Orquestra Filarmônica Jovem de Israel se apresenta em Curitiba

Orquestra Filarmônica Jovem de Israel, da Escola de Música Buchmann-Mehta da Universidade de Tel Aviv, desembarca em Curitiba para uma apresentação na terça-feira, 14 de novembro, sob regência de Eyal Ein-Habar e tendo como solista o violonista Guy Braunstein. O concerto, que integra as comemorações dos 45 anos do Grupo Positivo, tem no programa duas obras de Johannes Brahms: a Sinfonia nº 3 e o Concerto para violino.

Reconhecidamente de altíssimo nível, a Orquestra Filarmônica Jovem de Israel traz “o selo de aprovação” da Orquestra Filarmônica de Israel, aclamada como uma das melhores do mundo. A apresentação conta com cinco músicos brasileiros que estudam atualmente na Escola de Música Buchmann-Mehta. Os ingressos estão à venda nowww.diskingressos.com.br.

 

SERVIÇO

Orquestra Filarmônica Jovem de Israel

Escola de Música Buchmann-Mehta da Universidade de Tel Aviv

Guy Braunstein violino

Eyal Ein-Habar regência

Programa

Johannes Brahms (1833-1897)

Sinfonia nº 3 em fá maior, Op. 90

Concerto para violino em ré maior, Op. 77

Solista: Guy Braunstein

Terça-feira, 14 de Novembro, 20h30

Teatro Positivo – Grande Auditório (R. Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza 5.300)

Ingressos: www.diskingressos.com.br

 

Mais informações:

GUY BRAUNSTEIN

O violinista Guy Braunstein nasceu em Tel Aviv, onde estudou com Chaim Taub. Prosseguiu seus estudos emNova York, com Glenn Dicterow e Pinchas Zuckerman. Tendo começado carreira internacional muito jovem, como solista e músico de câmara, Braunstein já se apresentou com as mais importantes orquestras e maestros do mundo – entre elas, Filarmônica de Israel, Tonhalle de Zurique, Sinfônica de Bamberg, Orquestra da Rádio deFrankfurt, Filarmônica do La Scala e Filarmônica de Berlim.

Seus trabalhos em música de câmara incluem projetos com músicos como Isaac Stern, András Schiff, Zubin Mehta, Maurizio Pollini, Yefim Bronfman, Daniel Barenboim, Simon Rattle, Mitsuko Uchida, Lang Lang, Emmanuel Ax e Angelika Kirschlager. Braunstein foi o mais jovem violinista a ser indicado como spalla da Filarmônica deBerlim, em 2000. Ele ocupou a posição até o término da temporada 2012-13, quando passou a se dedicar à carreira solo. Braunstein se apresenta com um violino feito em 1679 pelo luthier Francesco Ruggieri.

 

EYAL EIN-HABAR

O israelense Eyal Ein-Habar, maestro e flautista, é primeira flauta da Orquestra Filarmônica de Israel desde 1997. Dirige o departamento de instrumentos de sopro da Escola de Música Buchmann-Mehta da Universidade de Tel Aviv, sendo também professor de flauta da instituição. Vencedor de vários concurso internacionais de flauta, atua regularmente como solista de flauta e como maestro junto às principais orquestras israelenses, bem como a várias orquestras de todo o mundo – entre elas a própria Filarmônica de Israel. E participa regularmente de festivais demúsica de câmara em Israel, Europa, Américas do Norte e do Sul e Canadá.

Seus mais recentes compromissos internacionais como solista e-ou como maestros incluem a Sinfônica da Universidade de Concepção (Chile), a Orquestra Juvenil RIAS (Berlim), a Camerata Nórdica (Suécia), a Filarmônica Kaliska (Polônia) e a Sinfônica Nacional de Colômbia. Eyal Ein-Habar tem diversos discos gravados, com o Israel Woodwind Quintet, o Israel Flute Ensemble e outros grupos de câmara. Seu CD mais recente é “Mendelssohn and Farrenc Trios”, ele à flauta junto a Adi Tal, cello, e Lahav Shani, piano.

