Mobilização pelo controle da obesidade na infância movimenta Ministério da Saúde

Em Brasília, o dia de ontem foi de mobilização para um problema de saúde pública e que vem começando cada vez mais cedo: a obesidade. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, recebeu representantes da Frente Parlamentar Mista do Combate e Prevenção à Obesidade Infanto-juvenil, liderada pelo deputado Evandro Rogério Roman. A reunião contou com presença de presidentes de CREF’s do Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás e do Distrito Federal e também apresentação do projeto de Combate a Obesidade Infantil no Estado do Paraná.

“A obesidade é um problema que vem crescendo de maneira assustadora. Esse é um problema que requer uma atenção muito grande dos governos e da sociedade”, afirmou presidente do CREF9/PR, Antonio Eduardo Branco, que seguiu para a capital do Distrito Federal em companhia de outros Conselheiros. Ele citou o trabalho que vem sendo realizado no Paraná, que pode servir de exemplo para outros estados.

O Brasil assumiu o compromisso de deter o crescimento da obesidade na população até 2019, por meio de políticas intersetoriais de saúde e segurança alimentar e nutricional. No Paraná, um programa lançado em 2013 pela Secretaria do Esporte, que na época era coordenada por Evandro Rogério Roman, vem trabalhando a prevenção e controle do sobrepeso de estudantes e seus familiares. A iniciativa também conta com a participação das secretarias da Educação, Saúde, Família e Desenvolvimento Social, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

A obesidade é uma doença crônica, que está associada às doenças cardiovasculares, pressão alta, hipercolesterolemia, diabetes tipo II, alterações no metabolismo, entre outras. A preocupação é ainda maior na infância, cuja evolução deve ser rigorosamente controlada, seja pela previsão da ocorrência de doenças crônicas precocemente e pelo grande número de pessoas que estarão incapacitadas para o trabalho antes da aposentadoria.

Realizada em 2006, a Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde apontou que 40,5% das crianças menores de 5 anos consumiam refrigerante frequentemente. Dados da Pesquisa Nacional de Saúde, realizada em 2013, revelaram algo que é fácil de notar nos lares brasileiros: 60,8% das crianças menores de 2 anos comem biscoitos ou bolachas recheadas. O resultado dessa ingestão de alimentos ultraprocessados é que uma em cada três crianças brasileiras estão acima do peso, segundo Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF 2008-2009), do IBGE.

Brasil tem compromisso de deter o crescimento da obesidade até 2019 - Foto: Divulgação

SERVIÇO
Conselho Regional de Educação Física da 9ª Região Estado do Paraná | CREF9/PR
E-mail: crefpr@crefpr.org.br
Rua Amintas de Barros, 581, Centro - Curitiba
Fone: (41) 3363-8388
www.crefpr.org.br | www.facebook.com/cref9pr

Talvez você se interesse por estes artigos

Considerados como membros da família, os pets têm ocupado um espaço cada vez maior nas casas, com mais proximidade e compartilhamento de tempo. A mudança...
Neste Novembro Azul, a Sociedade Brasileira de Mastologia alerta que os homens também podem ser acometidos pelo câncer de mama. Apesar de a doença atingir,...
Fechar Menu