OMS alerta para taxa de 70% a 90% de mortalidade dos casos de Meningite

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a taxa de mortalidade da meningite, caso a doença não seja tratada corretamente, é de 70 a 90% dos casos. Mesmo com tratamento adequado, entre 5 a 10% vão a óbito. “As meningites bacterianas são mais graves que as virais e podem trazer risco de morte”, alerta a infectologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Dra. Andreia Maruzo Perejão.

A especialista explica que a doença é uma inflamação nas meninges – membranas que envolvem o encéfalo e a medula espinhal. É causada por algumas bactérias ou vírus, sendo principalmente pelas bactérias meningococo, pneumococo e hemófilos. “Quem contrai a doença, normalmente sente febre, dores de cabeça e vômitos”. Porém, em casos mais graves, pode evoluir para convulsão, rebaixamento do nível de consciência, vasculites (inflamação dos vasos sanguíneos), levando à necrose dos membros e, algumas vezes, até necessidade de amputação.

O tratamento das meningites bacterianas é feito com antibióticos, já as virais somente com medicações sintomáticas. “Para diagnosticar, além de análise clínica, é necessário confirmação com exame de líquor (punção de líquido da coluna)”, esclarece a infectologista. Quanto à prevenção, existem vacinas para os principais tipos da doença bacteriana. “Algumas vacinas muito importantes, principalmente para as crianças, estão disponíveis apenas na rede privada, como a Meningite B e a ACWY. Na rede pública, há somente a Meningocócica C, que faz parte do Calendário Básico de Vacinação da Criança do Programa Nacional de Imunização, sendo composta por duas doses, aos três e cinco meses de vida, com reforço entre 12 meses a quatro anos”, informa. É essencial que bebês e crianças tomem a vacina, já que a maior parte dos casos notificados ocorre em menores de cinco anos de idade.

 

vivian.curitiba@maquinacohnwolfe.com