Desnorteamentos: João & Maria

O mundo de contos de fadas pelo olhar da artista multidisciplinar Katia Canton ganha destaque mundialmente. Ela é uma artista completa, estudou arquitetura, se formou em jornalismo, escreve, pinta, desenha, dança, canta e já tocou violão. O amor pela arte está presente na vida da artista que encanta o mundo com suas obras e principalmente com seu olhar para a imaginação.

 

E Curitiba terá o privilégio de receber em primeira mão a exposição da artista que se inspirou na temática “Antípodas – Excesso de Imagem” da Bienal Curitibana. A exposição Desnorteamentos: João & Maria, que retrata as temáticas do importante clássico que até hoje conquistas fãs, estará na Galeria Zilda Fraletti até dia 28 de Outubro,

 

Além de escrever para jornais e revistas do Brasil, Estados Unidos e Portugal, já participou de exposições em várias partes do mundo, desenvolveu uma importante carreira acadêmica onde atuou no departamento de arte-educação do MOMA (Museum Of Modern Art, de Nova York) e na curadoria do Museu de Arte Contemporânea da USP, em São Paulo. A artista dedica sua vida profissional a um tema muito comum na infância de qualquer pessoa: os contos de fadas. Apaixonada por eles desde pequena, há 20 anos ela dedica boa parte de seus esforços a pesquisas e produções nessa temática. A autora tem mais de 50 títulos infantojuvenis que ganharam importante reconhecimento, incluindo três Prêmios Jabuti.

 

Pensar em histórias infantis, contos de fadas, personagens e magia traz à nossa memória diversas sensações. Se o espectador tiver um olhar crítico e reflexivo, essas simples histórias podem trazer grandes lições de vida. Por isso a arte se torna tão importante ao mostrar releituras de situações, acontecimentos, histórias para que a mensagem chegue de uma forma diferente e possa transformar a sociedade. Nesse conceito, a talentosa Katia investiu no clássico João e Maria, com obras únicas e personalizadas para a Bienal de Curitiba transmitindo um toque sensível para a história que comove até hoje muitos corações.

 

Para a artista o conto é visceral e ao mesmo tempo intrigante. “São duas crianças famintas e largadas em um espaço desconhecido e ameaçador. A floresta como alteridade é também o “lado de lá”, o avesso da identidade confortável do lar”, comenta.

Em cada obra são retratadas as sensações do conto, já que o abandono produz desamparo, mas finalmente dá lugar à redenção; do outro lado do medo está uma casinha de doces e um tesouro, guardados por uma bruxa. E ela será vencida e morta pelas crianças em meio à batalha da jornada. “A história remete situações boas e ruins, parece distante da nossa realidade onde crianças são abandonadas na floresta e ficam perdidas. Olhando o simbolismo de tudo isso, por mais antigo que o conto seja, podemos trazer para nosso dia a dia, onde sim, sentimos medo, solidão, muitas vezes estamos perdidos dentro de nós mesmos”, reflete.

 

Em sua exposição, a artista destaca a potência da criação artística: a capacidade mágica de reinventar a vida. “Apresento pintura, desenho, fotografia e vídeo para tocar aspectos suscitados pela narrativa: o desamparo, o medo e a transformação”, revela.

 

 

Sobre Katia Canton:

 

Katia Canton é artista, escritora e educadora. Nasceu em São Paulo, onde estudou arquitetura, dança e jornalismo.  Também frequentou cursos livres de arte com artistas-professores como Nelson Leirner, Naum Alves de Souza, LC Baravelli, Carlos Fajardo e Feres Khouri.

 

Posteriormente, vivendo em Nova York, tornou-se mestre em Performance Studies e PhD em Artes Interdisciplinares, ambos títulos obtidos na New York University. Suas pesquisas de mestrado, doutorado e pós-doutorado, realizadas na NYU, focam nos contos de fadas como formas de representação e construção cultural. Elas têm sido a base de seu trabalho artístico, desenvolvido em várias mídias — desenho, pintura, escultura, vídeo, poesia, instalação. Desde 2008 tem realizado exposições nacionais e internacionais, em países como Eslováquia, Índia, Itália, Alemanha.

 

 

MOSTRA “DESNORTEAMENTOS: JOÃO & MARIA”

End.: Galeria Zilda Fraletti, Av.do Batel, 1750.

Data: de 28 de Setembro a 28 de Outubro

Data e Horário (inauguração): 28 set, quinta-feira, das 19h às 22hs.