Todos podem ajudar a detectar a depressão na adolescência

A depressão é companheira de muitas pessoas na atualidade. Todos os dias ouvimos falar de diversas doenças que estão associadas a ela, mas muitas vezes é difícil de reconhecer os seus sintomas, principalmente, em adolescentes e jovens.

A pediatra, Dra Myrna Campagnoli, diretora médica do Laboratório Frischmann Aisengart, explica como uma avaliação e tratamento adequado podem ajudar. “Muitos sintomas da depressão, como inferioridade, derrota, submissão, tristeza, insegurança, irritabilidade, são entendidos por muitos pais como apenas uma fase da pré-adolescência e adolescência, mas, na atualidade, esses são importantes indicadores de que algo não vai bem”, explica.

A médica também destaca que os profissionais da área de saúde podem ajudar na detecção do problema. “Quando acompanhamos crianças e adolescentes, em consultas frequentes, podemos ajudar a entender se esses são sinais da depressão ou apenas uma fase mais triste para eles”, comenta. Segundo a especialista, os médicos podem avaliar o nível e a intensidade do problema, ajudando a trabalhar a causa e orientando os pais no tratamento adequado.

O tratamento da depressão, com medicamentos, precisa ser feito com acompanhamento médico. “Existem diversas opções de tratamento para estes casos, mas, o mais importante, é que os adolescentes entendam que não estão sozinhos nesse processo e que suas queixas são levadas à sério, não são frescuras da idade, que seus problemas são reais e que eles terão ajuda para superar tudo isso”, diz.

Quando os familiares e amigos percebem que com frequência a pessoa anda muito desanimada, explosiva e irritada é hora de ajudar o jovem a procurar por ajuda. “Quando isso persiste e aumenta em intensidade já está na hora de procurar um especialista. Os pais e pessoas próximas não podem evitar o assunto, precisam demonstrar interesse pela situação em que o adolescente está passando e ressaltar que podem superar isso juntos”, conclui.

Paula Batista