Pesquisa da SBOC aponta que brasileiro ainda não adota comportamento preventivo em relação ao câncer de próstata

Apesar de campanhas massivas de informação como a celebração do Novembro Azul, o brasileiro ainda não adota ações efetivas de combate ao câncer de próstata. Esta é a uma das conclusões identificadas na primeira pesquisa proprietária da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), o “Panorama sobre Conhecimento, Hábitos e Estilo de Vida dos Brasileiros em relação ao Câncer”, na qual foram ouvidas mais de 1,5 mil pessoas, sendo 723 entrevistados do sexo masculino.

De acordo com a pesquisa, o câncer de próstata é a variedade da doença que tem maior incidência na população masculina – um a cada 4 homens (24%) já foi ou conhece alguém que foi diagnosticado. Por conta do grande contato e pelas diversas campanhas de prevenção, 67% sabem que deveriam fazer exames de próstata e 42%, que deveriam passar por exames de PSA. No entanto, na hora de colocar na prática essa atitude preventiva, os números despencam. Apenas 22% dos brasileiros fazem exame de próstata e 20% de PSA. “Este é um dado bastante preocupante, em especial, porque as taxas de conversão, ou seja número de brasileiros que sabe que deveria fazer exames e não os faz, é extremamente alta”, afirma o Dr. Volney Soares, oncologista clínico e Diretor da SBOC.

Entre os estados com melhores índices de informação a respeito da necessidade de se fazer exames de próstata, apresentam as melhores notas os estados do Acre (93%), Distrito Federal (86%) e Paraná (82%). No contraponto, Mato Grosso (33%), Rondônia (40%) e Maranhão (47%) registraram os piores índices.

Já no caso do PSA, paraibanos e alagoanos demonstraram os melhores níveis de reconhecimento (empatados com 57%), enquanto dois estados do Centro-Oeste brasileiro tiveram os piores índices: Mato Grosso, com apenas 7% de reconhecimento da necessidade de fazer este tipo de exame, e Mato Grosso do Sul (21%).

Além de os dados referentes à prevenção do câncer de próstata não serem positivos, o estudo mostrou uma situação ainda mais preocupante em relação à saúde do homem. “De modo geral, foi possível perceber que o homem brasileiro hoje só se preocupa minimamente com a próstata e não tem nenhuma iniciativa preventiva em relação a outros tipos de câncer de alta incidência, como pulmão, ânus e estômago”, afirma Soares.

SOBRE A SBOC – SOCIEDADE BRASILEIRA DE ONCOLOGIA CLÍNICA

A Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) é a entidade nacional que representa mais de 1,4 mil especialistas em oncologia clínica distribuídos pelos 26 Estados brasileiros e o Distrito Federal. Fundada em 1981, a SBOC tem como objetivo fortalecer a prática médica da Oncologia Clínica no Brasil, de modo a contribuir afirmativamente para a saúde da população brasileira. Desde novembro de 2017, é presidida pelo médico oncologista Sérgio Simon, eleito para o biênio 2017/2019. 

Copyright © 2003 Daniel J. Edelman, Inc. All rights reserved. All information contained in this e-mail (including any attachments hereto) is confidential and proprietary to Daniel J. Edelman, Inc (“Edelman”).

By reading this e-mail, you are agreeing that you will not copy, disclose or use this e-mail or any of the ideas, concepts or information contained herein without Edelman’s prior written permission.

Copyright © 2003 Daniel J. Edelman, Inc. Todos os direitos reservados. Todas as informações contidas neste e-mail (incluindo anexos) são confidenciais e de propriedade da Daniel J. Edelman, Inc (“Edelman”). 

Ao ler este e-mail, você está concordando em não copiar nem usar qualquer uma das idéias, conceitos ou informações contidas nele sem autorização prévia e por escrito da Edelman.

guilherme.scarabelin@zenogroup.com