Dicas para fazer uma mudança internacional

Muitos brasileiros estão se desfazendo de suas casas, roupas e objetos, fazendo as malas e deixando o país com passagem só de ida. E os motivos para isso são os mais diversos: vão desde a crise financeira e política pela qual atravessa o país a novas oportunidades de trabalho. Além disso, há sempre a possibilidade de crescimento cultural e pessoal vivendo a nova experiência.

De acordo com a Receita Federal, pouco mais de 18,5 mil brasileiros saíram do país em definitivo no ano de 2017. O número é mais do que o dobro dos quase 8 mil que foram viver no exterior em 2011, por exemplo. Alguns desses brasileiros que possuem excelente condição financeira conseguem manter os negócios por aqui enquanto vivem em território estrangeiro. No entanto, uma classe média brasileira considerável vai para fora para começar tudo do zero. Por conta disso, mudanças internacionais são mais complexas do que parecem.

Confira dicas para não ter baixas durante a mudança

Mas você é uma pessoa decidida e não pretende pensar duas vezes quando surgir uma oportunidade de deixar o país? Então é bom conhecer algumas dicas ao seguir essa decisão tão importante:

  • Pedidos de orçamentos

Os pedidos para as empresas devem conter informações sobre origem, destino, data prevista e lista dos bens que deseja transportar. Ao receber as respostas, lembre-se de verificar se estão inclusos os impostos que deverão ser pagos no destino, para a retirada da mudança.

  • Meios de transporte

O meio de transporte que será utilizado para a sua mudança é um fator extremamente importante. É sempre bom saber antes se ele será por via marítima, aérea ou terrestre. Verifique quais são os meios disponíveis, compare as diferentes tarifas e detalhes do serviço, principalmente avaliando a agilidade e limites de espaço. É comum que seja usado mais de um meio de transporte. Por conta disso, determinar os tipos de objeto que serão transportados, separando-os por fragilidade, tamanhos, entre outras características é uma medida mais do que obrigatória: é fundamental para a preservação dos seus pertences.

  • Processo de embalagem

A mudança internacional pode envolver diversos obstáculos, sendo um deles a troca de containers. O processo de embalagem dos móveis e demais pertences precisa ser feito de forma correta, com os materiais mais adequados para cada caso. Esse detalhe é muito importante, visto que eles serão manuseados por diferentes pessoas. É altamente recomendado que você tenha em mãos uma lista com todos os itens transportados devidamente separados por caixa. Um erro no conteúdo e no valor das mesmas pode causar um prejuízo desagradável.

  • Escolha da empresa

Uma mudança internacional passa por trâmites complicados e extremamente burocráticos. Por isso, é fundamental que a empresa de mudança escolhida tenha experiência comprovada nesse tipo de serviço. Dê preferência àquelas que também oferecem assessoria legal sobre a entrada de mercadorias em diferentes países.

Tenha atenção com os pertences transportados

Muitas pessoas que deixam o país se desfazem de praticamente tudo. Mas uma boa parte quer levar consigo alguns objetos e até animais para a sua nova vida. Alguns desses pertences merecem maior atenção, pois podem ter procedimentos específicos e requerem muita informação. Confira:

  • Animais de estimação

O transporte de animais entre diferentes países exige documentação específica emitida pela autoridade veterinária do país de origem, bem como documentos de aceitação do país de destino. A documentação deve trazer o histórico e condições de saúde do animal.

  • Obras de arte

Para exportar quadros, esculturas, fotografias artísticas, ou qualquer outro objeto que possa ser considerado arte, é necessário ter autorização do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Antes de embalar um quadro ou escultura, por exemplo, é preciso catalogar em formulário próprio do IPHAN, juntando foto da peça, nome da obra, autor, técnica utilizada e dimensões da obra.

  • Veículos

Carros e motocicletas usados não podem entrar no Brasil como parte de bagagem desacompanhada, segundo Lei Federal. Com exceção para diplomatas, embaixadores e cônsules.

  • Alimentos e Bebidas

A maioria dos países proíbe a entrada de alimentos e bebidas, ou cobram impostos. Alguns países até aceitam pequenas quantidades de alimentos, mas isso pode acarretar em atrasos nas liberações alfandegárias e custos extras. A recomendação é de não levar nada de alimentos ou bebidas. Caso o país de destino aceite esses itens, recomenda-se fazer o cálculo prévio dos impostos, para não haver surpresas.

  • Equipamentos elétricos e/ou eletrônicos

É importante ficar atento a ciclagem dos equipamentos. Muitas vezes, o que funciona aqui no Brasil é incompatível em outros países e vice-versa. Ou seja, o consumidor corre o risco de gastar dinheiro para o transporte e depois descobrir que não conseguirá usar o aparelho.