Dassault Systèmes alcança objetivo de receita e lucro por ação de software no segundo trimestre e assina com a Boeing novo contrato ampliado de parceria

A Dassault Systèmes, a empresa 3DEXPERIENCE, líder mundial em software de projetos 3D, 3D Digital Mock Up e Product Lifecycle Management (PLM), anuncia os resultados financeiros não auditados IFRS (International Financial Reporting Standards) do segundo trimestre e seis meses terminados em 30 de junho de 2017. Esses resultados foram revisados pelo Conselho de Administração da Companhia.

Destaques do Resumo do segundo trimestre e do primeiro semestre de 2017

(Não auditados; números da receita em moedas constantes, sem IFRS)

  • Os resultados do segundo trimestre estão bem alinhados com as diretrizes da Dassault Systèmes: a receita de software aumentou 7%, as de novas licenças subiram 8%, a margem operacional foi de 30,1% e o EPS (lucro por ação) a €0.62, teve um aumento de 9%;
  • A receita do segundo trimestre do software SOLIDWORKS aumentou 14% em vários drivers da demanda global;
  • Forte fluxo de caixa de operações, com aumento de 32% a €592 milhões no primeiro semestre;
  • Objetivos de 2017 sem IFRS atualizados: confirmada a meta de crescimento da receita em moeda constante, atualizando a faixa do faturamento reportado e EPS em euros devido à fraqueza cambial;
  • A Boeing irá expandir a implantação de produtos da Dassault Systèmes em toda sua linha de aviação comercial, programas espaciais e de defesa para incluir a plataforma 3DEXPERIENCE.

Destaques Financeiros do Segundo Trimestre e Primeiro Semestre de 2017

(não auditados)

“No segundo trimestre, entramos em uma nova parceria estratégica estendida com a Boeing. Esse contrato abrange as divisões de aviação comercial, espaço e defesa da companhia, com a adoção da plataforma 3DEXPERIENCE para Gerenciamento das Operações de Manufatura e Product Lifecycle Management (PLM), além de estender a utilização do software para design, simulação da engenharia e manufatura digital”, afirma Bernard Charlès, Vice-Chairman e CEO da Dassault Systèmes.

“Esse novo contrato, com a implantação da plataforma 3DEXPERIENCE para suportar toda a cadeia de valor da Boeing, desde a inovação até a fabricação e pós-vendas, bem como o aprimoramento dos dados gerados, representa um novo passo. Ele é equivalente ou ainda mais importante em alcance potencial que o passo anterior graças à habilidade de avaliar de forma completa, com a plataforma 3DEXPERIENCE, todas as informações produzidas a partir de diferentes fluxos de valor e converter esses dados em ativos, fornecendo benefícios enormes para os usuários e suas corporações.”

“Olhando o passado, 25 anos atrás, a importância do mundo digital na inovação foi verdadeiramente revelada graças à decisão histórica da Boeing, de, já naquela época, confiar no software Digital Mock-Up da Dassault Systèmes para o design no novo B-777, preparando o caminho para produtos “digital twins”.

“Finalmente, ao mesmo tempo em que ficamos satisfeitos com os resultados do segundo trimestre em que alcançamos nosso objetivo de receita e EPS em software, isso é apenas um passo na trajetória na qual a Dassault Systèmes deverá ver uma aceleração em seu crescimento, baseado nas decisões de vários clientes estratégicos, como a Boeing, que demonstram nosso posicionamento ideal de levar valor para todas as empresas que servimos.”

Resumo Financeiro do Segundo Trimestre de 2017

(não auditado)

*Em moeda contante

  • A receita com IFRS total cresceu 6%. O faturamento sem IFRS total aumentou 6% com crescimento de receita de software em 7% e de serviços em 3%. Os resultados financeiros do segundo trimestre incluem a CST, uma aquisição concluída em 30 de setembro de 2016 (todas as taxas de crescimento estão em moedas constantes).
  • As principais indústrias do negócio representaram 67% da receita do software sem IFRS no segundo trimestre de 2017, enquanto as áreas diversificadas representaram 33%, crescendo em relação aos 31% do ano anterior. Os setores Aeroespacial & Defesa e Equipamentos Industriais cresceram dois dígitos, enquanto que Transporte & Mobilidade mostrou estabilidade (todas as taxas de crescimento estão em moedas constantes).
  • Na diversificação de indústrias, o total da receita de software sem IFRS cresceu dois dígitos e aqui estão incluídas as de Alta Tecnologia, Ciências, Arquitetura, Engenharia & Construção (AE&C) e Varejistas de Produtos de Consumo (todas as taxas de crescimento estão em moedas constantes).
  • As receitas de software sem IFRS aumentaram 9% na região das Américas, com crescimento de novas licenças em dois dígitos refletindo o forte crescimento na América do Norte, e aumento de faturamento recorrente em software. Na Europa, a receita de software sem IFRS cresceu 7%, com aumento de dois dígitos na receita de novas licenças refletindo o forte desempenho da Europa Central e do Sul. Na Ásia, a receita de software sem IFRS cresceu 4%, refletindo o forte crescimento na Coréia do Sul e no sul da Ásia Pacífico que foram compensados em parte pelos baixos resultados do Japão e da China (todas as taxas de crescimento estão em moedas constantes).
  • As receitas de software sem IFRS aumentaram em 6% em moedas constantes no forte desempenho das assinaturas de manutenção de forma global e representaram 71% do total da receita de software do segundo trimestre de 2017. Novas licenças e outras receitas de software cresceram 8% (todas as taxas de crescimento estão em moedas constantes).
  • Por linha de produto, a receita do software SOLIDWORKS sem IFRS aumentou 14% liderada pelo forte crescimento do faturamento de novas licenças. Durante o segundo trimestre, o crescimento da receita do software CATIA sem IFRS aumentou 1% com crescimento de dois dígitos no faturamento de novas licenças na América do Norte e Europa, compensadas pela baixa contribuição da China. A receita do software ENOVIA sem IFRS cresceu 2% em uma base de comparação alta. A receita de outro software sem IFRS aumentou 9% no total, liderada pela QUINTIQ (todas as taxas de comparação estão em moedas constantes).
  • A renda operacional IFRS aumentou 5%. A renda operacional sem IFRS aumentou 6% para €243,8 milhões. A margem operacional sem IFRS diminuiu 30 pontos ano a ano para 30,1% em altos investimentos, principalmente em Pesquisa & Desenvolvimento e vendas, bem como na diluição das aquisições, que foi parcialmente compensada pelas flutuações cambiais líquidas favoráveis.
  • A taxa de imposto efetiva com IFRS aumentou 40 pontos base para 33,5% de 33,1% comparando com o mesmo trimestre do ano passado. Em uma base sem IFRS, a taxa de imposto efetiva diminuiu 60 pontos base para 34,5% de 35,1% comparando com o mesmo trimestre do ano passado devido, principalmente, ao menor imposto sobre dividendos.
  • O lucro líquido diluído por ação IFRS aumentou 23% para €0,48. O lucro líquido diluído sem IFRS por ação, de €0,62, aumentou 9% em receita e teve crescimento da renda operacional. A moeda teve um impacto neutro líquido sobre o crescimento líquido diluído por ação.

Este comunicado de imprensa é a informação financeira trimestral requerida pelo artigo L.451-1-2 IV do Código Francês Monetário e Financeiro (Code Monétaire et Financier).

Para acessar o balanço completo, clique aqui.