Cresce procura por exames de proficiência em inglês para fins de imigração

Somada aos resquícios de uma crise política e econômica intensa, a possibilidade de ir para o trabalho convicto da segurança dos filhos e de se tranquilizar com a eficácia e acessibilidade dos serviços de saúde estão entre as razões que pesam na decisão de quem fez as malas para construir a vida em outro país. Contudo, garantir que a aposta de imigrar seja certeira exige mais do que foco e entrega ao novo ciclo. É preciso preparo para lidar com desafios de diferentes ordens e, por isso, o domínio do idioma estrangeiro está entre os itens indispensáveis da bagagem.

“Vemos no Canadá uma oportunidade dos nossos filhos viverem com mais segurança, qualidade na educação, saúde e lazer sem pagar uma fortuna por isso”, conta Cristiana Brito da Silva, proprietária de uma agência de viagens. Dedicada a concretizar o sonho, ela encontrou na Cultura Inglesa a possibilidade de se preparar e se inscrever para o IELTS (International English Language Testing System), aceito por milhares de empresas e universidades de todo mundo. “A província de Québec exige que o casal fale francês para um visto de residente. Meu marido começou a estudar francês e eu já falo tanto francês como inglês, tendo feito o IELTS para avaliar o domínio e adicionar pontos extras ao processo de mudança”, compartilha. Para ela, ter conhecido o teor da prova pelo curso preparatório da escola trouxe mais confiança e tranquilidade para o exame. “Conhecer o teste foi essencial para manter a calma”, lembra.

Conforme a gerente de exames da Cultura Inglesa, Carla Probst, a história de Cristiana não é um caso à parte. “A estimativa até o fim do ano é que já tenhamos aplicado de 600 a 700 exames do IELTS, com uma média de duas sessões da prova por mês”, afirma. Para ela, o aumento da procura pelo exame é atribuído a uma série de fatores, entre eles a confidencialidade de todo o processo. “No mundo, mais de 12 mil organizações aceitam o IELTS, que embora seja relativamente recente, envolve várias medidas para evitar que fatores externos interfiram na performance dos candidatos”, explica. Desde fevereiro, a escola consolidou-se como o único centro independente autorizado pelo British Council, e aberto ao público para aplicação de exames IELTS no Sul do país.

Um exame coringa também para quem quer estudar fora

Professora do curso preparatório do IELTS na Cultura Inglesa, Ana Luiza de Oliveira e Silva atrela a relevância do exame ao seu caráter polivalente, que o valida para casos acadêmicos (academic) e de imigração (general), atualmente procurados nas mesmas proporções dentro da escola. “Entre todos os exames, o IELTS é o único a fazer essa divisão conforme a intenção do candidato, abrindo uma possibilidade de escolha que os outros não abrem”, salienta. Nas seis aulas que compreendem o curso preparatório, o propósito do aluno fica ainda mais evidente. “Em resumo, a teoria acerca das estratégias a serem utilizadas nas diversas partes da prova é a mesma, mas a prática dos exercícios difere de acordo com qual teste os alunos irão fazer”, explica.

Desde a tomada da decisão, a técnica de informática Fernanda Costa conhecia a necessidade de comprovar o domínio do inglês. “Escolhi fazer o IELTS porque as escolas do Canadá pedem uma nota mínima para aprovar as inscrições de estudantes estrangeiros. O módulo academic é justamente voltado para os futuros estudantes, por utilizar conteúdo universitário para avaliação”, conta.

Com o intuito de permanecer no país depois de concluir os estudos e, com isso, levar uma vida mais tranquila em um país cuja política de imigração é amigável, Fernanda também passou pelo curso preparatório da Cultura Inglesa, onde se inscreveu para o exame no final do processo. Para ela, as aulas foram esclarecedoras pelo direcionamento da docente e pela oportunidade de praticar as quatro habilidades do idioma. “Por estar familiarizada e bem preparada, posso dizer que superei minhas expectativas quanto ao desempenho na prova”, comemora.

A próxima sessão de provas do IELTS, que contempla tanto a modalidade general quanto academic, será em 30 de setembro, com inscrições até o dia 11. Para o preparatório, o único requisito é apresentar nível B2 do Quadro Europeu Comum de Referências para Línguas, equivalente a um pré-avançado.