Dente do siso: Vilão ou Mocinho?

Por muitos anos o terceiro molar, mais conhecido como “dente do siso” ou “dente do juizo”,  era extraído sem motivo aparente. Porém, o que nem todo mundo sabe é que a extração deve ser feita apenas após a avaliação e recomendação de um profissional. “Por ser o último dente a nascer, em pessoas nas faixa dos 16 e 20 anos, normalmente não há espaçamento suficiente na boca para acomodá-lo”, comenta a dentista e consultora de higiene bucal da Condor, Érika Vassolér.

A falta de espaço é considerada um dos principais motivos para a remoção, uma vez que os dentes ficam presos embaixo do tecido gengival, de outros dentes ou até mesmo junto ao osso, ocasionando inchaço e dor. A demora na retirada do dente do siso pode provocar ainda uma inflamação moderada nos tecidos moles circundantes, chamada infecção pericoronária.

Por isso, é preciso ficar atento aos  sinais de alerta: fortes dores na face próximo a mandíbula, inflamação ou inchaço na gengiva, dor de dente aguda, mau-hálito (halitose) e limitação ao abrir a boca.  “Nestes casos, é fundamental procurar um profissional qualificado para diagnosticar o problema e o tratamento a ser feito”, fala Vassolér.

Apesar de ser um problema simples, a condução incorreta do procedimento ou a demora  em realizar a retirada pode levar a morte. Em casos extremos, o dente do siso pode ocasionar uma infecção grave, alojando bactérias na boca e atingindo outras regiões do corpo.

O diagnóstico é feito por meio de um raio X panorâmico da boca. A pequena cirurgia é realizada no consultório do dentista e dura entre uma e três horas, dependendo da gravidade. Em situações mais complexas, como dente mal posicionado, por exemplo, é preciso realizar o procedimento em hospitais com anestesia geral, já que existe uma proximidade com nervos da boca ou àreas de risco.

**Dicas da especialista***

– Em caso de dores e inchaços, procure um profissional qualificado para diagnosticar o problema;

– Dê preferência aos alimentos gelados ou mornos como sopas ou sorvetes, por exemplo;

– Após o procedimento, mantenha uma dieta leve durante os primeiros sete dias.

– Evite mastigar alimentos duros, principalmente no local operado;

– Evite o consumo de bebidas alcóolicas;

– Evite o uso do tabaco;

– Coloque uma bolsa de gelo na região da extração três vezes ao dia para diminuir o inchaço e as dores;

–  Utilize os medicamentos recomendados pelo profissional ;

– Em casos de febre, inchaço, sangramentos e dores além do normal, recomenda-se retornar ao dentista rapidamente para iniciar o tratamento adequado. mayara.guerrero@portavoz.com.br