Revitalização atrai novos alunos no segundo semestre na Cultura Inglesa

A Cultura Inglesa começou o segundo semestre a todo vapor. Além da revitalização das unidades Água Verde, Champagnat e Cabral, concluídas em 2016, o número de matrículas também cresceu, em relação ao primeiro semestre. Trata-se de um fato inédito, na contramão da tendência histórica das Culturas Inglesas em todo o Brasil, que costumam ter uma queda nas matrículas no segundo semestre. Os bons resultados refletem o trabalho de toda a equipe da Cultura Inglesa de Curitiba, além dos  investimentos realizados pela instituição para revitalizar a escola e oferecer mais conforto e comodidade para os alunos.

A Cultura inglesa passou por um processo de modernização, que começou no realinhamento do conceito da instituição, com foco no universo dos “Millennials’” e na “Geração X”. Millennials é o termo usado para designar a população que nasceu entre 1980 e 2000. São os filhos da Geração X, representada por aqueles que nasceram entre 1960 e 1980.

O segundo passo foi promover a modernização dos espaços físicos das escolas para trazer mais conforto e comodidade para os alunos. Com a revitalização, as unidades do Água Verde, Champagnat e Cabral, ganharam lounges aconchegantes, espaços para uso de mobiles, LANs, novas bibliotecas, mesas de estudo e playgrounds, para estimular as relações interpessoais, ou seja, o convívio e a interação entre os alunos.

A fachada também foi atualizada para demonstrar que a Cultura Inglesa é mais do que uma escola de línguas, cujo foco é a transmissão da cultura, do modo britânico de observar o mundo. “Precisamos preparar os jovens para conversar em inglês fluente com o mundo inteiro, para interagir sobre negócios, arte, entretenimento, ciência, tecnologia e cultura”, diz André Rydygier de Ruediger, superintende geral da Cultura Inglesa.

A modernização da Cultura Inglesa também passa por mudanças no marketing da instituição, que atualizou seu branding – que envolve atividades de planejamento, comunicação e divulgação da marca. “Nossa intenção é atender os anseios e as necessidades de uma geração exigente e, ao mesmo tempo, descolada e descontraída. Esse público prioriza projetos e espaços contemporâneos, com forte influência da moda e da cultura universal, além do conforto. Acreditamos que o crescimento no número de matrículas é um reflexo de todas essas mudanças conceituais e estruturais realizadas pela Cultura Inglesa em Curitiba e não está relacionado a um crescimento do mercado, que aliás, encolheu com a crise ”, explica André Rydygier de Ruediger.

Novos horizontes

No mercado há mais de 70 anos, a Cultura Inglesa está presente em cerca de 60 cidades brasileiras. Consolidada como uma referência no ensino da língua inglesa britânica no País, a instituição está com os olhos voltados às tendências do mundo globalizado, que encurtou as distâncias e enalteceu a preocupação do público em dominar o idioma com fluência.

Nesse contexto, a Cultura Inglesa já está se preparando para a expansão do mercado da língua inglesa nos próximos anos e, além do ensino, oferece a possibilidade de realização de exames de reconhecimento internacional, como os ofertados pela Universidade de Cambridge e o IELTS, este por meio do British Council. Os exames atraem pessoas interessadas em estudar em instituições especializadas e em emigrar para vários países. A Cultura inglesa de Curitiba é Centro Independente do Sul do Brasil de Exames, credenciada tanto pela Universidade de Cambridge para seus exames como pelo British Council para o IELTS.

Sobre a Cultura Inglesa de Curitiba

Há mais de sete décadas em território nacional, a Cultura Inglesa de Curitiba divide suas atividades em cinco unidades, sendo uma delas localizada em São José dos Pinhais. A renda obtida por cada unidade é revertida para melhorias dentro das próprias sedes, o que as caracteriza como entidades sem fins lucrativos. O compromisso em manter o alto nível de ensino do inglês britânico, além de aspectos culturais do país, é um dos pilares da escola, que busca respaldo na qualificação elevada do quadro de professores, constantemente desenvolvida por meio de workshops, seminários e treinamentos. O teor vanguardista da escola é ainda reforçado por parcerias com grandes entidades, como é o caso do apoio do British Council – organização britânica que promove oportunidades culturais e educacionais entre Brasil e Reino Unido.