Osteopatia é alternativa para cirurgia de hérnia de disco

É difícil conviver com dores pelo corpo ainda mais quando se trata de dores nas costas, considerando que nossa coluna é a sustentação para todo o corpo e nos ajuda em movimentos diversos. Muitos problemas estão associados às dores na coluna e, um dos mais comuns, são as hérnias de disco. Mais de cinco milhões de brasileiros sofrem com essa doença, segundo o IBGE, e ela ainda gera diversas dúvidas quanto ao diagnóstico.

É uma doença crônica, muito comum em pessoas acima de 40 anos e alguns dos fatores que contribuem para o desenvolvimento da doença são: postura errada, falta de exercícios físicos, excesso de peso e até a alimentação inadequada. Porém, a boa notícia é que a grande maioria dos casos pode ser resolvida sem a necessidade de um procedimento cirúrgico.

A coluna vertebral é composta de vértebras e discos intervertebrais – que tem como função amortecer o impacto entre essas vértebras. A hérnia de disco ocorre quando este disco cartilaginoso e elástico se rompe, gerando uma inflamação que compromete as estruturas no canal vertebral (vasos e nervos). As Hérnias de disco lombares são as mais comuns e podem ser divididas em diferentes locais. Normalmente, existe um comprometimento do nervo ciático, o que gera sintomas de dor e formigamento nas pernas e nos pés.

Uma forma eficaz de tratamento é a Osteopatia. A técnica, aplicada pelo fisioterapeuta osteopata, busca organizar toda a coluna e identificar os locais que não estão realizando suas funções adequadas no corpo. Os problemas podem ocorrer por diversos motivos, como cicatrizes, problemas nas vísceras e até nos pés. Equilibrando essas disfunções, muitas vezes é possível interromper a sobrecarga no local da dor – ou seja, a dor da hérnia de disco já será atenuada pelo reequilíbrio de outras áreas que estão sendo afetadas e causando  sofrimento do corpo. Além disso, é possível realizar manobras diretamente no local da hérnia resultando na diminuição ou no fim dos sintomas.

Para identificar o tratamento mais adequado é preciso avaliar o tamanho da hérnia, seu posicionamento e como o corpo do paciente reage aos testes específicos, desta forma temos maiores chances de sucesso no tratamento. O diagnóstico osteopático busca os locais que estão gerando a sobrecarga naquele disco, possibilitando a capacidade do corpo de se auto curar, enquanto a maioria dos tratamentos para hérnia discal foca somente nos sintomas locais na coluna e o paciente continua com as dores constantes.

*Doutor Leandro Reche é fisioterapeuta graduado pela Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Osteopata, formado em Posturologie pela Collège International d’Étude de la Statique (CIES). É pós-graduado em Terapia Manual e Técnicas Osteopáticas pela UENP e Professor e Coordenador da Escuela de Osteopatía de Madrid Brasil em Araçatuba, São Paulo.

 

Sobre a EOM

A Escuela de Osteopatía de Madrid (EOM) é um grupo espanhol, com sede em Madrid. Está presente em 22 países, com 80 unidades e só no Brasil conta com 20 unidades e sede em Campinas, oferecendo capacitação e especialização em osteopatia para fisioterapeutas graduados, com duração de cinco anos e aulas teóricas, práticas e 500 horas de práticas clínicas supervisionadas.  Outras Informações: http://www.osteopatiamadrid.com.br

juliano.amorim@alfapress.com.br