Uso de solução concentrada de iodo pode bloquear a tireoide

“Estão afirmando nas mídias sociais que temos insuficiência de iodo, sendo recomendado a ingestão do lugol, numa dose de até 9 gotas por dia. E queremos esclarecer que não há estudos que demonstrem que o lugol tenha propriedade de tratamento para câncer, antitumoral, contra fibrose cística e infecções ou qualquer ouro tipo de patologia. O iodo só é importante para nosso organismo para abastecer a tireoide como uma matéria-prima, para que sejam produzidos os hormônios da tireoide”, afirma o Dr. José Augusto Sgarbi, endocrinologista e presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP).

O lugol é uma solução concentrada de iodeto de potássio que tem mais de 6 miligramas de iodo por gota. Entretanto, a quantidade diária necessária para o organismo humano é de apenas 100 a 250 microgramas.

Por que precisamos de iodo?

O iodo é um micronutriente muito importante para formação de hormônios da tireoide e, assim, essencial ao nosso organismo. A ingestão do iodo ocorre através da alimentação, porém, como o solo e os alimentos são pobres em iodo, o sal de cozinha é enriquecido com o nutriente para que possamos ter a ingestão adequada às necessidades do nosso organismo para a produção dos hormônios da tireoide. O Ministério da Saúde do Brasil monitora essa quantidade de iodo no sal.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a ingestão adequada de iodo em crianças acima de 6 anos e adultos varia de 100 microgramas a 150 microgramas por dia e, durante a gestação, de 150 a 250 microgramas diariamente. “Essa quantidade ideal pode ser encontrada numa refeição padrão brasileira”, explica Dr. Sgarbi

O médico também ressalta a importância de cada gestante conversar com seu médico, pois, durante a gestação, as necessidades de iodo aumentam em 50% por causa  do aumento da produção de hormônios tireoidianos pela mãe afim de suprir o feto de hormônios tireoidianos, fundamentais para o desenvolvimento neurológico da criança. A deficiência de iodo materna ou fetal pode levar à redução de oferta de hormônios tireoidianos nas primeiras 12 semanas da gestação, o que pode causar prejuízos irreversíveis ao desenvolvimento cerebral, com perda cognitiva, redução do QI e até retardo mental. “Masmesmo que haja necessidade de reposição, ela não deve ser feita com o lugol, pois essa solução tem concentração excessiva de iodo para o ser humano. Existem vitaminas específicas para uso na gestação com a quantidade de iodo adequada”.

Quando há a ingestão excessiva de iodo, ocorre um bloqueio da tireoide e seus mecanismos reguladores, e a produção dos hormônios tireoidianos é interrompida.

“O uso do lugol conforme tem sido espalhado nas redes sociais não deve ser feito de forma alguma”, finaliza o endocrinologista.

 

Sobre a SBEM-SP

A SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo) pratica a defesa da Endocrinologia, em conjunto com outras entidades médicas, e oferece aos seus associados oportunidades de aprimoramento técnico e científico. Consciente de sua responsabilidade social, a SBEM-SP presta consultoria junto à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, no desenvolvimento de estratégias de atendimento e na padronização de procedimentos em Endocrinologia, e divulga ao público orientações básicas sobre as principais moléstias tratadas pelos endocrinologistas.

Serviço:

http://www.sbemsp.org.br

https://twitter.com/SBEMSP

https://www.facebook.com/sbem.saopaulo/

https://www.instagram.com/sbemsp/

https://www.youtube.com/c/SBEMSP

gengibrecomunicacao@comuniquese2.com.br

Talvez você se interesse por estes artigos

Fechar Menu