Imunologista do RDO dá dicas de como prevenir a trombose

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares são a principal causa prevenível de morte em todo o mundo, levando a óbito mais de 17 milhões de pessoas por ano. No Brasil, a realidade não é diferente. A Sociedade Brasileira de Cardiologia contabiliza aproximadamente 300 mil óbitos anuais causados por essas enfermidades em território nacional.

Entre os problemas cardiovasculares que mais matam estão o ataque cardíaco, o acidente vascular cerebral (AVC) e o tromboembolismo venoso (TEV). No mundo ocidental, estima-se 840 mil óbitos por ano, ou seja, a cada 37 segundos, uma pessoa morre de tromboembolismo venoso (TEV). Mesmo com os altos índices de mortalidade, grande parte da população desconhece a ameaça oferecida por essas doenças. Fatores como a hereditariedade, obesidade, sedentarismo, idade e vida estressante colaboram fortemente para aumentar os riscos de formação de um coágulo nas veias profundas, principalmente das pernas.

De acordo com o imunologista especializado em reprodução humana e diretor médico do RDO Diagnósticos Médicos, Dr. Ricardo de Oliveira, a obstrução de veias, causada pela formação de um coágulo, é chamada de trombose venosa profunda (TVP). A complicação mais grave da trombose venosa profunda é o tromboembolismo venoso (TEV) e, ainda mais perigoso, é a embolia pulmonar, que ocorre quando o trombo se desprende do vaso sanguíneo e se aloja no pulmão, bloqueando o fluxo sanguíneo.

“Muitas vezes, este problema é fatal, e o tratamento mais comum é feito com os fármacos anticoagulantes, que detêm tanto a formação de trombos nos vasos sanguíneos como o crescimento dos já existentes, mas não podem dissolver os já formados”, esclarece Dr. Ricardo de Oliveira.

Prevenção: várias precauções podem ser tomadas. Meias elásticas de compressão melhoram a circulação sanguínea nas pessoas que precisam ficar deitadas por longos períodos ou ficam sentadas por muitas horas durante um voo de longa distância.

Nessas situações, sempre que possível, procure se movimentar e dar uma caminhada. Se o problema for o repouso em decorrência de doença ou cirurgia conte com a ajuda de alguém, como um enfermeiro ou fisioterapeuta, para que as pernas sejam postas em movimento, o que impede que o sangue se acumule.

Como se formam os coágulos: quando o sangue coagula, isso é normalmente uma grande vantagem para o nosso corpo. Em caso de lesão, por exemplo, a coagulação garante que as feridas cicatrizarão. Mas, em determinadas condições, esse processo de coagulação sanguínea, normalmente protetor, ocorre quando não é necessário. “Trombose é esta coagulação indesejada. Os coágulos de sangue (trombos) que se formam, não apenas ameaçam obstruir as veias e artérias no local em que se formam. Na pior das hipóteses, eles podem se desprender da parede do vaso e ser transportados pela corrente sanguínea para outros órgãos vitais, nos quais podem causar embolismos perigosos, que é o entupimento total ou parcial do vaso”, alerta Dr. Ricardo.

O quadro mais comum é o dos coágulos que se formam nas grandes veias das pernas e são transportados pela corrente sanguínea, parando nos pulmões, por exemplo. Estima-se que 6,5 milhões de pessoas morram a cada ano em todo o mundo em virtude das consequências destes embolismos. “Fatores como obesidade e tabagismo também predispõem a riscos maiores”, pondera.

Trombofilia e gestação: considerada um problema grave de saúde, a trombofilia deve ser tratada o quanto antes. Sem tratamento, as consequências podem incluir a morte da mãe e do bebê. “O acompanhamento ginecológico é uma das formas mais eficazes de prevenção. Se a mulher já apresentou abortos em gestações anteriores, assim como deslocamento da placenta, deve se submeter à exames laboratoriais para detectar o problema”, esclarece o imunologista.

Durante a gravidez, o problema costuma ser assintomático, dificultando o diagnóstico. Geralmente, as gestantes que apresentam a propensão à trombose já possuem histórico familiar. “Os abortos espontâneos são uma consequência bastante séria e que, muitas vezes, não pode ser prevista sem exames específicos. As análises sanguíneas de rotina são insuficientes para o diagnóstico”, explica.

Dicas para evitar a trombose:

Pratique exercícios físicos regularmente;

Evite o tabagismo;

Evite o consumo de álcool (associado ao tabagismo e ao uso de anticoncepcional).

Mantenha uma dieta equilibrada;

Procure manter o peso.

Sobre o RDO Diagnósticos Médicos: Trata-se de um moderno centro de diagnósticos, que oferece atendimento totalmente personalizado e individualizado. Entre suas especialidades, o RDO realiza exames nas áreas de medicina laboratorial, incluindo imunologia, genética, medicina fetal, endoscopia digestiva, histeroscopia e medicina ultrassonográfica.

O diferencial do RDO Diagnósticos Médicos é a investigação dos aspectos imunológicos da infertilidade em reprodução humana, principalmente os casos de perdas gestacionais repetidas, abortos recorrentes, falhas de implantação embrionária em ciclos de fertilização assistida (FIV/ICSI), infertilidade sem causa aparente (ISCA), nova área da medicina reprodutiva que contribui para o auxílio casais que desejam ter filhos.

Ricardo de Oliveira, diretor e fundador do RDO, é médico pela Faculdade de Ciências Medicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, uniu sua experiência de mais de 40 anos em medicina Laboratorial a uma equipe seleta de profissionais titulados em altos níveis de suas especialidades, para oferecer o que há de melhor e mais moderno em medicina diagnóstica.

Foi fundador, diretor e vice-presidente executivo de pesquisa e desenvolvimento da Hemagen Diagnostics, INC,9033 Red Branch Rd, Columbia, MD 21045, EUA, entre 1985-2000.

Atuou como diretor nos laboratórios e como professor convidado na Boston University School of Medicine, MA 02215, EUA (1984-1985); Professor da Faculdade de Medicina da Universidade São Paulo; Diretor dos Laboratórios Centrais do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade S. Paulo e Hospital do Câncer (A. C. Camargo), São Paulo. Tem mais de 100 trabalhos científicos e 500 “Abstracts” publicados.

rita@targetsp.com.br