Dia Mundial da Osteoporose tem ações de conscientização na Rua da Cidadania do Pinheirinho

Atividades encabeçadas pela SBEM-PR e ABRASSO orientam sobre como manter saúde osteomuscular; bioimpedância e avaliação antropométrica, atividade física, avaliação dentária e informações sobre nutrição estarão à disposição dos participantes

No Dia Mundial da Osteoporose, celebrado em 20 de outubro, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – Regional Paraná (SBEM-PR) e a Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (ABRASSO) desenvolvem atividades em Curitiba, para chamar atenção para um problema que afeta 200 milhões de mulheres no mundo. No Brasil, a prevalência da doença é de 33 a 45% em mulheres na pós-menopausa e de 15% em homens. O objetivo da campanha é alertar a população sobre esta doença silenciosa e que pode ser tratada prevenindo muitas complicações.

Em sua nona edição, a campanha de conscientização no Dia Mundial da Osteoporose conta com a participação da Prefeitura Municipal de Curitiba, Secretaria da Saúde do Estado do Paraná, Sesc Paraná e entidades de ensino superior. Além dos especialistas da SBEM-PR e ABRASSO, profissionais de outras áreas vão disseminar informações sobre como manter a saúde osteomuscular.  As atividades acontecem das 9h às 17h, na Rua da Cidadania do Pinheirinho e são gratuitas à população. O público alvo são as pessoas acima de 50 anos.

No local os participantes serão cadastrados e depois terão seus dados vitais e antropométricos com bioimpedância avaliados. A cada estação os participantes vão receber informações sobre nutrição, prática de atividade física, reforçada pelo grupo de prevenção de quedas da Prefeitura Municipal de Curitiba e do Governo do Paraná, além dos cuidados especiais com a polifarmácia, muito comum após a terceira idade.

Estações multidisciplinares

Também estará à disposição a avaliação dentária, considerada essencial para a boa nutrição e manutenção da massa muscular, a testes de equilíbrio e de força muscular, além da avaliação do risco clínico de fratura. Profissionais da SMELJ-Curitiba vão coordenar dois períodos de práticas esportivas, com 30 minutos de duração, demonstrando modalidades disponíveis gratuitamente para a população. “No final, o participante terá acesso a um resumo documentado que servirá para uma futura visita ao seu posto de saúde, seja para a base de dados ou mesmo para uma atitude de intervenção no caso de ser considerado de médio ou alto risco para fratura”, explica a endocrinologista Victoria Borba, vice-presidente da ABRASSO e diretora do Departamento de Metabolismo Ósseo da SBEM.

Doença silenciosa
A osteoporose é um problema silencioso, assintomático, que ocorre quando há um enfraquecimento progressivo da massa óssea. O  principal objetivo da prevenção e do tratamento é evitar fraturas, que ocorrem mais comumente em locais como coluna, punho, braço e quadril. Nos idosos, a osteoporose pode levar a complicações sérias como dores crônicas, dificuldades para locomoção e diminuição da qualidade de vida.

A endocrinologista Gleyne Lopes Kujew Biagini, vice-presidente da SBEM-PR explica que o diagnóstico da osteoporose é realizado na suspeita clínica, em pessoas com fatores de risco ou após uma fratura de baixo impacto – aquela que ocorre com trauma leve ou após uma queda da própria altura. “A osteoporose se caracteriza pela diminuição da massa óssea e alteração da microarquitetura, que piora a qualidade óssea e predispõe a fraturas, que são a marca da doença. Estima-se que no mundo, 1 em cada 2 mulheres com 50 anos terão osteoporose ao longo da vida. Entre os homens essa proporção é de 1 de cada 5”, explica a especialista.

Fatores de risco
Idosos, principalmente mulheres pós-menopausa, são os que mais sofrem de osteoporose. Além da idade avançada, outros fatores de risco são histórico familiar, dieta pobre em cálcio e vitamina D, fumo, álcool, vida sedentária e deficiência hormonal.

A endocrinologista Carolina Aguiar Moreira, que preside o Departamento de Metabolismo Ósseo e Mineral da SBEM, ressalta a importância da prevenção e tratamento da osteoporose, visto que a consequência da fratura reduz a qualidade de vida, aumenta a mortalidade e morbidade.

A osteoporose é também um dos muitos fatores de risco para fraturas, associadas a grande morbidade e mortalidade, o que a torna um problema de saúde pública. Dados americanos mostram que a incidência de fraturas osteoporóticas supera a do infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral e câncer de mama.

FATORES PERMANENTES FATORES MODIFICAVEIS
Idade Tabagismo / etilismo
História familiar Sedentarismo
Insuficiência hormonal Insuficiência de cálcio e vitamina D
AR IMC < 19kg/m2
Sexo Feminino Imobilização
Raça asiática ou caucasiana Nutrição inadequada
Fratura Prévia Quedas frequentes
Uso prolongado de GCT Distúrbios alimentares
Causas Secundárias

Serviço:
Campanha de Conscientização no Dia Mundial da Osteoporose
Data: 
dia 20 de outubro (sexta-feira)
Horário: 
das 9h às 17h
Local: 
Rua da Cidadania do Pinheirinho
Endereço: 
Av. Winston Churchill, 2033 – Pinheirinho (ao lado do Terminal do Pinheirinho), Curitiba (PR)

Doença provoca diminuição da massa óssea e alteração da microarquitetura – Foto: Freepik

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – Regional Paraná | SBEM-PR
E-mail: sbempr@endocrino.org.br
Av. República Argentina, 369, cj. 1101, 11º andar,
Água Verde, Curitiba/PR CEP: 80240-210
Fone: (41) 3343-5338
www.sbempr.org.br|  www.facebook.com/sbemparana