Osteopatia reduz dores da Fibromialgia

Na última semana, acompanhamos o drama da cantora Lady Gaga que cancelou sua participação no Rock in Rio um dia após anunciar que sofre de Fibromialgia. A Síndrome da Fibromialgia (SFM) é um tipo de reumatismo de forma crônica e complexa. Não existe um exame que detecta essa doença. A síndrome afeta de 6% a 20% dos pacientes de clínicas de reumatologia e representa quase 10% das consultas de dor crônica no Brasil. A SFM atinge de 0,5% a 5% da população geral do país segundo dados do Consenso Brasileiro de fibromialgia, de 2010.

De modo geral, o diagnóstico da Fibromialgia é clínico. O profissional de saúde toca alguns pontos do corpo que são dolorosos, e estes são chamados de pontos gatilho, como pode ser visto na figura 1. Para o diagnóstico positivo, o paciente deverá sentir dor em pelo menos nove dos dezoito pontos de dor apontados no corpo.

Figura 1: Pontos de Gatilho

 

Alguns estudos têm relacionado Fibromialgia à Disautonomia, um desequilíbrio do Sistema Nervoso Autônomo (SNA), que pode ser causado pelos efeitos do “chicote cervical”, ou seja, um trauma na coluna surgido de um acidente de carro, por exemplo. A sequela principal desse “chicote” é a inversão da curvatura da coluna cervical, o que provoca uma série de disfunções na base do crânio, afetando o bom funcionamento do SNA e levando o paciente a ficar num estado de alerta o tempo todo. Essa condição pode deixar os músculos mais tensionados que o normal provocando dores no corpo.

A Disautonomia pode afetar o corpo todo, já que o SNA também está presente no corpo todo. Como essas disfunções afetam os sistemas simpático e parassimpático, elas podem afeitar o funcionamento de alguns dos órgãos corporais. Como exemplo, é comum que junto com o diagnóstico da fibromialgia exista algum mal funcionamento visceral, como ter o intestino preso ou sintomas de gastrite. Além disso é muito comum que os fibromiálgicos sintam muita fadiga e cansaço pelo corpo não tendo ânimo para fazer as atividades do dia, o que também pode estar associado com sintomas de depressão.

 

Outras causas estão associadas segundo a Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor: causas genéticas são atribuídas, pois é comum ocorrer em pessoas da mesma família e doenças autoimunes (aquelas em que o corpo ataca o próprio corpo).

Com o tratamento Osteopático se busca a correção dessas disfunções através de técnicas manuais suaves para que o próprio corpo passe a voltar a ter uma boa regulação do SNA,

levando a melhora dos sintomas e a melhora da saúde. Quando aliada a uma prática correta de atividade física, uma boa alimentação e métodos de alívio do estresse, o tratamento osteopático é uma maneira de ajudar o corpo a responder mais rápido ao tratamento além de contribuir para uma melhora mais efetiva e duradoura.

O tratamento osteopático pode incluir desde manipulações na coluna, nos braços e pernas, diminuição das tensões dos músculos do pescoço, tratamento dos órgãos e do crânio ajudando a regular o sistema nervoso.

 

*Doutor Fellipe Amatuzzi é fisioterapeuta osteopata, professor e coordenador da Escuela de Osteopatía de Madrid Brasil, em Brasília. Amatuzzi é diretor científico da Associação dos Osteopatas do Brasil (AOB), ​d​iplomado em osteopatia pela Scientific European Federation Osteopaths (SEFO), Mestre em Educação Física pela UCB/DF e Doutor (PhD) em Ciências e Tecnologias em Saúde pela Universidade de Brasília.

 

Sobre a EOM

A Escuela de Osteopatía de Madrid (EOM) é um grupo espanhol, com sede em Madrid. Está presente em 22 países, com 80 unidades e só no Brasil conta com 20 unidades e sede em Campinas, oferecendo capacitação e especialização em osteopatia para fisioterapeutas graduados, com duração de cinco anos e aulas teóricas, práticas e 500 horas de práticas clínicas supervisionadas.  Outras Informações: http://www.osteopatiamadrid.com.br