Cirurgia bariátrica: uma das melhores soluções para a obesidade mórbida

As ruas não mentem: a obesidade mórbida cresce em meio aos brasileiros. Dados do Ministério da Saúde afirmam que a taxa de obesos mórbidos cresceu 60% em dez anos — de 11,6%, em 2006, o número subiu para 18,9% em 2016. Isso eleva o país a um dos primeiros lugares no ranking de mais obesos do mundo. Felizmente, um dos meios de maior incentivo para a recuperação da obesidade mórbida é a cirurgia bariátrica, que vem sendo cada vez mais procurada pelos pacientes que sofrem da doença.

Segundo o Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício (IBPEFEX), as causas da obesidade compreendem desde aspectos físicos, psicológicos, ambientais até genéticos — que se correlacionam em uma complexa ligação. A consequência, no entanto, é a mesma: redução da qualidade e da expectativa de vida. Diversas enfermidades podem surgir a partir da doença: dentre as mais comuns, estão a hipertensão arterial, a diabetes, as hérnias, as esofagites de refluxo, as disfunções respiratórias…

Um dos grandes problemas da obesidade mórbida, que, segundo o Ministério da Saúde, compreende o peso que extrapola o índice de 40kg/m2 de massa corporal (IMC), é que ela pode causar o “efeito sanfona” em determinados indivíduos que iniciam tentativas de processos de emagrecimento — sejam eles dietas, tratamentos ou medicamentos miraculosos. Muitas vezes, sem o fôlego necessário para continuar com o treinamento ou a dieta, o peso dos pacientes retorna rapidamente ao valor inicial — e, então, surge a desmotivação dos mesmos em recuperar a saúde. As cirurgias bariátricas chegam como um significativo auxílio nesse momento inicial de perda de peso e melhora de vida destes pacientes.

“A cirurgia como tratamento da obesidade vem sendo amplamente difundida atualmente. Muitos cirurgiões têm se especializado em várias áreas de técnicas cirúrgicas, como as restritivas e a Capella”, afirma o médico Marlus Moreira. Hoje, existem três métodos de cirurgia bariátrica: restritivas, disabsortivas e mistas.

Tipos de cirurgia bariátrica e como elas podem ajudar na obesidade

  • Restritivas: São aquelas cirurgias que apenas reduzem o tamanho do estômago, adequando a capacidade alimentar de cada indivíduo. Entre elas, estão o balão intragástrico e a banda gástrica ajustável por laparoscopia.
  • Disabsortivas: São aquelas que interferem na capacidade de absorção de nutrientes por parte do intestino. Ao reduzir a absorção, o emagrecimento ocorre sem limitar, em grande quantidade, a ingestão de alimentos. Exemplos de disabsortivas são a cirurgia de Payne e a derivação biliopancreática.
  • Mistas: São aquelas que tanto reduzem a quantidade de alimentos que entra no trato gastrointestinal como também reduzem a capacidade de absorção do intestino. Como exemplos, estão a cirurgia de Fobi-Capella e o by-pass gástrico sem banda.

É importante ressaltar, segundo o médico Marlus Moreira, que cirurgia de obesidade não deve ser considerada apenas como uma cirurgia digestiva — e sim como uma cirurgia de comportamento nutricional. “O objetivo de uma cirurgia como essas é a mudança de hábitos alimentares dos pacientes. A transformação no comportamento de um obeso mórbido, com o auxílio de uma cirurgia bariátrica, poderá ser bastante facilitada”, lembra.

O acompanhamento psicológico durante o tratamento da obesidade também é recomendado pelo médico, em vista das experiências que o paciente pode ter adquirido. O preconceito direto ou indireto nas relações sociais cotidianas pode suscitar conflitos psicológicos que se manifestam, comumente, por episódios de depressão, ansiedade, vômitos, bulimia, entre outros. O papel do psicólogo nesta situação é de extrema importância, tanto no pré quanto no pós-cirúrgico — afinal, a saúde emocional também entra em jogo na melhora de vida.

O Instituto Mário de Abreu tem uma equipe especializada em tratamentos cirúrgicos do aparelho digestivo. Entre em contato e agende sua consulta pelo telefone (41) 3232–1262. Uma cirurgia bariátrica pode ser a solução para sua recuperação.