Com a proximidade do Carnaval, época em que multidões se reúnem para aproveitar as festividades que ocorrem em todo o Brasil, aumenta a importância de alertar a população sobre a prática de relações sexuais seguras como medida de prevenção a doenças e infecções sexualmente transmissíveis – que, no caso do vírus HPV, aumenta o risco de desenvolver o câncer. Entretanto, apesar das campanhas de conscientização e da facilidade de acesso ao preservativo, boa parte da população ainda faz sexo sem proteção. Segundo constatou pesquisa da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), 59% dos brasileiros não usa preservativos como medida de prevenção à doença.

Ainda de acordo com a pesquisa, a relação entre o sexo desprotegido e câncer também não é conhecida pelos brasileiros: entre os 1500 entrevistados, quase 30% dos brasileiros não imaginam que usar preservativos pode reduzir o risco de desenvolver câncer. “Os preservativos estão comumente relacionados à proteção contra o HIV – vírus causador da AIDS- entretanto, também são o modo de combate primário a diversas outras doenças, incluindo formas de tumor que possuem relação com o vírus HPV, como colo do útero, vagina, vulva, pênis, ânus, boca e garganta. No câncer de colo do útero e pênis, por exemplo, o mero contato com a mucosa e pele da região genital e perineal pode infectar o (a) parceiro (a). Assim, o uso do preservativo, desde o início da relação sexual é essencial, afirma Dra. Andreia Melo.

Vacina que também previne contra a doença tem baixa adesão

Outra forma simples de prevenção ao câncer é a vacina contra o vírus HPV. Entretanto, ainda de acordo com a pesquisa, 14% da população do país discorda, em maior ou menor grau, que vacinas contra Hepatite B e HPV são eficazes para evitar o desenvolvimento de variedades da doença.

“Há anos, a rede pública de saúde do país oferece os meios necessários para que a população se proteja de doenças e infecções sexualmente transmissíveis, incluindo o vírus do HPV: preservativos são fornecidos e vacinas estão disponíveis gratuitamente para meninas e meninos entre 9 e 13 anos. Porém, sem a conscientização adequada, o que se percebe é a baixa adesão da população às medidas necessárias. Praticamente metade da população diz não usar preservativos (41%) e nem aderir a campanhas de vacinação (46%), sendo que uma parcela relevante – 13% e 10%, respectivamente –, afirma que não pretende fazê-lo no futuro próximo”, diz Andreia Melo, Diretora da SBOC.

SBOC prepara ação de conscientização durante o pré-carnaval de São Paulo

Para gerar conscientização junto à população sobre a importância de uso de preservativos e da vacinação contra o HPV como medidas fundamentais na prevenção do câncer, aSociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), em parceria com a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, distribuirá cinco mil preservativos para os foliões durante o pré-carnaval de São Paulo.

Serviço:
Quando:
 Sábado, 03 de fevereiro
Onde: Avenida Hélio Pellegrino, a partir das 11h30
Blocos: Unidos da Ressaca do Diabo, Bloco Só Alegria, SáTurnalia e Coletivo Missa

Para a população das demais regiões do país, a SBOC disponibiliza cartilha online com orientações sobre como adotar medidas e hábitos saudáveis que ajudam na prevenção do câncer.Para isso, basta acessar: https://goo.gl/ZveqUh

giulia.jubelini@zenogroup.com

Talvez você se interesse por estes artigos.

O nervo ciático é responsável por controlar as articulações do quadril, joelho e tornozelo e, também, os músculos posteriores da coxa e os músculos da perna.  A lombociatalgia, mais conhecida como "dor no ciático", é um problema...
Fechar Menu