Tricotilomania: conheça a compulsão por puxar cabelos e pelos do corpo

Provavelmente todo mundo já puxou um ou outro fio de cabelo por algum motivo, como por exemplo, os cabelos brancos ou aqueles que insistem em ficar em pé e desarrumados. Porém, o excesso do hábito pode causar um transtorno chamado tricotilomania. Trata-se de um comportamento compulsivo que faz pessoas arrancarem pelos do corpo, como cabelos, sobrancelhas, cílios e barba, de forma involuntária e, diariamente, às vezes durante horas.

Segundo Sarah Lopes, psicóloga do Hapvida Saúde, a atitude se manifesta quando o indivíduo está sob pressão, preocupado ou distraído, ao assistir à televisão, ler um livro ou usar o celular.  “Geralmente, são pessoas com grande senso de cobrança, forte ansiedade e sensação de incapacidade. Por este motivo, é importante evitar situações de estresse e distração”, afirma a especialista.

A prática pode ocasionar graves problemas, como pontos de calvície precoce, quando os fios são arrancados em apenas uma região do couro cabeludo e, também, a diminuição dos pelos. Portanto, a busca por um profissional e o tratamento para a falta de controle dos impulsos são necessários. O primeiro passo é reconhecer e aceitar que precisa de ajuda; o segundo, é buscar um profissional especializado que poderá fornecer o diagnóstico e iniciar um tratamento.

O tratamento pode variar de acordo com o grau do distúrbio. Logo, é recomendável se tratar com um psiquiatra e/ou psicólogo e, nos quadros mais agudos, o especialista pode dar início a uma terapia medicamentosa. “Durante o tratamento, é recomendável o uso de lenços, bandanas ou turbantes para prevenção do comportamento que se torna automático”, alerta a profissional.

 

Sobre o Hapvida – Com 3,8 milhões de beneficiários, o Hapvida hoje se posiciona como a maior operadora de saúde do Norte e Nordeste. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente, são mais de 16 mil colaboradores diretos envolvidos na operação de 24 hospitais, 74 clínicas médicas, 19 unidades de prontos atendimentos, 66 unidades de diagnóstico por imagem e 58 postos de coleta laboratorial distribuídos em 11 estados onde a operadora atua com rede própria.

andreia.costa@cdn.com.br