte instituições, participam na Boca Maldita, em Curitiba, das comemorações do Dia Mundial de...
Fechar Menu