Miopia atinge proporções de epidemia

A miopia faz com que a pessoa veja somente o que está bem à sua frente, sentindo dificuldade em enxergar o que está longe. Estudos comprovam que, em uma sociedade cada vez mais globalizada e competitiva, crianças e jovens têm passado mais tempo em ambientes fechados, enxergando tudo à curta distância, e muito pouco ao ar livre, observando o que se passa na linha do horizonte. De acordo com o oftalmologista Renato Neves, diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos, quem lê ou estuda muitas horas por dia deve estar sempre atento aos sintomas de miopia.

“Se a pessoa perceber que está aumentando sua dificuldade para enxergar o que está longe, como aquilo que o professor escreve no quadro-negro ou até mesmo placas de ruas, por exemplo, ela deve reportar o problema a seus pais e agendar um exame oftalmológico o quanto antes. Caso contrário, é natural que sua reação seja evitar tudo o que traz desconforto visual, limitando suas atividades”, diz Neves.

O médico aponta os principais sintomas da miopia: dificuldade para enxergar ao longe, forçar os olhos (quase fechando) para enxergar com mais definição, reclamar de dor de cabeça constante (principalmente depois de ler ou estudar por muitas horas), piscar excessivamente, coçar os olhos com frequência, e dificuldade ao dirigir (principalmente à noite). “A miopia costuma ser diagnosticada geralmente entre a infância e a adolescência, que é quando a criança começa a manifestar esses sintomas ou ainda apresentar notas baixas. Pode acontecer de os pais e professores notarem que aquela criança está sentando sempre mais perto da TV ou na primeira fileira da sala de aula, apertando os olhos na tentativa de ver melhor. Mas é preciso estar ainda mais atento, porque também acontece de a criança se sentir desanimada com relação aos estudos, principalmente quando ela não quer que seus colegas percebam seu problema”.

O especialista afirma que o primeiro exame de visão deve acontecer antes dos seis meses de vida. Depois, quando a criança estiver sendo alfabetizada. A partir desse ponto, é importante visitar o oftalmologista a cada dois anos até o término do Ensino Fundamental. Depois, mais uma vez durante o Ensino Médio – ou assim que a pessoa sentir essa dificuldade aumentar.

“Há três formas de tratar a miopia: óculos, lentes de contato, ou cirurgia corretiva a laser. A primeira forma é ideal para crianças. A partir do momento em que o adolescente é capaz de cuidar da higienização de suas lentes, ele tem mais essa opção para enxergar melhor. Já depois dos 18 anos, a cirurgia refrativa melhora a visão e reduz a necessidade de usar óculos ou lentes de contato. O cirurgião usará o equipamento de laser para redefinir o formato da córnea e permitir que o paciente enxergue bem o que está distante. Para quem tem dúvidas sobre o laser, ele pode ser explicado como um feixe de luz ultravioleta invisível e sem calor que, através de um controle digital, retira camadas de tecidos com precisão microscópica, devolvendo a visão normal ao paciente. No caso de miopia, ele é aplicado na parte central da córnea. Além dos resultados excelentes, o paciente volta rapidamente às atividades cotidianas”, diz Neves.

 

Mais informações:

http://www.eurotimes.org/myopia-epidemic-2/

 

Dr. Renato Neves, cirurgião-oftalmologista e diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos – www.eyecare.com.br

anna.carolina@presspagina.com.br