Plataforma colaborativa é opção de negócio para trade de esportes radicais

Aplicativo foi lançado em Dublin e em três meses já havia mais 30 guias cadastradas e usuários em dez países

É crescente o número de praticantes de trekking, montanhismo, escalada e atividades outdoor em todo o mundo. Somente nos Estados Unidos são mais de 140 milhões adeptos. Em 2012, gastaram cerca de 650 bilhões de dólares em roupas e acessórios para a prática esportiva. E na ausência de maneiras de registrar as trilhas percorridas, a Action Labs criou o ClimbStreets:  uma plataforma colaborativa de geolocalização para praticantes desses esportes. A primeira versão foi lançada em Dublin em 2014, mas passou por adaptações e agora é opção de negócio para o trade desses segmentos.

Felipe de Alvarenga Leite, diretor de Tecnologia da Action Labs, explica como funciona: “Basta o usuário apontar a câmera do celular para a trilha ou para a montanha para ver o caminho na tela em realidade aumentada. Assim, qualquer usuário pode registrar suas próprias trilhas e compartilhar com os amigos”, explica Felipe.

Paulo Renato Oliveira, diretor criativo da Action Labs, destaca o lançamento internacional. “O convite para participar do WebSummit 2014, em Dublin, surgiu pelo fato de termos unido tecnologia a esportes outdoor. O formato do projeto atrai muito a atenção desde o início. Em três meses após o lançamento já contávamos com mais de 30 guias cadastradas e usuários em dez países. Hoje já são centenas de vias cadastradas”, conta Paulo.

O diretor analisa que o fator colaborativo é muito importante. “A gente não precisa produzir conteúdo, mapear lugares no mundo inteiro. As pessoas podem mapear seus lugares e transformar em oportunidades de negócio com a plataforma. É possível mapear trilhas ou pontos de escalada e vender serviços. Neste caso, a plataforma fica com percentual. E oferecer tudo o que está em torno das trilhas, como hospedagem, serviços de guia, equipamentos para locação, entre outros”, destaca o diretor.

Sobre a Action Labs

A Startup paranaense está há um ano e meio no mercado e tem no portfólio mais de 30 projetos. A empresa trouxe ao Brasil uma novidade que tem conquistado empresas de portes e segmentos variados: o PoC Design, uma metodologia para a execução de provas de conceito. O objetivo é testar projetos e avaliar não apenas a viabilidade técnica, mas principalmente se os usuários desejam a solução e se estão dispostos a pagar por ela, antes de colocá-la no mercado. A metodologia viabiliza a inovação no dia a dia da empresa, com agilidade e aumento das chances de sucesso.