 

ORQUESTRA FILARMÔNICA JOVEM DE ISRAEL

Orquestra Filarmônica Jovem de Israel, da Escola de Música Buchmann-Mehta da Universidade de Tel Aviv, é a orquestra que prepara músicos para a Orquestra Filarmônica de Israel, oferecendo a eles um abrangente programa de treinamento orquestral. Nesse programa, os estudantes trabalham junto aos principais instrumentistas da Orquestra Filarmônica de Israel e integram a orquestra em grandes concertos pelo mundo, como parte do programa de estágio. Master classes com maestros convidados e solistas da proporcionam aos estudantes um enriquecimento profissional do mais alto nível artístico.

orquestra dispõe de um programa de Bolsas de Estudos para jovens talentosos carentes do mundo todo – vários brasileiros já foram agraciados. O diretor do programa de treinamento orquestral é o maestro Eyal Ein-Habar. Entre os músicos que têm colaborado com a Orquestra Filarmônica Jovem de Israel estão os maestros Zubin Mehta, Christoph von Dohnányi, Gustavo Dudamel e Kurt Masur e os solistas Yo-Yo Ma, Itzhak Perlman, Maxim Vengerov, Julian Rachlin, Mischa Maisky, Menachem Pressler e Yefim Bronfman.

Orquestra Filarmônica Jovem de Israel mantém séries de concertos na Universidade de Tel Aviv e se apresentaanualmente sob a batuta do maestro Zubin Mehta no Mann Auditorium em Tel Aviv. Turnês recentes incluíram apresentações no Auditório Nacional de Música em Madri, na Konzerthaus em Berlim e na Tonhalle em Zurique. Em Janeiro de 2008, a Orquestra apresentou-se na Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, sob regência de Zubin Mehta, em concerto comemorativo do Dia Internacional em Memória do Holocausto. EmDezembro de 2010 a Orquestra apresentou-se na Tonhalle em Zurique, novamente sob a batuta do maestro Mehta.

Em 2011, a Orquestra Jovem realizou uma turnê no Brasil, passando por cidades de São Paulo (São Paulo, Paulínia, Araraquara, São Carlos e Ribeirão Preto), Minas Gerais (Poços de Caldas) e Rio de Janeiro (Rio deJaneiro).

 

Sobre o Grupo Positivo

O Positivo nasceu há 45 anos, a partir da ideia um grupo de professores visionários que criaram um curso pré-vestibular inovador. Hoje, a marca Positivo consolidou sua liderança em todas as áreas em que atua (Ensino, Soluções Educacionais, Cultura, Tecnologia e Gráfica), graças à qualidade de seus serviços e produtos. Na área de Ensino, o Grupo atua desde a Educação Infantil até o Ensino Superior – Graduação (Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia), Especialização, Mestrado e Doutorado. Mais de 2 milhões dealunos utilizam os sistemas de ensino da Editora Positivo, em escolas públicas e particulares, no Brasil e no Japão. Escolas de mais de 40 países utilizam soluções desenvolvidas pela divisão de Tecnologia Educacional da Positivo Tecnologia, a maior fabricante brasileira de computadores. A Posigraf, uma das maiores gráficas da América Latina, tem filiais e representações em todo o Brasil e atende clientes no exterior. Na área cultural, conta com seis espaços destinados a eventos e exposições (Expo Renault Barigui, Teatro Positivo – Pequeno Auditório, Teatro Positivo – Grande Auditório, Expo Unimed Curitiba, Estação Eventos e Espaço Thá). O Grupo Positivo conta ainda com o Instituto Positivo, com foco em centralizar e potencializar as ações de responsabilidade social e investimento social privado das suas empresas e unidades educacionais.