Saúde Já Curitiba atende fila de “cegueira da diabetes”

A Prefeitura de Curitiba, em parceria com a Oftalmo Curitiba, promoveu, neste sábado (11), o evento Retina do Bem, na unidade de saúde Ouvidor Pardinho. A ação é parte da estratégia Saúde Já da Prefeitura para reduzir as filas de especialidades médicas. Cerca de 4,6 mil pacientes portadores de diabetes do SUS, que estavam previamente cadastrados também na fila da oftalmologia, foram chamados e aproximadamente 3,5 mil compareceram.

O objetivo da Retina do Bem é evitar uma das principais complicações entre os portadores de diabetes e que pode levar à cegueira: a retinopatia diabética. O evento ocorreu neste sábado, em alusão ao Dia Mundial da Diabetes, celebrado no dia 14/11. “Está em festa o posto de saúde Ouvidor Pardinho por iniciativa do Retina do Bem. É coisa boa enxergar. Ninguém merece ficar cego, quando a diabetes ataca”, afirmou o prefeito Rafael Greca.

Roger Alcântara Carvalho, 27 anos, tem diabetes desde que tinha dois anos de idade. Durante toda a sua vida, precisou de cuidado redobrado com a visão. Depois de realizar dois lasers pela rede particular, precisava passar por um terceiro laser, para só então fazer uma cirurgia. O custo seria de R$ 15 mil.

“Fiquei desesperada com o orçamento”, conta Rosemeri Alcântara Carvalho, 51 anos, mãe de Roger. Na manhã deste sábado, Roger realizou durante o mutirão todos os exames necessários e também o terceiro laser que precisava. Saiu da Ouvidor Pardinho com o encaminhamento para a consulta e posterior realização da cirurgia. “Estão fazendo um excelente trabalho aqui”, disse.

O projeto Retina do Bem é inédito e todos os exames e consultas programadas para este sábado (11) foram gratuitos, inclusive sem custos para o Sistema Único de Saúde (SUS). Para a ação, uma estrutura foi montada na Praça Ouvidor Pardinho, com equipe de 40 oftalmologistas de plantão e outros 200 voluntários.

“Essa ação é uma resposta à comunidade dos nossos compromissos assumidos de zerar filas”, afirma a secretária municipal da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak. “A ideia é evitar a cegueira decorrente da diabetes. Estamos evitando que as pessoas fiquem cegas”, afirma o coordenador da ação e sócio-proprietário da Oftalmo Curitiba, o oftalmologista João Guilherme Oliveira de Moraes.

A costureira Rachel Ferigotti, 73 anos, que participou da ação, saiu feliz. Os exames mostraram que os olhos dela não apresentam problema. “Sou diabética há 30 anos. Como sou costureira, preciso ter a visão boa. Desde fevereiro estava aguardando para fazer a avaliação”, contou.

Funcionamento

Pacientes portadores de diabetes do SUS, previamente cadastrados na fila da Oftalmologia, foram convocados para participar da ação. Eles receberam a guia de agendamento, por meio da sua unidade de saúde, com o horário de atendimento.

Durante o evento, os pacientes foram avaliados e, se necessário, realizaram exame de mapeamento de retina e retinografia digital, que podem diagnosticar a retinopatia diabética. Já os pacientes diagnosticados com a doença passaram por a fotocoagulação a laser, tratamento que cauteriza os cóagulos na retina. Já as pessoas com quadros mais graves da doença foram encaminhadas ao serviço cirúrgico, dando seguimento ao tratamento após as medidas iniciais. Quem foi espontaneamente ao evento também recebeu orientações sobre diabetes.