Programa de colaboração entre municípios ajuda a melhorar desempenho de estudantes em escolas públicas

Série de encontros reúne 300 educadores e gestores municipais catarinenses para debater as razões que impedem o aluno de aprender

 

Medidas que visam à melhoria da educação pública, na maior parte das vezes, só começam a surtir efeito a médio e longo prazo. O importante é estabelecer um ponto de partida e garantir a continuidade de práticas e programas que garantam os avanços tão esperados pela sociedade. A colaboração foi a maneira encontrada por municípios da região da Grande Florianópolis (SC) para percorrer esse caminho. A Associação dos Municípios da Região da Grande Florianópolis (GRANFPOLIS) e o Instituto Positivo desenvolvem, desde 2015, o programa Arranjos de Desenvolvimento da Educação (ADE). Com planejamento coletivo e apoio mútuo, as redes de ensino municipais de pequenas cidades catarinenses já estão começando a sentir os primeiros reflexos positivos desse trabalho. Vinte e duas cidades participam do programa, buscando melhorar o ensino público de 83 mil crianças e adolescentes.

O ADE favorece a ação coletiva entre gestores municipais de educação, permitindo planejamento integrado com atuação alongo prazo, independente da duração de cada governo. Entre as metas instituídas pelo programa catarinense está corrigir o fluxo de alunos com distorção entre a faixa etária e a série que frequentam. O objetivo é reduzir a média geral dessa distorção de 12,3% para 8% até o fim deste ano. Para isso, as soluções educacionais Se Liga e Acelera Brasil, desenvolvidas pelo Instituto Ayrton Senna, um dos parceiros do programa, estão sendo aplicadas em diversos municípios. Trabalhando aautoestima e a confiança dos alunos, professores, que foram previamente capacitados para participar do projeto, alfabetizam e ensinam de forma dinâmica e atrativa para que os estudantes em situação de distorção idade/ano avancem no aprendizado.

Na Escola Básica Doutor Ivo Silveira, no município de Paulo Lopes, todos os dias, das 8h às 12h, 11 alunos recebem atenção especial. Depois de concluir a formação oferecida pelo programaa professora Carine Pereira Borges começou a trabalhar com esses alunos, que possuem uma rotina diferenciada: os estudantes são acolhidos com mensagens de incentivo diariamente, contam sobre os livros que levaram para casa, corrigem juntos as atividades, participam de atividade lúdicas e se reúnem em círculo para uma roda de conversa. A professora comemora o progresso da turma. “Eles começaram o ano letivo conhecendo somente as letras do alfabeto e dez deles já avançaram bastante na alfabetização, conseguindo, em tão pouco tempo, ler silabicamente”, conta Carine. O progresso dos alunos anima os gestores municipais. “Neste ano, conseguimos adaptar uma única turma ao Se Liga, por falta de espaço para acolher mais alunos. Para os próximos anos, queremos aderir ao Acelera Brasil e aumentar a turma do Se Liga. Ambos são extremamente necessários, tendo em vista que 42 alunos da nossa rede de ensino estão em situação de distorção idade/ano”, afirma Vanessa Pereira, Secretária de Educação do município de Paulo Lopes.

A GRANFPOLIS e o Instituto Positivo vêm realizando uma série de encontros para formação de coordenadores pedagógicos e professores das escolas envolvidas no programa, além de gestores municipais de educação. O objetivo: debater e refletir sobre as razões que impedem o aluno de aprender. O foco de análise foram os indicadores dos municípios participantes obtidos a partir da Prova Brasil, que avalia as habilidades desenvolvidas ao final dos ciclos de educação – 5º e 9º anos do Ensino Fundamental. Os encontros, realizados em 4 municípios catarinenses, reuniram 300 pessoas. A coordenadora deresponsabilidade social do Instituto Positivo, Cristiane Fonseca, garante que estes foram os primeiros encontros de uma série que virão. “O objetivo foi começarmos a refletir juntos. Uma das metas do programa visa compreender o fenômeno da não aprendizagem, com as atenções voltadas para Matemática e Língua Portuguesa”, afirma. Tudo o que foi discutido nos encontros será agora compartilhado com toda a rede de ensino dos municípios que participam do ADE, o que reforça ainda mais o conceito do programaa colaboração como ferramenta chave para as transformações que a sociedade espera nessa área.


Sobre o Instituto Positivo

O Instituto Positivo (IP) foi criado em 2012 e atua como gestor do Investimento Social Privado do Positivo. A principal vocação do Instituto – a Educação – comunga com a do Grupo como um todo. Assim, desde 2015, o IP passou a instituir como prioridade de ação o fortalecimento e a melhoria da educação básica brasileira. Para atingir seus propósitos, o Instituto Positivo se beneficia das competências adquiridas pela longa trajetória do Grupo Positivo, como a extensa e qualificada rede de parceiros. Os relatórios de sustentabilidade do Grupo Positivo, que mostram a estratégia de gestão dos temas mais relevantes em que a instituição atua, podem ser visualizados no site positivo.com.br/instituto/sustentabilidade.